É Pecado Sermos Tentado?

09
May

É Pecado Sermos Tentado?

                                                                                                                                                                                                               É PECADO SER TENTADO?

 

 

@@FBC 1823, E Pecado Sermos Tentado?@@

 

É Pecado Sermos Tentado?

Copyright  1984 by
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved

Published under permission by:
COCONET-US, LLC. (Educational Department)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9782

 

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

É Pecado Ser Tentado?

 

Nenhum cristão, adulto, no mundo pode estar despreocupado sobre o traumático problema da tentação. Não existe um nível de idade quando  escolhas morais e perturbações de espírito não nos venha a afligir. Tentação pode nos atacar em diferentes pontos em diferentes aspectos, mas isto estará sempre com nós, na medida em que nós estamos na carne.

Quando eu era criança, anos atrás lá em Cruz Alta, RS, nós podiamos sempre dizer quando as frutas dos pomares de nossos vizinhos. Uma certa gang de meninos viznhos se arremetia contra esses pomares, e todo mundo dizia: “Já é tempo de novo, vamos lá”.  Agora,  demônios são muito mais espertos do que adolescentes e enquanto os frutos de nossas vidas estão amargos e verdes, eles podem deixar a gente em paz. Mas quando este fruto está maduro, todos os demônios repentinamente aparecem para tentar roubar isto de voce.

Isto quer dizer que as pessoas mais espirituais são as pessoas que estão mais sujeitas a sofrerem as mais severas tentações. Eles tem alguma coisa que Satanás gostaria de  estragar ou destruir. Àqueles cristãos que estão ‘fora de forma’, poderão escapar ilesos, com a pele lisa, mas os verdadeiros santos, estarão sempre em constante ataque.

Quer isso dizer que talvez seja um privilégio estar sob os constantes ataques de Satanás? Talvez sim. De certa maneira, isto é um complemento, ter ladrões querendo invadir a sua casa. Isto mostra que voçe pelo menos deve ter alguma coisa de valor dentro dela. E quando os demônios aparecem, isto pode querer indicar que  voce está bem espiritualmente, melhor do que nunca esteve antes.

Agora nós estamos preparados para darmos uma olhada em um dos mais atônitos textos da Bíblia. “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias  tenteções.” Aparentemente, os escritores da Bíblia estavam também convencidos de que tentação pode ser também uma boa coisa. No entanto o pensamento está em total conflito com toda a dolorosa experiência humana que temos em enfrentar a tentação. Muitas pessoas consideram ser isto um mal necessário, ainda que destrutivo em sua influência.

Nós certamente necessitamos entender que existe algumas qualidades redentoras  sobre sermos tentados. Primeiro de tudo, isso prova que temos moral à vista. Ninguém pode ser tentado a não ser que exista uma significante escolha a ser feita. Assuntos sobre o que é certo e o que é errado tem que ser claramente distinguídos. Pessoas que veem tudo no reino moral como um tipo de lusco-fusco opaco não podem passar através de qualquer grande batalha da mente.

Uma pessoa tem que ter uma especial consciência de bom ou mau, em ordem de ser tentada. Muitos modernos religiosos parecem ter somente uma pequena quantidade de conscência, o que pode respoder por esta falta de conflito espiritual. Que contraste com os grandes carácteres do passado, os quais parecem terem havido dramáticos téte-a-téte com o diabo. O confronto de Martinho Lutero com Satanás foi tão real que dele é reportado ‘ter jogado um tinteiro’ em seu tormentador. Voce então deveria ser congratulado se voce está sofrendo tentações. Isto certamente implica de que voce está vendo e discernindo a matéria corretamente. Mas agora agora vem a mais cruscial questão:  Depois de reconhecermos a verdadeira situação adiante de nós, teremos nós força para escolher o que é bom sobre o que não presta?  Paulo sentiu a urgência desta questão quando ele escreveu sua primeira carta à igreja de Corintos. Ninguém poderia estar em face de mais óbvia escolha do que aqueles poucos cidadãos cristãos de Conrintos. O mundo pagão da carne saltava em vívido contraste com o negar-se-a-si-próprio estilo de sua nova encontrada fé. Não existia dúvida nenhuma entre eles sobre o certo e o errado, e Paulo escreveu: “Não veio  sobre vós tentação, senão humana; mas fiél é DEUS, que vos não deixará  tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape para que podeis suportar.” I Corintos 10:13.

Este verso é rico em encorajamento inspirado para qualquer um que está se debatendo contra o mal reconhecido. O apóstolo admoestou contra o fazer excecção de nós próprio. Isso é muito fácil para nós dizermos que ninguém mais tem que fazer face ao inimigo do jeito que nós tivemos.  Nossos sofrimentos parecem ter sido mais severos e nossas batalhas mais árduas do que qualquer outro teve experiência. Paulo diz que isso simplesmente não é verdade, e nós não podemos nos permitir a pensar assim nem por um momento sequer. Isso é velho. Não interessa o quanto ou o que nós tipo de tentação tivemos, milhões e milhões já foram tentados da mesma maneira, muito antes de nós termos nascido.

