News

Sermãos

09
May

Por Que Deus Disse: Lembre-se?

Porque Deus Disse Lembre-se?

Copyright  1980 by
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved

Published under permission by:
COCONET-US, LLC (Educational Department)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9682

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

 

Porque DEUS disse Lembre-se?

 

Numerosas pesquisas e questionários tem confirmado que a mais popular forma do moderno cepticismo é a negação da história da criação.  Setenta e dois porcento dos ministros entrevistados expressaram vários degrees de dúvidas de que DEUS tenha atualmente chamado este mundo à existência, de acordo com o relato Bíblico. Esta descrença fundamental tem levado muitos à outra fundacional doutrina do Cristianismo tal como o imaculado nascimento e o reconciliamento.

Isto é interessante notar que DEUS aparentemente já antecipava este monte de controvérsias sobre a descrição em Gênesis, sobre a “FIAT Criação”. Suas alegações da manufatura dessa excitante massa de matéria por meramente comandar isto a existir – bem, certamente que existiriam aqueles que duvidariam e seriam descrentes de tal descrição. E até mesmo aqueles que leram a respeito disso e acreditaram que isso assim foi, iriam brevemente esquecer este milagroso fato, sobre a influência confusa de milhares de deuses que iriam surgir.

Assim DEUS precisava fazer algo não-usual para preservar o conhecimento deste Seu poderoso ato da criação. Esta força de falar e trazer os céus e a terra em existência iria distiguir ELE de todos os falsos deuses e suas enganadoras demandas.

O que poderia ELE fazer, para que toda a humanidade de uma forma inequívoca ficasse apontando para a focal semana da criação, quando ELE para sempre estabeleceu SUA divina autoridade?

 

CRIAÇÃO – A MARCA DA SOBERANIA DE DEUS

DEUS escolheu memorializar aquele convincente display da força criativa em colocando de lado o sétimo dia da semana da criação como um dia santo, de descanso e lembrança. Isto constituiria uma tremenda salvaguarda para a soberania de DEUS – uma marca de Seu direito de exercer as prerrogativas do único DEUS verdadeiro. Isto iria, ao mesmo tempo servir de um devastador sinal para por por terra todo e qalquer deus que não criaram os céus e a terra.

Os escritos dos profetas do Antigo Testamento estão saturados com lembretes da peculiar força de criação de DEUS. Davi escreveu: “Porque todos os deuses dos povoso são coisas vãs; mas o Senhor fez os céus.” Salmos 96:5. Jeremias expressou assim: “Mas o Senhor DEUS é a verdade; ele mesmo é o DEUS vivo e o Rei eterno; do seu furor treme a terra, e as nações não podem suportar a sua indignação. Assim lhes direis: Os deuses que não fizeram os céus e a terra desaparecerão da terra e de debaixo deste céu. Ele fez a terra pelo seu oder; ele estabeleceu o mundo por sua sabedoria e com a sua inteligência estendeu os céus.” Jeremias 10:10-12.

Teve DEUS, por ele mesmo, demonstrado extrema urgência de manter a verdade da criação vívida ante aos olhos do mundo? Sim. Em tal degree que ELE escreveu no coração de Sua grande lei moral a exigência de cumprimento de todo o ser vivente em manter o Sábado santo, e assim, reconhecer Sua divina autoridade. Com estes princípios eternos tendo como a fundação de Seu governo e refletindo o seu próprio perfeito carácter, DEUS escreveu estas palavras: “Lembra-te do dia do Sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra; Mas o sétimo dia é o Sábado do Senhor teu DEUS; não farás nenhuma obra, nem tu, enm teu filho, nem filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nemm o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há,  e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do Sábado, e o santificou.” Êxodo 20:8-11.

Que tamanho ato para resplandecer esta onipotente obra da criação! Uma vez por semana, na medida em que a terra gira em seu próprio eixo, o Sábado viaja ao redor da terra, atingindo a todo o homem, mulher, criança, para lembrá-los deste instante ato da criação. Porque DEUS disse lembre-se? Porque esquecer-se do Sábado é esquecer-se também do Criador.

 

CONVERSÃO – CRIATIVA FORÇA TRABALHANDO

Paralelo ao relato da criação física, nós encontramos o relato da força de DEUS em recriar o coração humano. Evidentemente, os dois processos originam-se da mesma onipotente fonte. Isto requer a mesma quantidade de força para efetuar a conversão ou recriação como fazer alguma do nada passar a existir. Disse o o apóstolo: “E vos revistais do novo homem, que segundo DEUS é criado em verdadeira justiça e santidade.” Efésios 4:24. Desde que o novo nascimento é a mais básica identificação do crente justificado, não é de se admirar de que os escritores da Bíblia constantemente estão a lembrar-nos da força criativa que distingue o verdadeiro DEUS de todos os outros falsos deuses.

Apontando além do mero fato de uma física criacão, DEUS falou também estas palavras: “ E também lhes dei os meus Sábados, para que servissem  de sinal entre mim e eles; para que soubessem que eu sou o Senhor que os santifica.” Ezequiel 20:12.

Note por favor, de que o Santificado Sábado serviria de sinal para o santificado povo. A palavra Santificado, significa colocar de lado para uso santo ( um dia o qual falaria da criativa força de DEUS), serviria também como lembrança de que DEUS também poderia separar um povo para uso santo através de regeneração ou recriação.

Na luz destes fatos, isto é fácil entender o porque de Satanás tem lançado uma contínua e desesperada batalha contra o Sábado do sétimo-dia. Por quase seis mil anos ele tem trabalhado através de orgulho de tradição, desinformação e traições religiosas a destruir a santidade deste especial sinal da autoridade de DEUS – O Sábado.

Como marca do direito de DEUS em reinar, o Sábado desafia a fanfarronice de Satanás de que ele tomaria o lugar de DEUS. Disse o adversário: “Eu subirei ao céu, acima das etrelas de DEUS exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, da banda do norte. Subireiacima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo.” Satanás, atualmente, queria ser adorado. Para atingir o seu objetivo, ele teria que nulificar a Afirmação de DEUS como o regente de direito do universo. A autoridade de DEUS estava assentada em sua afirmação  em dizer ser o Criador, o Sábado era a marca desta autoridade. Em destruindo o Sábado, Satanás preparia o caminho para estabelecer um falso governo baseado em falsos reclamos de autoridade simbolizado por um falso dia de adoração.

 

A BATALHA SOBRE A AUTORIDADE

É fascinante olharmos para trás através dos séculos e vermos o resultado desta grande controvérsia entre Cristo e Satanás. O ponto focal desta batalha tem sempre sido sobre o objeto autoridade.

A estrategia do malígno tem sido um bi-furcado ataque sobre os reclamos de DEUS como o Criador. Primeiro, pela teoria da evolução com a doutrina humanística da seleção natural. Segundo, por um esforço que se estende através dos séculos em tentar destruir a observância do Sábado do sétimo-dia, a marca da força criativa.

Nós somente podemos dizer em passando cada uma dessas infernais tentativas em desacreditar a autoridade divina tem produzido um amargo sucesso, além de qualquer expectativa. Milhões tem sido tornados cépticos religiosos e agnósticos, como resultado da doutrina de Darwin da evolução orgânica. Negando qualquer queda do homem a qual necessitaria um Salvador para o pecado, evolução ataca o plano da redenção bem como o fato da criação.

Em um similar jeito, os ataques de Satanás sobre o Sábado tem levado milhões a desobedecer um mandamento do Decálogo o qual DEUS fez com específico propósito de testar a obediência à lei inteira.

Um bem sucedido plano para subverter a lealdade de milhões os quais eram devotados ao verdadeiro DEUS requeria um master-plano de satânica estratégia. Isto levaria tempo. Isto envolveria séculos de enganadores planos para dobrar a mente humana. Não haveria uma dramática troca de adoradores de DEUS para servidores de Satanás. O segredo seria vencer e ganhar a obediência através de subterfúgios religiosos. Satanás entendia o pricípio descrito em Romanos 6:16 muito antes de Paulo pensar em escrevê-los “Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhle obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para  a justiça?”

Obediência é a mais alta forma lealdade e adoração. Se Satanás pudesse criar uma matéria a qual pudesse fazer com que as pessoas desobedecessem a DEUS, ele teria uma escassa chance de ter suas obediências para a sua causa. A decisiva disputa tomaria efeito sobre a lei de DEUS. Isto constituía a fundação do governo de DEUS. Como Satanás poderia destruir a confidência do povo na lei de DEUS e fazer as com que eles o obedecessem? E que mandamento deveria ele atacar? Óbviamente, aquele que apontava para a força criativa de DEUS e Seu direito de reinar. Como o sinal identificativo do verdadeiro DEUS, o Sábado tem sempre sido objeto de um satânico ódio. DEUS tem escolhido o Sábado como teste de lealdade à Sua lei, no Antigo Testamento: “… para Eu ver se andam na minha lei ou não.” Êxodo 16:4 (última parte).

 

PONTO DE TESTE DA LEI

Desde que DEUS tem feito o Sábado o ponto de teste de todo os Dez Mandamentos, Satanás determinou-se a fazer deste o seu gigante ponto de batalha através de todos os séculos. Em  destruindo o Sábado, Satanás estaria preparado para lançar seu super-plano para reclamar a obediência a um falso dia de adoração. Manipulando a fraqueza de um compromitido cristianismo que vagarosamente ascendia às pagãs influências, Satanás armou seu master-plano – uma igreja-estado de carácter mundial – que inescrupulosamente iria forçar lealdade ao seu falso sistema de adoração.

Por mais de mil anos, começando com a muito falada coversão para o cristianismo do pagão imperador Constantino, a história negra da apostazia se desenrolou. Um dos primeiros atos deste novo professo cristão imperador foi fazer uma lei contra os que guardavam o Sábado e instituiu outras leis, requerindo descansar no primeiro dia da semana, um selvagem dia de adoração pagã ao Sol.

Nós não iremos discutir neste livro, esta bem-documentada história da igreja papal e seus concílios que forçavam observância ao pagão dia-do-Sol, sobre pena de morte. Os fatos são muito bem-conhecidos para aqueles que concordam em pesquisar os registros com uma mente aberta. Durante os quartos e quintos séculos de nossa era, o primeiro dia da semana era exaltado pelo decreto-papal em substituir o verdadeiro Sábado Bíblico.

Infortunadamene, falsas opiniões e falsas informações tem levados milhões de cristãos a fecharem os seus olhos para esta estarrecedora evidência histórica dessa substituição. As raízes destas falsas opiniões, não é difícil de identificar. Satanás tem trabalhado por muito tempo em seu sistema de oposição para permitir que isso seja rejeitado assim tão facilmente. Através dos tempos ele tem aperfeiçoado uma série de falsos e sutís argumentos para suportar a obediência ao seu falso dia de adoração. Ele continua a odiar o Sábado que identifica o verdadeiro DEUS.

Somente na medida que nós expomos estes ataques ao Sábado do sétimo-dia, é que nós estaremos aptos a entender o porquê milhões e milhões continuam a observar o primeiro dia da semana, um dia pelo qual não existe suporte algum, em texto algum da Bíblia. Ninguém discorda com o significado da lei escrita pela mão de DEUS, “O Sábado do sétimo-dia é o Sábado do Senhor… nele voce não deverá fazer nenhum trabalho.” No entanto milhões não obedecem a isto. Ninguém pode refutar a estarrecedora evidência das origens pagãs do domingo, no entanto milhões o guardam, ao invés de estarem guardando o Sábado planamente comandado nos Dez Mandamentos. Porque?  Eu repito, a razão está enraizada um astuto argumento de Satanás que tem criado um clima de desvantagem contra o Sábado do Senhor. Nós iremos agora examinar alguma das maiores falácias destes argumentos.

 

O SÁBADO FOI FEITO SOMENTE PARA OS JUDEUS

Esta falsidade tem ganhado tal força que multidões de cristãos referem-se isto, como “Sábado dos Judeus.” Mas em lugar nenhum da Bíblia nós encotramos tal expressão. Isto é chamado “o Sábado do Senhor,” mas nunca “o Sábado dos Judeus.” Êxodos 20:10. Lucas era um escritor Gentio do Novo Testamento e frequentemente fez referencias para coisas que eram peculiaridade dos Judeus. Ele falou da “Nação dos Judeus,” o “povo dos Judeus”, a “terra dos Judeus”, e “a sinagoga dos Judeus.” Atos 10:22; 12:11; 10:39; 14:1. Mas por favor, note que Lucas nunca referiu-se ao “Sábado dos Judeus”, muito embora ele tenha repetido a palavra Sábado, inúmeras vezes. Cristo claramente ensinou que “O Sábado foi feito para o homem.”Marcos 2:27. O fato é que Adão era o único homem em existência na ocasião em que DEUS fez o Sábado. Nesta ocasião, não existia Judeus no mundo, pelo menos até 2,000 anos depois da criação. Isto nunca poderia ter sido feito para eles. Jesus usou o termo “homem” em senso genérico, referindo-se à humanidade. A mesma palavra é usada em conexão com a instituição do casamento que também foi criada ou introduzida na criação. Mulher foi feita para o homem assim como o Sábado também foi feito para o homem. Certamente ninguém acredita que casamento é somente para os Judeus.

O fato é que estas duas lindas instituições foram  criadas pelo próprio DEUS, antes mesmo do pecado vir a existir nesse mundo. Casamento e Sábado. Ambos foram criados para o homem, ambos receberam a especial benção do Criador e ambos continuam a ser santas do mesmo jeito que elas eram santas no Jardim do Éden. Com o mesmo gráu de intensidade.