O quanto nós gostaríamos de considerar que nossa situação fosse diferente da  dos demais! Isso nos provê uma muito inteligente racionalização, se por um acaso nós perdermos a batalha e cedemos à tentação. Se o nosso caso é diferente, DEUS não pode julgar-nos estritamente como os outros que tiveram um muito mais simples teste. O homem  de negócio consola-se a si mesmo, justificando que a sonegação de taxas não é usualmente a coisa certa a fazer, mas por causa que ele  sofreu muitos roubos, mais do que qualquer outro. E por outro lado, o governo o discrima sobre maneira, e os burocrátas do governo não largam o seu pé.” O marido XXXXXX justifica: “Meu problema  é único. Minha esposa é fria e não me responde, e ninguém entende as pressões que eu estou passando.”

Escreva isso: Quase todo o pecado terá como prefácio estas quatro palavras: “Eu sou uma execção.” Nós temos que constantemente lembrar a nós próprios que isso vem sendo a psicologia de Satanás que ele vem usando por mais de 6,000 anos. Tudo o que ele tentou na deserto foi tentar convencer a Jesus que Ele era diferente. Em todas as tres aproximações que Satanás fez à Jesus eram baseadas na idéia que Ele, como Filho de DEUS, poderia fazer coisas que ninguém mais poderia – tornar pedras em pãos ou pular do pináculo do templo sem se ferir.

 

PAPEL DA TENTAÇÃO

Agora Paulo rapidamente assegura-nos de que “DEUS é fiél, e que não irá permitir que sejamos tentados mais do que possamos suportar. Isto é uma segurança confortadora! Mas porque permitiria Ele que conflitos agonizantes viessem a engolfar seus escolhidos? Porque simplesmente não remover toda a tentação? A resposta é encontrada  em Tiago 1:2-4. “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações: Sabendo que o prova da vossa fé obra a paciência. Tenhoa, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma.”

Uma nova e satisfatória gravura começa a emergir desses versos. Tentação provê opotunidades para conquistas espirituais e crescimento.  Isto não é uma desgraça sermos tentados. Se não existir batalhas, não existirá vitória através de fortes decisões. Nem tampouco exitiria nobreza de carácter. Virtude é inocência tentada. Bondade não experimentada ou testada pode até não ser bondade. Eu Poderia  possívelmente sequestrar-me a mim mesmo em alguma caverna solitária e não cometer nenhum tipo de pecado exterior por uma semana interia pelo simples fato de que estaria recluso nesta caverna sem contato com pessoa nenhuma. Iria esta semana toda que passei na caverna provar alguma moral virtuosa de minha parte? Simplesmente não. Ser cristão não é somente a absência de um errado coportamento na vida; isso tem a ver com  a agressiva prática de virtudes positivas também. Minha vida na caverna pode provar mais do que eu realmente gostaria de provar. Eu poderia ser bom, mas  para nada! A pessoa que evita todo o tipo de tentação por evitar contacto com todas as pessoas, poderá não oferecer nenhum mal, mas nem tampouco fará algo de bom. Ele é moralmente anêmico.

Agora nós somos trazidos de volta à afirmação de Paulo de que DEUS irá “encontrará uma maneira de escape,  para que possa ser possível suportar isso.” Quer isso dizer que sempre haverá  uma fácil saída para qualquer tipo de tentação?  Não. Isso que dizer somente que em qualquer tentação moral que venhamos a sofrer, DEUS irá prover-nos de uma alternativa. Sempre existirá dois caminhos dirindo-nos para fora de qualquer tentação – um,  o fascinante caminho do mal; o outro, um apelativo caminho de bondade. Paulo esta dizendo de que somos dirigidos a duas direções, a cada momento em que somos tentados. E no mesmo tempo, nós somos tentados a irar-se, nós também somos tentados em nosso auto-domínio. Quando nós somos tentados a ser desonesto, nós também estamos sendo persuadidos a usar integridade.

Um menino estava parado dentro de um supermercado com suas mãos em um barril de maçãs, acariceando aquelas deliciosas frutas. Finalmente o dono do supermercado aproximou-se do menino e perguntou: “Hei rapaz, voce está tentando me roubar? Não respondeu o menino, Eu estou tentando não lhe roubar.” Nós facilmente podemos entender o que ele estava tentando dizer com aquela resposta. Todos nós nos deparamos com estas duas vozes e estas duas escolhas. Nós podemos não ter isso claramente analizado e definido, mas nós estamos realmente sendo tentados pela bondade como também pela maldade.

Aquele que reprime o impulso de roubar está expressando a virtude da honestidade. Aquele quer reprime o desejo de cometer adultério está simultâneamente expressando  a virtude  da pureza. O segredo é applicar este bonito princípio em nossas experiências diárias, assim que nós não vamos pela vida afora encarando tentações como um mortal inimigo. Em longo termo, nós podemos descobrir que as mais intrigantes e apelativa coisas são realmente boas coisas. Mr. D. L. Moody chamou uma certa maravilhosa colina de sua juventude como “A Colina da Tentação”, por causa ele dizia que um dia alguém não resistiria à tentação de construir uma igreja naquele colina. O suficiente certo, alguém não resisitiu a tentação e uma amável capela está lá naquela colina até hoje.