Interessante também é notar que Jesus foi O que criou o Sábado, na primeira semana (na semana da criação). Existia uma razão para a Sua afirmação em dizer “Ser o Senhor do Sábado”, Marcos 2:28. Se ele é o Senhor do Sábado, então Sábado tem que ser o Dia do Senhor. João teve uma visão no “Dia do Senhor,” de acordo com Apocalipse 1:10.  Aquele dia tem que ser Sábado. Este é o único dia assim desiginado e reclamado por DEUS na Bíblia. Em escrever os Dez Mandamentos, DEUS chamou isto de “O Sábado do Senhor.” Êxodo 20:10. Em Isaías Ele é parafraseado como dizendo: “O Sábado, meu santo dia.” Isaías 58:13.

Mas nós não podemos menosprezar o fato de que este DEUS que criou o mundo e fez o Sábado foi o próprio Jesús Cristo. João escreveu: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com DEUS, e o Verbo era DEUS. Ele estava no princípio com DEUS. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.” João 1:1-3, 14.

Paulo claramente iddenficou Jesús como o Criador, “ …O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou pra o reino do Filho do seu amor; Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados; O qual é a imagem do DEUS invisível, o primogênito de toda a criação; Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam donimações, sejam pricipados, sejam potestades: tudo foi criado por ele e para ele.”

Para cristãos, separar Jesús do Sábado é um trágico erro. Porque Ele é o Autor, o Criador, o Santificador, e o Arquitéto do Sábado. Não contar com as bençãos que Ele colocou sobre este dia é negar sua autoridade.

Este argumento tem levados muitos a acreditar que o Sábado existiu somente por um limitado período de tempo seguindo-se à criação. Mas é isso um fato? Atualmente, o Sábado nunca poderia ser um tipo ou sombra de qualquer coisa, pela simples razão de que ele foi criado antes do pecaod haver entrado na família humana. Certas sombras e observações típicas foram instituídas como resultado do pecado, e apontavam à frente para a libertação do pecado. Como tais, eram os sacríficios empregados para simbolizar a morete de Jesús, a Cordeiro de DEUS. Jamais existiria sacrifícios de animais se não tivesse existido pecado. Estas ofertas foram abolidas quando Cristo morreu na cruz, por causa que os tipos encontraram o seu cumprimento (Mateus 27:51). Mas nenhuma sombra existiu antes do pecado ter entrado nesse mundo; portanto, o Sábado não poderia ter sido incluído na lei cerimonial de tipos e de sombras.

Paulo referiu-se ao sistema temporário de ordenanças em Colossenses 2:14-16 como sendo “contra nós” e “ao contrário de nós.” Ele atou isso às ofertas de carnes, e as ofertas de bebidas e aos antigos festivais da lei que foram riscados fora. Isto é verdade também que ele se referiu a sábados neste texto, mas note cuidadosamente que ele chamou eles de dias de sábados, os quais são sombras das coisas por vir. Foram alguns dias de sábados riscados fora, na cruz?  Sim, existia pelo menos quatro primitivos sábados os quais vinham em certos dias do mes, e eles foram pregados na cruz. Eles eram sombras e requeriam especificadas carnes e bebidas como oferta. Todos estes sábados anuais são descritos em Levíticos 23:24-36, e depois feito um sumário nos versos 37 e 38: “Estas são as solenidades do Senhor, que apregoareis para santas convocações, para oferecer aos Senhor oferta queimada, holocausto e oferta de manjares, sascrifício e libações, cada qual em seu dia próprio. Além dos sábados do Senhor, alem dos vossos dons, e além de todos os vossos votos, e além de todas as vossas ofertas voluntárias que daries ao Senhor.”

As Escrituras planamente diferencia entre os anuais (sombra) sábados e o Sábado semanal, o “Sábado do Senhor.” Os sábados cerimoniais foram abolidos na cruz; eles foram adicionados em consequência do pecado. Mas o Sábado dos Dez Mandamentos foi santificado, posto de lado, bem antes do pecado ser introduzido e mais tarde foi incorporado na grande lei moral escrita pelo dedo de DEUS. Isto era eterno em sua própria natureza.

 

GUARDE QUALQUER DIA DA SEMANA

Com este argumento Satanás preparou o mundo para aceitar o substituto no lugar do Sábado que DEUS havia comandado. Mediante as ‘tábuas-de-pedra’ DEUS escreveu a grande, imutável lei dos séculos. Toda a palavra era séria e significativa. Nem uma linha era ambígua ou misteriosa. Pecadores e cristãos, educados e não-educados, não tem problema nenhum em entender as simples e claras palavras dos Dez Mandamentos. DEUS pensou no que ele disse; e disse o que Ele pensou. Ninguém tem tentado anular esta lei dizendo ser muito complicada para entender.

A maior parte dos dez preceitos começam com a mesma palavra: “NÃO”, mas no coração (no meio) da lei nós encontramos o quarto mandamento, o qual é introduzido com a palavra “Lembra-te.” Porque este um é diferente? Porque DEUS estava comandando eles a trazerem algo em memória, que já existia mas tinha sido esquecido. Gênesis descreve a origem do Sábado com estas palavras: “Assim os céus e a terrra e todo o seu exército foram acabados. E havendo DEUS acabado no dia sétimo a sua obra, que tinha feito, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E abençoou DEUS o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra, que DEUS criara e fizera.” Gênesis 2:1-3.

Que dia DEUS abençoou e santificou?  O sétimo dia. Como este dia deveria ser mantido santo?  Em descansando. Poderia algum dos outros dias ser mantidos santos? Não. Porque? Porque DEUS não comandou para descansar nestes dias, mas para trabalhar. Faz a benção de DEUS alguma diferença? É claro que faz. Isto é o porque que os pais oram a DEUS para que abençoe os seus filhos. Eles acreditam que isso faça diferença. O sétimo dia é diferente de todos os outros seis, porque ele tem as bençãos de DEUS.

Mais algumas questões: Porque DEUS abençoou este dia?  Porque Ele criou o mundo em seis dias, isto era o nascimento do mundo, o memorial de um poderoso ato. Pode o memorial do Sábado ser trocado? Nunca…!  Porque ele aponta para trás, para um fato consumado. 7 de Setembro é o dia da Independência do Brasil. Pode isso ser mudado? Não. Porque a independência do Brasil foi proclamada neste dia, 7 de Setembro de 1822. Pela mesma razão a data de seu nascimento não pode ser mudada. Isto é o memorial de seu nascimento, o qual aconteceu num dado dia no passado. A história teria que retroceder no tempo e trocar o dia do seu nascimento para que isso pudesse tomar efeito, o mesmo caso com o dia da Independência. O MESMO CASO COM O SÁBADO. Nós poderemos até chamar a outro dia, como o dia da Independência, e nós podemos chamar a um outro dia  de Sábado, mas isso não mudará o dia em nem um segundo sequer.

Deu DEUS o privilégio de escolha para o homem para escolher o seu próprio dia de descanso? Não, Ele não deu. Em fato, DEUS confirmou na Bíblia que o Sábado foi estabelecido e selado pela Sua própria seleção divina e não deveria ser obstruído sob qualquer circunstância. Leia Êxodus 16 concernente à dádiva do maná. Por 40 anos DEUS mostrou tres milagres semanais, todas as semanas, para mostrar para Israel qual o dia que era santo. (1) Nenhum maná caia no sétimo dia. (2) Eles não podiam guardas isso para o outro dia, pois estragava, mas (3) quando eles guardavam o maná de Sexta-feira para Sábado, isto conservava o sabor e a frescura do dia anterior.