Agora, vamos dar uma olhada através destes dois caminhos que nos leva para fora de cada experiência da tentação. A tentação que faz o carácter nobre por não consentir que o errado prevaleca, irá fazer outro carácter ignóbel e repudiante se se permitir a cometer o errado ato. A lei da natureza humana decreta que nós nunca poderemos ser o mesmo depois que encararmos a tentação. Ou nós iremos alcançar a vitória e sermos fortes para a próxima que se nos apresentar no caminho, ou nós iremos ceder e seremos muito mais fracos para as que sucederem. Nosso carácter é construído ou destruído, dependendo dos rumos que a nossas escolhas foram feitas.

 

DEVERÍAMOS NÓS PROCURAR A TENTAÇÃO?

Será que isto provê a nós um tremendo argumento provar que a tentaçao possa ser uma boa coisa? Realmente, isso pode. Mas isso pode também ser abusado se nós não formos cuidadosos. Porque vitória pode fazer muito bem para nós, devemos nós sair em busca de desafios? Se tentação pode ser uma gloriosa oportunidade para desenvolver o nosso carácter, porque então nós não oramos assim: “Deixe-nos cair em tentação…” ao invés de “Não nos deixe cair em tentação…?” Alguns podem alegar que eles precisam uma injeção de força e saem a procurar suculentas tentações por aí, e assim obter a vitória e fortificar seus carácteres.

O que está errado com esta afirmação?  Exitste alguma convencedora resposta para isso?  Aqueles de nós que possuem a liberdade de escolha deveriam orar para que nunca  venham a fazer um mau uso deste dom e ser colocados em situação  our cirscunstâncias em que venham a ser testados além de nossa capacidade de resistência. O fogo, controlado dentro do fogão, é uma coisa de bastante utilidade, mas isso não é de muito proveito se fora de controle estiver no forro ou no porão de nossa casa. É muito melhor prevenir-nos do que nos encontrar em uma armadilha sem saída.

O fato é que nós interpretamos errado nossas próprias forças. Nós não entendemos nossos pontos fortes e nossas fraquezas. Por esta razão, ninguém é justificado em deliberadamente procurar por situação de deste. Nós não temos promessa nenhuma de  libertação em circunstâncias como esta. A Bíblia diz: “Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia de juizo, para serem castigados.” II Pedro 2:9.  De novo, DEUS promete: “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu ter guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que  habitam na terra.” Apocalipse 3:10.  Somente Ele é quem se qualifica para  para arranjar as circunstâncias de nossos testes. Ele permitirá um desenvolvimento em volta daqueles em que Ele sente em que estão em necessidade de desenvolver suas forças para resistir .

Todos nós temos nossos particulares pontos vulneráveis de carácter. Isto é tristemente verdade que existe momentos especiais em que nós estamos suscetíveis a sermos embraçados pelo inimigo. Satanás está muito bem sabendo a respeito desses momentos, quando nossa resistência atinge estes baixos níveis, e ele também entende nossas fraquezas individuais. Nós podemos estar certos de uma coisa – seus mais intensos ataques virá em um momento de nossa maior fraqueza e no mais fraco ponto de nosso carácter.

Que solene pensamento! Com este tipo de inimigo nós nunca podemos estar seguros em nossas próprias forças. Nós somos tão fortes como nos momentos de nossa maior fraqueza de nossas vidas. Nosso carácter é tão forte como o mais fraco dos elos de nossa força. Estes fatos para previnem de uma vez por todas de que nós podemos deliberadamente e cuidadosamente sermos testados para construir nosso carácter. DEUS tem que medir as tentações para nossas particulares necessidades e resistências, e ELE tem que constantemente controlar a força destas circunstâncias as quais testam nossa fé e experiência. Nesse tipo de tentação nós podemos nos regozijar, como Tiago nos admoesta para fazermos.

O PECADO COMEÇA NA MENTE

Um outro interessante fato sobre a tentação é que  isto sempre assalta a mente primeiro. Todo o pecado tem usa origem no pensamento, muito antes isto aparecer como um ato do corpo. Jesus disse:  “Porque do interior  do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as protituições, os homicídios, Os furtos, a avareza, as mandades, o engano, a dissolução, a inveja, a blafêmia, a soberba, a loucura.” Marcos 7:21, 22. Quase toda a categoria  de maldade é incluída nesta longa lista de pecados que fluem do coração. Paulo descreve paixão como: “…fazendo a vontade da carne e dos pensamentos.” Efésios 2:3 A texto grego mais apuradamente diz: “desejos dos pensamentos.”

Agora mesmo, nós temos que fazer alugumas cuidadosas distinções. Isto é muito importante entendermos que  desejo, em si mesmo, não é errado. DEUS atualmente tem colocado certos apetites e propensões em nossa natureza humana. Não tem nada errado com estes sentimentos na medida que eles são propriamente controlados e dirigidos. Isto inclue ambição, temperamento, sexo e todas as outras básicas disposições. O Errado vem somente de um jeito. Quando o desejo ultrapassa os limites e procura gratificação fora da vontade de DEUS, isto se torna paixão.