Mas alguns Israelitas tiveram a mesma idéia que alguns dos modernos cristãos tem. Eles sentiram que qualquer dia entre os sete estaria ok para ser santo: “E aconteceu ao sétimo dia , que alguns do povo sairam para colher, mas não o acharam. Então disse o Senhor a Moisés: Até quando recusareis guardar os meus mandamentos e as minhas leis?”

Entendeu o quadro? Aquelas pessoas pensavam que qualquer outro dia poderia ser guardado da mesma forma como o sétimo. Talvez eles estivessem planejando guardar o primeiro dia da semana, ou algum outro dia era mais conviniente para eles. O que aconteceu? DEUS encontrou-se com eles e os acusou de estarem quebrando sua lei e indo trabalhar no sétimo dia. Iria DEUS dizer a mesma coisa hoje para aqueles que quebram o Sábado? Sim, Ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre – ELE não muda. DEUS fez isso muito claro que, independente do sentimento deles, aqueles que vão em frente e trabalham no Sábado são culpados de quebrantar a Sua lei. Tiago explica que isto é pecado até mesmo quebrar um desses Dez Mandamentos. “Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu poios não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgresor da lei.” Tiago 2:10, 11.

 

NÓS NÃO PODEMOS LOCALIZAR
O VERDADEIRO SÉTIMO DIA

Esta é a falácia que tem confortado a muitos em sua desobediência ao 4th mandamento. Isto simplesmente não é verdade. Aqui estao tres positivas provas que identificam o verdadeiro Sábado, hoje:

  1. De acordo com as Escrituras, Cristo morreu na Sexta-feira e ressussitou no Domingo, o primeiro dia da semana. Praticamente todas as igrejas reconhecem este fato em observar o Domingo de Páscoa e Sexta-feira Santa. Aqui está a evidência Bíblica: “… Esse chegando a Pilatos, pediu o corpo de Jesús. E, havendo-o tirado, envolveu-o num lençol, e pô-lo nu sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto. E era o dia da preparação, e amanhecia o Sábado.” Lucas 23:52-54. Aqui esta a prova que Jesús morreu no dia antes do Sábado. Este era chamado o dia da preparação, porque era hora para começar a se preparar para o Sábdo. Deixe-me ler os próximos versos: “E as mulheres, que tinham vindo com ele da Galiléia, seguiram também e viram o sepulcro, e como foi posto o seu corpo. E voltando elas, preparam especiarias e unguentos; e no Sábado repousaram, conforme o mandamento.” Versos 55, 56.                   Por favor notem que as mulheres repousaram no Sábado, “conforme o mandamento.” O mandamento diz: “O sétimo dia é o Sábado,” assim nós sabemos que eles estavam observando o Sábado. Mas no próximo verso diz: “E no primeiro dia da semana, muito de madrugada, foram elas ao sepulcro levando as especiarias que tinham preparado. E acharam a pedra revolvida do sepulcro.” Lucas 24:1, 2. uão claro estes tres consecutivos dias são descritos para nós. Ele morreu Sexta-feira, o dia da preparação, comumente chamado Sexta-feira santa. Ele descansou na tumba no sétimo dia, Sábado, “de acordo com o mandamento.” Isto foi Sábado. Depois, no Domingo, o primeiro dia da semana, Domingo de Páscoa, para muitos, Jesus levantou-se da sepultura. Qualquer um que pode localizar Sexta-feira ou Domingo de Páscoa não terá absolutamente dificuldade nenhuma em encontrar o verdadeiro Sábado.
  2. O calendário não tem sido trocado assim para confundir os dias da semana. Nós podemos estar positivos de que o nosso sétimo dia é o mesmo dia que Jesús observou quando Ele aqui esteve. O Papa Gregório XIII fez uma troca no calendário em 1582, mas isso não interferiu com ciclo semanal. Nosso Greoriano calendário atual herdou este nome, quando ele fez esta pequena mundança em 1582. O que o Papa Gregório  fez no calendário? Antes de 1582 o calendário Juliano tinha estado em efeito, instituído por Julio Cesar mais ou menos em 46 B. C.  e herdou o seu nome. Mas o calendário Juliano tinha calculado o tamanho do ano como 365 + ¼ de dia, e o ano, atualmente é 11 minutos menos que os 365 + ¼ de dia. Aqueles 11 minutos foram  acumulando-se, e até o ano 1582 os números do calendários estavam 10 dias a menos, fora de harmonia com o sistema solar. Gregório simplesmente acrescentou estes 10 dias ao calendário. Isto era Quinta-feira, 4 de outubro de 1582, Sexta-feira deveria ser o próximo dia 5 de outrubro. Mas ao invés disso, Gregório fez esse dia; Sexta-feira, 15 de outubro de 1582, trazendo o calendário de volta em harmonia com o sistema solar. Foram os dias da semana confundidos? Não. Sexta-feira continuou seguindo após Quinta-feira, e antes de Sábado. O mesmo sétimo dia permaneceu inalterado e o ciclo semanal não foi perturbado. Quando nós guardamos o sétimo dia no Sábado, nós estamos observando o mesmo dia que Jesús guardou, e Ele fez isso todas as semanas, de acordo com Lucas 4:16. “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de Sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler.”
  3. A terceira Evidência para o verdadeiro Sábado é a mais conclusiva de todas. Os povo Judeu tem observado o sétimo dia desde os tempos de Abraão, e eles continuam a guardar isso hoje. Aqui está – uma nação inteira – milhões de indivíduos – os quais vem continuamente mantendo atualizado, contando semana após semana, após semana, após semana, uma contabilidade meticulosa dos dias da semana até os dias de hoje. Eles estão fazendo isso a mais 3.000 anos, poderiam eles estarem errados? Impossível. O único jeito de ser possível era de que toda a nação entrasse em um profundo sono e por 24 horas todos perdessem a noção do tempo, e depois disso ninguém viesse a eles e lhes contassem o que havia acontecido. Nunca existiu mudança ou perda de Sábado desde que DEUS criou isso em Gênesis. A origem da semana é encontrada na história da criação. Não existe científica ou astronômica razão para medir-se a semana em ciclos de 7 dias. Isto é um arbitrário arranjamento de DEUS e tem sido milagrosamente preservado por uma razão – Porque o santo Sábado aponta para uma força criativa do único verdadeiro DEUS. Isto é um sinal de SUA soberania sobre o todo o universo e a vida humana; um sinal de criação e redenção. Não é essa a razão pela qual DEUS irá preservar a guarda do Sábado através de toda a eternidade?  Nós lemos em Isaías 66:22, 23: “Porque com os céus novos e a terra nova, que hei de fazer, estarão diante daminha face, diz o Senhor, assim ha de estar a vossa posteridade e o vosso nome. E será que desde uma lua nova até à outra, e desde um Sábado até ao outro, virá toda a carne adorar perante mim, diz o Senhor.” O Sábado é tão precioso para DEUS que o Seu povo irá observá-lo por toda a eternidade na linda nova terra que DEUS reconstruirá.  Se isso é assim tão precioso para Ele, não deveria isso ser precioso para nós também? E se nós iremos guardar o Sábado depois, não deveríamos nós guardá-lo agora também? Em uma era de falsos deuses, de uma ateística evolução e tradições do homem, o mundo necessita do Sábado, mais do que nunca como um teste de nossa lealdade ao Grande DEUS-Criador e como sinal de nossa santificação através de Sua força.
  4. A prova número 4 basea-se no fato de que mais do que 100 (cem) diferentes linguagens da terra usa a palavra “Sábado” para o sétimo dia da semana. Por exemplo, a palavra para o sétimo dia da semana em Espanhol é Sábado. No Português também é Sábado. O que isso Prova? Isso prova que quando esta centena de linguagens se originaram, a muito, mas a muito tempo atrás, Sábado era reconhecido como o sétimo dia da semana. E foi incorporado no próprio nome deste dia.

 

SÁBADO FOI SOMENTE UM  MEMORIAL DE LIBERTAÇÃO DO EGITO

Esta estranha idéia é tirada de um singular texto do Antigo Testamento e é distorcida para contradizer muitas e claras afirmações sobre a verdadeira origem do Sábado. O texto é encontrado em Deuteronômio 5:14, 15. “Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu DEUS, não farás nenhuma obra nele, nem tu, nem tue filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro que está dentro de tuas portas; para que o teu servo e a tua serva descansem como tu. Porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito, e que o Senhor teu DEUS te tirou dalí com mão forte e braço estendido; pelo que o Senhor teu DEUS te ordenou que guardassses o dia de sábado.”

Algumas pessoas tiram deste texto que DEUS deu o Sábado como memorial do Êxito do Egito. Mas a história de Gênesis sobre a criação do Sábado (Gênesis 2:1-3) e o que está escrito no 4th mandamento, que foi comandado pelo próprio DEUS (Êxodos 20:11) revelam o Sábado como memorial da criação.

A chave para entender estes dois versos basea-se na palavra “servos.” DEUS disse: “ Lembre-se de tu foste servo na terra do Egito.”  E na sentença anterior a esta Ele relembra eles “de que os seus servos como as suas servas devem descansar como eles também descansam.” Em outras palavras, a experiência que eles tiveram no Egito como servos, iria relembrá-los e fariam com que eles agissem justamente com os seus servos e servas por darem a eles o Sábado de descanso.

Em similar raciocínio DEUS comandou: “E quando o estrangeiro peregrinar contigo na vossa terra, não o oprimireis, Como um natural entre vós será o estrangeiro que peregrina convosco; amalo-ás como a ti mesmo, pois estrangeiros fostes na terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso DEUS.” Levíticos 19:33, 34. Isto não era incomum, DEUS trazer à memória deles, o tempo em que eles foram libertados do Egito, como forma de incentivo para ele obedecerem a outros mandamentos. Em Deuteronômio 24:17, 18, DEUS disse: “Não perverterás o o direito do estrangeiro e do òrfão; nem tomarás em penhor a roupa da viúva. Mas lembrar-te-ás de qe foste servo no Egito, e de que o Senhor te livrou dalí; pelo que te ordeno que faças isto.”

Nem o comando para ser justo, nem tampouco o comando para guardar o Sábado foi dado para memorializar o Êxoto, mas DEUS falou a eles da sua bondade em tirá-los fora da captividade constituia uma forte adicional razão para que eles lidassem com brandura com seus servos no Sábado e que tratassem com justiça os estrangeiros e as viúvas. Da mesma maneira, DEUS falou a eles em Levíticos 11:45: “Porque Eu sou o Senhor, que vos faço subir da terra do Egito, para que eu seja vosse DEUS, e para que sejais santos, porque eu sou santo.” Certamente ninguém insiste que esta santidade não existiu antes do Êxodos, ou que isto seria para sempre depois desta época limitada somente aos Judeus, para memorializar a sua libertação.

 

GUARDAR O DOMINGO EM MEMÓRIA
À RESSURREIÇÃO

Isto é verdade que Jesus ressuscitou no primeiro dia da semana, mas em lugar nenhum existe a menor possível intimação na Bíblia para qualquer pessoa guardar este dia como santo. As bases para a Guarda do Sábado é uma direta ordem escrita pela mão de DEUS.

Muitos maravilhosos eventos ocorreram em dias da semana, mas nós não temos nenhum comando para guardá-los santos. Jesús morreu pelos nossos pecados na Sexta-feira. Isto provavelmente é o mais significante evento de todos os registrados na história. Isto marca o momento em que minha sentença de morte foi comutada e minha salvação assegurada. Mas nenhum texto Bíblico fornece nenhuma indicação de que este dia deveria ser observado, muito embora ele tenha sido um dia de tão grande significância.

Isto foi um momento dramático, quando Jesús ressussitou da tumba naquela manhã de domingo, mas não existe nenhum ínfimo sinal gráfico sequer na Bíblia que mostre uma evidência de que nós deveríamos observar este dia em homenagem à Sua ressurreição. Nenhuma instância de observação do domingo tem sido encontrada nos registros das Escrituras.

Existe, é claro, um memorial da ressurreição comandado na Bíblia, mas is não é a guarda do domingo. Paulo escreveu: “De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na maorte; para que , como Cristo ressuscitou dos mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.” Romanos 6:4.

Batismo é o memorial da morte de Cristo, sepultamento e ressurreição. Aqueles que acreditam que a observação do domingo homenageia a sua ressurreição citam a reunião que ouve no andar de cima de uma casa em que os dicípulos se reuniram no mesmo dia da resssurreição. Para eles, esta reunião foi para celebrar a ressurreição. Mas quando nós lemos os registros Bíblicos do evento, descobrimos que as circunstâncias foram totalmente diferentes. Lucas fala-nos que, mesmo que os dicípulos tenham sido confrontados com o testemunho ao vivo de Maria Madalena, “eles não acreditaram.” E depois manifestou-se noutra forma a dois deles, que iam de caminho para o campo. E, indo estes, anunciaram-no aos outros, mas nem ainda estes creram. Finalmente apareceu aos onze, estando eles assentados juntamente, e lançou-lhes em rosto a sua incredulidade e dureza de coração, por não haverem crido nos que o tinham visto já resssuscitado.” Marcos16:12-14.

Óbviamente, nenhum daqueles dicípulos que estavam na sala acreditavam que Ele tinha ressuscitado, assim eles não puderam celebrar a ressurreição com gozo. João explica as suas razões para estarem juntos nessas palavras: “Chegada, pois a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesús, e pôs-se no meio, e disse-lhes:  Paz seja convosco.” João 20:19.