Todos os dias nós somos confrontados com fotografias, livros, palavras, etc… as quais são excitantes e apelativas para a mente. Isto é através destes estímulos emocionais que a mente é frequentemente presenteada com perversos desejos. A tentação para a paixão está presente, mas isso não é pecado. Na medida em que estes desejos não são gratificados ou satisfeitos eles não estão errados. Isto é somente quando a mente responde para estes desejos e recebe-os é que isto ( a tentação) passa a ser pecado.

Tiago descreve isto desta maneira: “Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concuspiscência. Depois, havendo a concuspiscência concebido, dá à luz o pecado: e o pecado, sendo consumado gera a morte.” Tiago 1:14, 15. Aqui o ato do pecado é comparado ao processo da concepção e reprodução. Assim como a abelha carrega o pólen de uma flor para outra, para fertilizá-la, assim também é o coração de cada indivíduo, aberto para introdução de maus pensamentos e desejos. Se estes pensamentos e desejos são alimentados e deixados germinar na carne, eles produzem a inevitável semente e posterior colheita do pecado, e finalmente a morte. Nossa única proteção é estarmos de guarda em todas as avenidas da alma e testarmos todos os pensamentos que por elas entram. Pela graça e poder de Cristo, todo o malígno desejo pode ser reconhecido e arrancado fora, desta maneira, não dando oportunidade de alojamento na mente tornando se um catalizador de paixões e pecado.

Isto toca um assunto que frequentemene se torna extremamente sensível. Quão fácil é dizer que nós podemos monitorar a nossa mente e arrancar qualquer mau pensamento que leva ao pecado. Mas pode o ser humano, mesmo em concerto com  Cristo, atualmente conquistar a tentação de armazenar pensamentos impuros?  A Bíblia diz SIM.  “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em DEUS, para destruição das fortalezas; Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de DEUS e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo.” II Corintos 10:4, 5.  Como é possível uma total vitória?  É isso alcançado através de oração, fé ou esforço pessoal? Basicamente, nós temos que concordar que este tipo de libertação só é possível através do irradiante e compartilhante Espírito de DEUS. Não existe força suficiente na carne que possa suportar os assaltos dos desejos malígnos. No entanto, vitória não é alcançada sem a nossa forte cooperação e ação mútua. DEUS não opera milagres para libertar aqueles que não usam a força que DEUS lhes deu para suportar e/ou  evitar o mal.

GUARDA AS AVENIDADAS DA MENTE

Denovo, nós somos trazidos de volta à questão do ‘convite à tentação’. O quão longe podemos nós irmos em proteger-nos da vulnerabilidade de pecar?  Jesús deixou um princípio bem claro para nós no Sermão da Montanha. “Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti, pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no ingerno. E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membors se perca do que seja todo o teu corpo lançado inferno.” Mateus 5:29, 30. Óbviamente Jesús não estava falando sobre a mão ou o olho literal. Alguém poderia violentamente destruir o seu corpo e continuar mais pecador do que nunca. Jesús estava falando da ocupação da mão e/ou no que o olho está focalizado. Se nós estamos no trabalho ou em qualquer situação física em que se abre as portas para a tentação, o conselho é: “corte isso fora.” Em outras palavras, livre-se de qualquer situação que lhe venha a atiçar a mente e dirigí-lo a pecar. O Mestre indicou que qualquer radical meio deve ser usado para evitar situações em que possam sobrecarregar a alma com pecados destruidores. Até mesmo posição de emprego deve ser abandonada ao invés de por em jogo a perda espiritual da vida eterna.

Se nós nos encontrarmos admirando alguma cena em que poderá intruduzir alguma ação ou pensamento pecaminoso, Jesús comanda-nos a tirar esta cena de nossa frente de qualquer jeito que seja possível. O termo “arrancar fora” trás a idéia de um ato extremamente rigoroso, se necessário.

Que persuasivo argumento contra este corrupto meio de comunicação de hoje em dia! O fascinante apelo da televisão  é provavelmente o mais poderoso encitamento do século XX. As palavras de Cristo tem uma mais explícita aplicação para aqueles que tem dificuldade em controlar esse box chamado televisão. O conselho de nosso Senhor: “arranque-o fora” é traduzido: atire-a fora, se os olhos continuam a serem ofendidos pelas provocativas cenas do tubo. Muito melhor, Jesús disse, é perder os educativos materiais que isso possa ofereçer do que perder a alma em olhar degradáveis programas que ela apresenta. Se a televisão não pode ser controlada, não facilite! Jogue-a fora!