Assim, nós temos examinado os maiores argumentos usados contra a observância do Santo Sábado de DEUS. Nenhuma das objeções provê um traço de evidência de que DEUS alguma vez tenha trocado a sua mente sobre o Sábado. Quando Ele escreveu “Lembre-se” no 4th mandamento, isto era em referência ao mesmo sétimo dia que aparece em nosso calendário de parede. Nem o homem nem os demônios podem diminuir a validade desta eterna lei moral.

            Possa DEUS garantir a cada um de nós a coragem de honrar o mandamento do Sábado como um celestial e especial teste de nosso amor e lealdade. Como nós descobrimos, quando Jesús retornar, nós iremos guardar este mesmo Sábado com Ele, nas eras do porvir, para todo o sempre. Ora vem Senhor Jesús. Amém

 

09
May

Por Que o Antigo Concerto Falhou?

Copyright  1980 by
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved

Published under permission by:
COCONET-US, LLC (Educational Department)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9682

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

Porque O Antigo Concerto Falhou?

Algum tempo atrás, quando eu descia do púlpito, no fechamento de uma cruzada evangelista, e me dirigia à porta de saída para cumprimentar o público, de repente meu caminho foi bloqueado por três jovens, e um deles dirigiu-se a mim em um tom de voz que todos à volta podiam ouví-lo. Ele disse, “Irmão Joe, nós ficamos desapontados com a maneira que você nos colocou de volta ao Antigo Pacto, hoje à noite, em fazendo este sermão a respeito do Sábado do Sétimo-dia. Você não se dá conta que nós agora estamos vivendo sob um Novo Pacto e que deveríamos estar guardando o Domingo ao invés do Sábado?

Aquele jovem estava expressando a convicção de milhares de Cristãos que hoje, sinceramente acreditam que os 10 Mandamentos constituíam o Antigo Pacto o qual desapareceu no calvário, e portanto, não tem presente aplicação para os cristãos salvos pela graça. É isso uma verdadeira premissa?  Se é,  nós certamente precisamos claramente entender e apreender a doutrina, em ordem de evitar a armadilha do mortal legalismo. Mas por outro lado, se os 10 Mandamentos continuam em evidência, isto seria o mais trágico êrro, não levá-los em conta, até mesmo um destes grandes preceitos morais.

Niguém pode negar que no Antigo Testamento existe declarações as quais referem-se aos 10 Mandamentos como um pacto; no entanto, isso será nosso objetivo aqui, em mostrar que a lei dos 10 Mandamentos  não eram o Antigo Pacto, o qual foi abolido.

Mas antes que de nós nos aprofundarmos neste facinante assunto, precisamos definir o que pacto realmente é. Existe muitos tipos e formas, mas basicamente, um pacto é um acordo entre duas partes, baseado em uma(s) promessa(s) mútua(s). Através dos séculos DEUS tem feito acordos com Seu povo com base em pactos. Ele é um DEUS razoável, e nós convida: “Vinde então, e arguí-me…”.  Isa. 1:18.

Algumas vezes, DEUS estabeleceu pactos com indivíduos, como Moisés, Abraão, e Daví, e algumas vezes com a nação de Israel.  O mais importante pacto de todos, foi feito muito tempo atrás, antes deste mundo vir a existir. Foi um pacto feito entre O Pai e O Filho e tinha que ver com a eventualidade do pecado. Jesus ofereceu-se a si mesmo, lá na vastidão da eternidade passada, como “O Cordeiro sacrificado desde a fundação do mundo.” Apoc. 13:8. Ele concordou em se tornar

o sacrifício reconciliador para redimir o homem, no caso em que Adão e Eva escolhessem pecar.

Os termos deste eterno pacto nunca foram trocados or substituídos. Muito embora muitos outros pactos tenham sido estabelecidos através dos tempos, a simples provisão para salvação através da fé tem permanecido em efeito através de todas as épocas para toda a humanidade.

O pacto, o qual tem causado maior desintendimento, no entanto, é designado como “O Antigo Pacto”, pelo escritor do livro de Hebreus. Ele também descreve a instituição de um Novo Pacto, o qual tem algumas vantagens sobre o antigo, que são muito importantes. Aqui eis como ele descreve as duas: “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador dum melhor concerto, que está confirmado em melhores promessas. Porque, se aquele primeiro fora irepreensível, nunca ses teria buscado lugar para o segundo. Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei um novo concerto. Não segundo o concerto que fiz com seus pais no dia em que os tomeis pela mão, para os tirar da terra do Egito; como não permaneceram naquele meu concerto, eu para eles não atentei, diz o Senhor. Porque este é o concerto que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; e Eu lhes serei por DEUS, e eles me serão por povo;  E não ensinará cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irão, dizendo: Conhece o Senhor; porque  todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior. Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, e de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais. Dizendo Novo Concerto, envelheceu o primeiro. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar.” Heb. 8:6-13.

Esta descrição não deixa espaço para dúvida, concernente à sorte do Antigo Concerto. Ele foi colocado de lado, em favor de um novo, com melhores promessas. Naturalmente, nós estamos interessados em saber tudo sobre este novo concerto, o qual irá colocar A Lei de DEUS no coração e na mente. Mas nós também precisamos entender a natureza do concerto que desapareceu em favor deste novo. Millhões tem sido ensinados que aquele era a Lei dos 10 Mandamentos. Eles alardeiam que foram libertos da lei e do trabalho que o Antigo Concerto exigia, e que agora caminham caminham em uma  gloriosa liberdade.

Neste momento, vamos dar uma olhada em tres provas absolutas de que o pacto que desapareceu não eram os 10 Mandamentos. Depois nós iremos determinar em comparando escritura com escritura, o que o Antigo Concerto era.

Primeiro de tudo, nós notamos que o Antigo Concerto continha algumas pobres promessas. O Novo Concerto, nos é dito, “foi estabelecido sobre melhores promessas.” Verso 6. Diga-me, alguma vez  foi alguém capaz de encontrar alguma “pobre promessa”, contida nos 10 Mandamentos?  Nunca. Pelo contrário, Paulo declara que elas eram muito boas. “VÓS, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muiuto tempo sobre a terra.” Efé. 6:1-3.
Esta declaração sózinha, é suficiente para mostrar que o escritor de Hebreus não estava acusando a Lei moral com qualquer pobre promessa.  O Antigo Concerto, sendo qualquer uma outra coisa que isso possa ser, nunca poderia ser os 10 Mandamentos.

A segunda coisa errada com o Antigo Concerto era que isso estava em falta. A Bíblia diz: “Porque, se aquele primeiro fora irreprensível, nunca se teria buscado lugar para o segundo.” Heb. 8:7. Deixe-me te fazer uma pergunta: Alguma vez algum homem foi capaz de encontrar alguma falha ou falta no que DEUS escreveu com sua própria mão?  O salmista declarou: “A lei doSenhor é perfeita, e refrigera a alma…” Sal. 19:7. Paulo escreveu: “E assim, a lei é santa, e mandamento santo, justo e bom.” Rom. 7:12

Por acaso isso soa como alguma coisa fraca ou imperfeita?  Nenhuma lei poderia ser perfeita e em falta ao mesmo tempo. Isso está ficando cada vez mais tranparente que o Antigo Concerto não poderia ter sido os 10 Mandamentos.