Iria Jesús pedir que negássemos alguma coisa boa, porque uma pequena porção de poluídas idéias estaria envolvida junto com elas?  Sim. Isto é muito melhor sermos caretas, ou quadrados como o mundo chama – e termos uma ‘vida de um olho só’, do que levar uma vida cheia prazeres do mundo e perdermos nossa alma. “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.” Lucas 9:23. Dizer não para coisas desejáveis da carne é parte do discipulado de Cristo, se estas coisas apresentam uma tentação que provavelmente nos conduzirá a pecar.

que eu estou realmente dizendo é que até mesmo com uma mente espiritual, nós precisamos seguir o grande princípio básico de vitória contra a tentação. Existe lugares a serem evitados se nós queremos obter uma total vitória. Existe alguns devocionais requerimentos se nós queremos estar em total harmonia com Cristo. As avenidas da mente tem que ser guardadas se nós queremos derrotar o pecado na sua concepção.

Que tremenda  diferença isto faria, se todos pudessem entender claramente a prioridade colocada em uma mente pura. Satanás tem criado um deceptivo e artificial mundo da carne que apela para mente de todos os homens, mulheres e crianças. Somente em reconhecermos todas as farças e nos apropriarmos de todas as armas de guerra que Cristo nos dá é que seremos áptos a resistir as tentações e sermos vitoriosos.

 

NÃO CONFIDÊNCIA NA CARNE

Ainda que algumas pessoas pareçam estar aptas a resistir qualquer coisa a não ser tentação, outras  parecem quase que complacentes sobre o problema. Isto é possível haver uma mal-colocada confidência na carne e sua habilidade em tratar com a tentação? Paulo escreveu: “Aquele pois que cuida estar em pé, olhe não caia.”

Voce já notou que alguns dos mais improváveis individuos caem na armadilha dos mais improváveis pecados?  Isto frequentemente é o caso e que pessoas fraquejam justamente naqueles pontos em que ela se julga mais forte. Como é que isso acontece? Será que nós nos tornamos tão descuidados ao ponto de caírmos justamente onde nós éramos fortes?  Parece que sim. Não existe explicações inspiradas em como Moisés sucumbiu para a impaciência e a ira. A Bíblia nos apresenta Moisés como o homem mais manso que a terra já conheceu. Tal pessoa poderia se ater de qualquer outro tipo de tentação mas certamente não para a paixão. No entanto foi exatamente este o pecado que deixou Moisés de fora da terra prometida. Ele bateu com raiva na rocha ao invés de falar como DEUS lhe havia mandado. (Números 20).

A grande poder de Elias estava em sua coragem. Ele enfrentou sózinho toda as intrincheiradas forças de Baal no Monte Carmelo. Com uma incrível eloquência ele desafiou a qualquer um que se desviou do caminho de total obediência a DEUS. No entanto, imediatamente depois de seu bem sucedido desafio contra os profetas de Baal, ele fugiu como um covarde das ameaças da Rainha Jezabel. Isto estava tão fora do caracter deste Tisbita! Será que ele baixou a guarda na área de sua fabulosa resistência?

Abraão foi distinguído pela sua total confidência em DEUS. Ele é chamado o pai da fé. No entanto ele mentiu para o Rei do Egito, com medo de que sua esposa lhe fosse tomada. Porventura estes grandes carácteres da Bíblia não estão a demonstrar para nós dramaticamente como Satanás ataca os lugares onde somos mais vulneráveis em nossas vidas, onde temos falta de alerta? Ninguém deveria pensar  ser imune aos ataques de Satanás por causa de algumas demonstráveis virtudes que eles pensam ter.

Isto também é muito interessante notar que ninguém  pode realmente antecipar o resultado de resistência à tentação desde que isso usualmente aborda-nos pelo lado mais fraco de nossa resistência. Geazi viu as radiantes cores da capa do Capitão Ciro – não as cicatrizes da lepra a qual ele levaria consigo para sepultura. Acã viu a cobiçada forma e brilho da moedas babilônicas – não a fúria da nação que se levantaria a apredejá-lo. Judas não poderia ver passar o brilho daquelas moedas de prata para seu tenebroso remorso e suicídio.

Outra grande verdade sobre tentação, a qual deveria trazer corage para todos nós, é que muitas tentações cessam de nos trazer problemas na medida em que fazemos das boas escolhas nosso hábito.  Assim como nosso cérebro é programado para fazer o mal por  uma constante concessão a matérias que nos levam à derrota, assim isso também pode ser programado para vitória aravés de decisões fortes e escolhas certas. A maior parte de nossos terríveis pavores desaparecerão de experiência na medida que nossa natureza se ajusta ao programa de habitual vitória.

Alguém escreveu um artigo entitulado: “Não Decida Ir à Igreja”, o qual espalhou uma tremenda controvérsia. Mas a básica premissa do artigo era de que simplesmente não deveríamos debater sobre a decisão em atender à igreja. Assim como tambem nós não nos debatemos com a decisão de tres vezes ao dia obtermos as nossas refeições, assim nós não deveríamos nos debater com pesadas decisões de irmos à igreja todos os Sábados pela manhã. Repetição da prática, finalmente torna-se finalmente em uma automática resposta, e a tentação de estar longe ou fora da igreja passa a não existir. Assim isso pode ser também com muitas outras formas de tentação, quando usamos nossa vontade para estabelecermos padrões para nossos pensamentos e atos.

É voce algumas vezes tentado a não ler a Bíblia ou então de não orar pela manhã?  Provavelmente todo o Cristão já se deparou com esta tentação pelo menos uma vez em sua vida. É isso possível tirarmos nossa força desta particular tentação? Sim, isto é possível. Milhares de pessoas tem desenvolvido e estabelecido este tipo de padrão de uma meditação/devoção matinal que eles nem se preocupam em arranjar tempo para tal.  A tentação já não mais existe para eles. Eles tem seguido o conselho de Paulo, “Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem.” Romanos 12:21.

Até aqui, nós temos descobertos alguns dos psicológicos truques que Satanás usa para fazer pessoas cair em pecado. Nós temos também concluído que o pecado tem sua origem na mente, o que significa que alguma especial atenção tem que ser dada para proteger esta vulnerável presa dos ataques do inimigo. Nós temos sugerido o colocar de  guardas específicos na frente das avenidas da mente, para fechar e deixar do lado de fora os pensamentos e desejos suspeitos. Nós fortemente temos  recomendado o uso da vontade e força para dizer NÃO, aos caprichos da carne. Todos esses conselhos são bons, mas também são inúteis se uma verdade não é reconhecida. Agora nós iremos nos mover para o coração do problema da tentação/pecado.

A FORÇA DE UM POSITIVO “NÃO”

A força de dizer Não à tentação somente é possível para aqueles que tem recebido a mente de Cristo através da conversão. A mente carnal não tem escolha nenhuma sobre o pecado. Ela é de antemão completamente dominada e fadada à falha e à derrota. Todo o processo de opção, livre escolha e  decisão está centralizada na misteriosa matéria cinzenta do cérebro. Aqui é onde Satanás fez o seu primeiro ataque a Eva. Para fazê-la pecar. Satanás teve que influenciar a Eva para que abrisse sua mente para alguém outro que DEUS. E o único caminho que ele encontrou foi através da emocional avenida dos sentidos. A isso a Bíblia diz que: “E vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos,  e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, e comeu, e eu também ao seu marido, e ele comeu com ela.” Gênesis 3:6.

Por favor note que a serpente só seria capaz de corromper a mente de Eva através de coisas que ela olhasse ou então escutasse. Isso foi  a apelante beleza do fruto, somada ao hipnotizante som daquela bajuladora voz, que finalmente levou Eva à queda.

Marque isso: Somente por utilizar os caminhos que estão sob nosso cônscio controle que Satanás é capaz de corromper a mente. Em outras palavras, nós temos que consentir antes que qualquer ato de pecado possa ser cometido. Ninguém compeliu Eva para abandonar seu marido, caminhar até a árvore, escutar a serpente e comer do fruto. Todos os passos foram atos voláteis em resposta a algum apelo sensorial. DEUS havia colocado em Eva uma santa vontade e uma perfeita mente sem pecado. Mas ainda assim mesmo Eva escolheu desobedecer.

Nosso caso não é assim tão claro e simples. Nós não possuímos por natureza, o tipo de pura e não poluída mente que Eva possuía. Nós todos herdamos o fraco e comprometedor corpo e mente os quais a desobediência produziram em Adão e Eva. Em ouvindo Satanás e escolhendo obedecer a ele ao invés de obedecer a DEUS, Eva instantâneamente perdeu sua força em resistir tentação. Sua vontade se tornou fraca, e a lei do pecado passou a operar em seu corpo para produzir a morte. Por aquele único ato deliberado, ela para sempre sujeitou-se a ela bem como sua geração a seguir a uma vida cheia de sofrimentos dores e derrotas.

Não tivesse DEUS imediatamente introduzido o plano da salvação em Gênesis 3:15, toda a raça humana teria seguido o curso de Eva de uma vida voluntária ao pecado e teria morrido sem esperança. A prometida semente da mulher oferecia esperança para o home degenerado revertir o efeito do pecado que Adão e Eva cometeram. Através da morte de Cristo a sentença de morte poderia ser levantada e mente de inimizade poderia ser reposta pela mente de Cristo. “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesús. Filipenses 2:5.

Isto sería de uso nenhum lidarmos com o subjeto da tentação sem reconhecermos de que uma última resposta para este problema é uma espiritual entrega para Cristo. Todos os conselhos do mundo, e todo o conhecimento dos equipamentos do pecado seriam menos do que inúteis se mente não esta completamente entregue a Cristo.

 

AS TENTAÇÕES DO SEGUNDO ADÃO

Considere por um momento como Jesús fez o caminho de escape para todo aquele que aceitá-lo. Ele veio como o segundo Adão ao mundo, e encarou o inimigo exatamente como o primeiro Adão o havia encontrado. No entanto, é claro, isso não foi exatamente como Adão e Eva foram testados. Jesús não se deparou  com o inimigo em um amável jardim, rodeado de uma beleza infindável. Ele se debateu com Satanás na solidão do deserto. O primeiro Adão tinha acesso à toda e possível variedade de luxuosa alimentação, mas Jesús, o segundo Adão, foi espoliado e enfraquecido por quarenta dias sem comer ou beber.