Finalmente, então, nós lemos a coisa mais dramática sobre o Antigo Concerto – isto era para ser abolido! “Dizendo Novo Concerto, envelheceu o primeiro. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto esta de acabar.” Heb. 8:13. Agora nós podemos fazer uma séria pergunta a respeito desta matéria, que ao mesmo tempo deverá retirar todas as dúvidas sobre o assunto: Por algum acaso, a grande lei moral dos 10 Mandamentos, colocadas de lado, fora de existência?  Qualquer um que tenha lido o Novo Testamento terá que responder,… Absolutamente não! Paulo afirma exatamente o contrário sobre a lei. Ele perguntou: “Anulamos a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei.” Rom. 3:31.

Será que a Bíblia se contradiz? Pode alguma coisa ser posta de lado e ser estabelecida ao mesmo tempo?  Será que o mesmo escritor disse duas coisas opostas sobre a mesma lei? Somente para estarmos certos que Paulo não estava dizendo que o Antigo Concerto era a lei, vamos inserir as palavras “Antigo Concerto” ao invés da palavra “lei”, em Romanos 3: 31. “Anulamos, pois  Antigo Concerto pela fé? De maneira nenhuma, antes estebelemos o Antigo Concerto.”

Isto não soa direito, soa?  Nós sabemos que o Antigo Concerto foi posto de lado e que nunca poderia ser falado desta maneira. Claro, muito claro então, nós podemos ver que o concerto o qual desapareceu não pode ter sido os 10 Mandamentos.

 

O que era o Antigo Concerto?

Tendo encontrado o que o Antigo Concerto não era, nós agora estamos pronto para identificá-lo, especificamente tirado da Palavra de DEUS. Para assim fazermos nós teremos que voltar à Bíblia, no livro de Êxodos. Muitas pessoas tem falhado em ver que havia mais do que um concerto envolvido no Monte Sinai. DEUS chamou Moisés à montanha antes de ter dado a lei e proposto o concerto entre Ele e Seu povo. “E subiu Moisés a DEUS, e o Senhor o chamou do monte, dizendo: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás os filhos de Israel: Vós tendes visto o que fiz aos egípicios, como vos levei sobre asas de águia, e vos trouxe a mim; Agora pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes o meu concerto, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha; E vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel”.  Êxo. 19:3-6. Note como DEUS pediu a Moisés para apresentar sua oferta para o povo.  Aqui estão todos os elementos de um verdadeiro concerto. Condições e promessas são exigidas e aceitas por ambos os lados.

Se os filhos de Israel aceitam a proposta de DEUS, o concerto será estabelecido. Como eles responderam à oferta divina? “E veio Moisés, e chamou os ançiãos do povo, e expôs diante deles todas estas palavras, que o Snhor lhe tinha ordernado. Então todo o povo respondeu a uma voz, e disseram: Tudo o que o Senhor tem falado, faremos. E relatou Moisés ao Senhor as palavras do povo”. Êxo. 19:7,8. Assim que a resposta voltou à DEUS, as bases para o concerto foi estabelecida. Mas antes que isso entrasse em formal operação, deveria existir uma norma para selar e ratificar o pacto. Este ritualístico serviço involvia o espargir de sangue de um novilho, como está descrito no livro de Êxo. 24:4-8: “E Moisés escreveu todas as palavras do Senhor, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel; E enviou certos mancebos dos filhos de Israel, os quais ofereceram holocaustos, e sacrificaram ao Senhor sacríficios pacíficos de bezerros. E Moisés tomou a metade do sangue, e a pôs em bacias; e a outra metade do sangue espargiu sobre o altar. E tomou o livro do cencerto, e o leu ao ouvidos do povo, e eles disseram: Tudo o que o Senhor tem falado faremos, e obedeceremos”.

Novamente nós somos lembrados que este concerto não era a própria lei, mas foi feito concernente a todas aquelas palavras. Os Dez Mandamentos serviam de base para este acordo. O povo prometeu em cumprir a lei, e DEUS prometeu abençoá-los, em retorno. A cruscial fraqueza, no todo deste arranjamento revolveu em torno da maneira que Israel prometeu. Lá não tinha sujestão nenhuma de que eles não poderiam cumprir na sua totalidade, dos requerimentos de DEUS. Nem tampouco existiu alguma aplicação para a assistência divina. “Nós faremos isto”, insistiam eles. Aqui está um perfeito exemplo em confira na carne, e acreditar na própria força humana. As palavras foram enchidas com total confidência. “Tudo o que O Senhor tem falado, nós faremos, e seremos obedientes”. Foram eles aptos a cumprir a promessa? Ainda que repetidas vezes eles haviam assegurado em cumprir, miseravelmente eles quebraram sua palavra, até mesmo, antes que Moisés pudesse ter descido da montanha com as tábuas de pedra. Será que da para nós notarmos aonde está o lado fraco da promessa, que foi prometida no Antigo Concerto?

O livro de Hebreus começa a revelar gradativamente. Lá DEUS é reportado como “achando falta neles” Heb. 8:8. Ele disse: “Porque eles não permaneceram em meu concerto, Eu para eles não atentei… Verso 9.  A culpa é colocada inteiramente do lado humano no pacto mutual.

Agora nós podemos perfeitamente intender porque paulo escreveu daquela maneira, referindo-se ao Antigo Concerto, em Hebreus 8.  Isso se confundiu com escravidão, foi provado estar em falta, tinha pobres promessas, e finalmente desapareceu – tudo por causa que o povo de Israel falhou em cumprir com a sua parte do pacto. Colocando todas estas coisas juntas, nos podemos ver o porquê que um Novo Concerto era só desesperadamente necessário, o qual teria melhores promessas.

Como eram as promessas do Novo Concerto melhores?  Porque DEUS as fez, e elas garantem o sucesso da obediência através de Sua força somente. “Porque, este é o conceerto que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor: porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; e Eu lhes serei por DEUS e eles me serão por povo; E não ensinará cada aum ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior. Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, e de seus peccados e de suas prevaricações não me lembrarei mais”. Heb. 8:1-12.

Como foi o Novo Concerto ratificado?  Da mesma maneira que o Antigo Concerto havia sido confirmado – pelo derramamento de sangue. Mas ao invés de o sangue de um novilho, ter que ser derramado, agora o sangue daquele que não conheceu o pecado, o Filho de DEUS, é que seria oferecido para ser espargido: “Ora o DEUS de paz, que pelo sangue do concerto eterno tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesús Cristo, grande pastor das ovelhas, Vos aperfeiçoe em toda a boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em vós o que perante ele é agradavel por Cristo Jesús, ao qual seja gloria para todo o sempre, Amém”. Heb. 13:20-21.