O primeiro Adão enfrentou o tentador com a força de um corpo perfeito, sem uma mancha sequer da heredidariedade caída, Jesús abraçou a humanidade para si depois que  4.000 anos de pecados estava aqui nesse mundo a enfraquecer a raça humana. Ele aceitou toda a desvantagem da hereditariedade e as desvantagens que o pecado impôs sobre os decendentes físicos do primeiro Adão.

Ninguém nunca irá entender a natureza daquela contenda no deserto. Satanás tinha uma expectativa antecipada com relação a este confronto, por anos, se não por séculos. Naquelas tres penetrantes tentações ele tinha combinado toda a psicológica experiência que sua mente poderia prover. Em efeito, Satanás apelou para as mesmas básicas emoções humanas, as quais tinham destruído o primeiro Adão –  apetite, presunção e posição. Mas, Graças a DEUS, o tentador não encontrou uma coisa sequer em Cristo que pudesse responder às suas tentadoras ofertas.  O Segundo Adão, totalmente desarmou e derrotou o diábo nas mesmas áreas em que ele tinha sido tão bem sucedido contra o primeiro Adão.

Nós precisamos esticar as nossas mentes em um esforço para compreender esta verdade. Porque o Grande Criador-DEUS, Criador do universo concordou em submeter-se à indignidade daquela experiência?  Não tinha Ele já provado a Sua força sobre o diábo, quando Ele o expulsou dos céus?  Porque que Ele, colocou-Se voluntariamente em tal e terrível desvantagem no meio de outro conflito com Satanás?

A resposta é simples. O diábo havia roubado a Obra-de-Arte da  criação de DEUS. O homem, o qual DEUS amou, havía sido sequestrado pelo inimigo, ainda mesmo que concordando, havia sido preso em captividade. Duas coisas aconteceram naquele dia em que Adão foi conquistado por Satanás. Primeiro, ele e seus descedentes imediatamente cairam sob a irrevogável sentença de morte a qual DEUS havía pronunciado sob a transgressão de Sua lei. Segundo, total natureza moral  tornou-se traumatizada e degradada pelo pecado que isso nunca sería possível para Adão ou sua posteridade se abster ou se ver livre do pecado novamente.

Voce consegue ver o problema?  O que poderia DEUS fazer para liberar as criaturas que Ele amava tanto, da desvastadora consequência de seus pecados? Eles estavam condenados a morrer e eles haviam rejeitado a força de obedeçer. Satanás estava triunfante. Ele argumentava que o próprio DEUS não conseguia trazer o homem de volta sem trocar a Sua lei ou comprometer a Sua justiça. Pelo menos Satanás havia encontrado uma maneira de provar e justificar os ataques que ele havia pressionado contra DEUS. Na presença dos santos anjos ele havía acusado DEUS de não ser justo, que requeria uma impossível obediência.

Agora ele se vangloriava todo com dilema de DEUS, na medida que seus ataques pareciam provar serem verdadeiros. O homem, aparentemente não poderia obedecer. Agora DEUS, ou deixaria o homem morrer em seu pecado, ou então alterar  Sua lei, ou aceitar o transgressor em seu Reino. – Assim Satanás argumentava.

Deus enfrentou este problema com uma incrível estrategia, que nenhum demônio ou homem poderiam nem sequer imaginar. Satanás estava estupefato pelas suas implicações. Brevemente, isto involveu a DEUS o tomar o lugar do homem aceitando a punição da morte por ele. Nem a lei nem a sentença por quebrá-la foi modificada.

Em ordem para morrer pelos pecados do homem, DEUS deveria tomar sobre Si a natureza que estava sujeita à morte. Divinidade não poderia morrer. Jesus aceitou a inexplicável condição  de ser nascido nos perdidos, e condenados descentes da família de Adão. Na incarnação, DEUS não somente proveu  para Sua reconciliante morte como também refutou os argumentos de Satanás de que o homem não podedira viver sem pecar. Em ordem para que Ele pudesse fazer uma demonstração que ficasse sem resposta pelo lado de Satanás, Jesús submeteu-Se a Si mesmo às mesmas limitações humanas de qualquer filho de Adão. Ele foi tentado em todos os pontos que nós somos tentados. Mas no entanto Ele superou completamente a todos os pontos, usando a mesma força divina que está disponível e acessível a cada um de nós. Ele foi total e completamente DEUS, mas foi também totalmente homem. Em enfrentando estas tentações, Ele voluntariamente restringiu-Se aos mesmos recursos espirituais que estão disponíveis ao homem de hoje. Dessa maneira Ele esmagou a mentira de Satanás que a obediência para humanidade era impossível.

 

TODAS AS COISAS PERDIDAS SÃO RESTAURADAS

Com uma vida de perfeita obediência atrás dEle, Jesús entregou sua vida para satisfazer a penalidade da lei violada. Sua morte e ressurreição lhes deu total e final autoridade para reverter a terrível devastação que a humanidade vestia pela vitória de Satanás sobre Adão. Agora Jesús tinha em Suas mãos tudo o que o homem possivelmente necessitar para ser restaurado ao Edênico plano de perfeição e santidade. Ainda que isso Lhe tenha custado um preço infinito para obter, Ele ofereçeu tudo isso como um presente, de graça, para todos os que desejam recebê-lo.

O que Ele teve que oferecer?  Livramento da sentença de morte através de Sua própria assunção da culpa e penalidade, crédito para uma perfeita vida de obediência, através de Sua imputada justiça , e vitória na carne sobre toda e qualquer tentação que Satanás possa elaborar.

Muitos que tem prazerosamente recebido os dois primeiros presentes tem estado temerosos de  aceitar o terceiro. Porque deveríamos nós hesitar em sermos uma exibição para DEUS? Em recebendo  Seu poder de vitória sobre a tentação, nós provemos a reinvidicação do propósito original de DEUS, e expomos as blasfêmicas mentiras de Satanás pelo que elas realmente são.

Por agora, Satanás detém tenasmente a temporária posição de regente deste mundo. Ele olha em desesperação na medida que Jesús e o Espírito Santo quebram as barreiras do pecado para libertar multidões de seus captivos. A força da carne é quebrada e subjugada toda a vez que o Eu se rende para Cristo. Tentação perde a sua força quando ELE entra na vida. Por uma decisão, agora mesmo, vitória é assegurada. O segundo Adão era para libertá-lo desta  velha natureza pecaminosa do primeiro Adão. Ele quer voce mude famílias. Não existe esperança para nós superarmos a tentação a não ser que nós saiamos desta derrotada família, que está morrendo, do primeiro Adão.

Jesús oferece a cada um de nós a vitória que ele venceu sobre Satanás na carne. Nós poderiamos duvidar desta dádiva se Ele não tivesse obtido esta vitória com a mesma natureza que nós possuímos. Ele quer entrar agora em sua vida e viver esta mesma vida vitoriosa, dia após dia.

Uma de minhas estórias favoritas tem a ver com Augustine, o qual teve sua juventude marcada por licensiosidades e imoralidades que não podem ser descritas aqui. Como homem jovem, ele foi varrido por uma poderosa corrente de emoção por duas mulheres em sua vida. Como uma ovelha desgarrada, Augustine procurava estar perto de sua bondosa mãe, Mônica; e depois era arremessado para o lado de uma dissoluta mulher que parecia o ter preso em uma irresistível atração maligna. Mesmo tendo as orações de sua mãe, Augustine continuava o curso de uma vida miserável. Algumas vezes ele era atraído para pelas justas intruções de Mônica, sua mãe, mas depois, a má influência da outra mulher lhe pegava de volta. A batalha foi longa e terrível.

Mas depois, veio um glorioso dia quando em seu jardim, Augustine foi convertido através de uma misteriosa voz dirigindo ele a Romanos 13:13, 14. Quando ele leu este texto, as escamas caíram de seus olhos, e ele correu apressadamente a contar as boas novas à sua mãe. Ela ficou em um deleite supremo com a dramática mudança de seu filho.

Enquanto caminhando pelas ruas de Carthage no próximo dia após sua conversão, Augustine avistou a mulher que havia sido sua compania de pecados. Elas estava vindo em sua direção e não existia maneira de evitar o encontro. Sem reconhecer a sua presença, Augustine passou por ela sem falar uma palavra sequer. Ela parou sem entender e acreditar no que estava vendo, e depois correu em direção a ele em estado de fúria. Pegando em seu braço ela gritou,  “Augustine! Augutine! Sou eu.” Ele parou em seu caminho, olhou para ela, e disse: “Sim, mas este não sou eu.” Depois ele caminhou rua abaixo e para fora da sua vida para sempre.

Augustine falou a verdade aquele dia porque realmente ele era uma nova pessoa. Isto é somente na força do segundo Adão que nós seremos capazes de dar as costas à tentação. O pecado perde o seu apelo para àqueles que amam a Jesús Cristo e tem feito suas decisões em servir a Ele ao invés de a si próprio.

Satanás não terá problema nenhum em superar os filhos do primeiro Adão. Ele derrotou o pai, e da mesma forma irá manipular os filhos. Mas por outro lado, ele não terá sucesso nenhum e não encontrará caminho para conquistar àqueles que se aproximam à fortaleza do segundo Adão.

Esta é a maneira de escape que é prometida para aqueles que receberão isto. Jesús simplesmente repassa para Seus filhos espirituais a vitória total a qual ele venceu sobre Satanás, enquando aqui Ele viveu sua natureza, a natureza carnal de nós humanos.

Este é o coração da materia. Sob esta força os cristãos usam o seu rendido  desejo de estilo de vida o qual evita as escondidas armadilhas da tentação. Ambos fatores são muito importantes em obter a vitória – tendo Cristo no coração e evitando a presunçosa situação de tentação. Possa DEUS guiar-nos em aplicar estes pricipios espirituais em nossa própria experiência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Translate »