Que contraste, comparado com a fraca promessa carnal feita pelo povo de Israel, no monte Sinai. Ao invés do “Nós faremos” do povo, a promessa do Novo Concerto de DEUS é: “fazer voce perfeito em todo o bom serviço… trabalhando em voce”. Isto é, não é mais o esforço humano, isto não é mais voce trabalhando…. mas é ELE trabalhando em voce. E como esta força é feita disponível?  “Através do sangue do “Concerto Eterno”. Pelo que Jesus fez na cruz.

 

O Novo Concerto  Baseado Na Conversão

Isto nos trás ao coração da operação do Novo Concerto. A Obediência é feita possível quando a lei é escrita em nossos corações. Através de uma regeneração espirítual, a mente e o coração são transformados. Cristo, atualmente, entra na prórpria vida do crente e divide Sua própria força pela obediência. Em participar da divina natureza, o mais fraco ser humano começa a viver a mesma vida de Jesus Cristo, manifestando Sua  vitória, crucificando a carne.

Paulo descreve esta transação dessa maneira: “Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, DEUS, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne; Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que  não andamos segundo a carne, mas segundo o espírito”.  Rom. 8:3,4.

A palavra ‘justiça’ é “dikaima,” em Grego,  significando “requerimento justo” da lei. Em outras palavras, por causa da vida sem pecado na carne, de Jesus, o requerimento da lei pode ser cumprido. Ele sobrepujou o pecado em um mesmo tipo de corpo que nós temos, para que desta maneira, Pudesse  repartir esta vitória conosco. Atualmente, Ele viverá sua própria vida sem pecado e santa, separada do pecado, em nossos corpos, se nós assim O permitir. Esta é a promessa do Novo Concerto para todo o filho de DEUS que acredita. E esta é absolutamente a única maneira que alguém pode cumprir com os requerimentos que a lei exige. “Cristo em vós, a esperança da gloria”. Col. 1:27. “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim, e avida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho  de DEUS, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Gal. 2:20.

É mais importante para nós, entender que a lei do Novo Concerto, escrita em nossos corações é a mesma que foi lavrada nas tábuas da lei. Aqueles grandes pricipios espirituais refletem o próprio carácter de DEUS, e formam a base de Seu governo. A diferença não está na lei e sim em como a lei é administrada. Somente escritas nas tábuas de pedra, elas podem somente condenar e ministrar a morte, “porque a mente carnal não se sujeita à lei de DEUS.” Rom. 8:7 Recebida no coração, o qual se tornou espiritualizado pela graça conversora de Cristo, a mesma lei se torna um deleite. O dicípulo ‘amado’, João declara: “Porque esta é a caridade de DEUS: que guardemos os Seus mandamentos, e seus mandamentos não são pesados”. 1 João 5:3.   A lei não somente não é pesada para os filhos de DEUS cheios de Seu espírito, mas a abediência começa a ser uma enexplicável sensação de bem estar e possibilidade. O Salmista escreveu: “Deleito-me em fazer a tua vontade, ó DEUS meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração.

 

O Novo Concerto Não Foi Trocado Depois do Calvário

Desde que o Novo Concerto foi ratificado pelo sangue de Cristo, isto é óbvio que ele não poderia entrar em efeito antes que acontecesse a Sua morte na cruz. Este fato cruscial não pode deixar de ser notado e entendido. Vida ou morte eterna pode estar dependurada no total entendimento deste ponto-chave.  Paulo escreveu:

“Porque onde há testamento, necessário é que intervenha a morte do testador. Porque um testamento tem força onde houve morte; ou terá ele algum valor enquanto o testador vive? Heb. 9:16,17. A palavra “testamento” é igual a palavra  “concerto”. Quanto alguém morre, somente após a última vontade e testamento ter sido ratificada pela sua morte pode a provisão ser executada. Da mesma maneira, o concerto ou testamento de Cristo, seria levado a efeito após ele ter confirmado o testamento pela Sua morte no Calvário.

Um outro texto, não nos deixa qualquer dúvidas sobre este assunto: “Irmão, como homem falo; se o testamteno de um homem for confirmado, ninguém o anula nem o acrescenta”. Gal. 3:15. Paulo está dizendo aqui, que após a morte, o testamento não pode ser mudado. E que nada pode ser adicionado ao testamento, após a morte do testador. O testamento permanece para sempre, exatamente como isso era quando o testador morreu. Após a morte de Cristo, nenhum tipo de mudança poderia ser feito para provisão para salvar a espécie humana, nenhuma de espécie nenhuma… As condições foram todas seladas e ratificadas pelo derramamento de sangue. Todos os requerimentos haviam sidos satisfeitos claramente,  pelo perfeito sacrifício de Sua vida sem pecados, e provisão foi feita para  escrita de sua magnificada lei, pelo Santo Espírito, na mente de cada crente. Sob os termos deste Novo Concerto, nenhuma alma seria deixada a se debater sem esperança contra as forças destruidoras de uma natureza caída. “Onde o pecado abundou, superabundou a graça.” Rom. 5:20. Promessas eternas, enraizadas na imutável natureza de DEUS, iriam prover força para superarmos toda fraqueza herdada e cultivada da natureza humana. Não é de se admirar que a Bíblia da ênfases à “melhores promessas” deste glorioso novo pacto!

Agora é fácil para entendermos alguma das coisas que Jesus fez, justamente antes de Sua morte. Por exemplo: porque Ele instituiu a Santa-Ceia, antes de seu corpo ter sido dilacerado? Naquela noite de Quinta-Feira, antes de Sua agonizante morte de Sexta-Feira, Jesus reuniu-se com Seus dicípulos naquela sala, e segurando o cálice em Suas mãos, Ele disse:  Este é o meu sangue do novo testamento, o qual é derramado por muitos, para remissão dos pecados.”Mat 26:28.  Não é isto curioso, que Jesus disse isso antes de Seu sangue ter sido derramado? Ele estava comandando um memorial para um evento que não tinha acontecido ainda. Porque?  Porque isso deveria ser introduzido antes da Sua morte, em ordem que isso pudesse estar contido sob o Novo Concerto. Nada poderia ser adicionado após a Sua morte.

Agora, deixe-me voltar à história que eu havia começado a contar no início deste livro.  Eu havia justamente  feito o sermão que falava no subjecto do Sábado em um de meus sermões evangelistas. Tão logo eu desci da plataforma para cumprimentar o povo, à medida que eles saíam, tres jovens bloquearam meu caminho no corredor. Um dos três dirigiu-me uma pergunta em alto e bom tom – alto o suficiente para fazer com que 50 pessoas que estavam perto do auditório parassem para escutar. “Irmão Joe,” ele disse: nós fomos desapontados esta noite, com o que o senhor nos colocou de volta sob o Antigo Concerto. Você não se dá conta que nós estamos vivendo agora sob o Novo Concerto, e que devemos guardar o Domingo, ao invés do Sábado?”

Embora a maioria da congregação estivessem deixando o prédio, o grupo de pessoas que estavam mais perto, começaram a chegar se mais, para ouvir o que os tres jovens estavam dizendo. Era óbvio que ia ter que encontrar um tempo para responder a esta desafiante pergunta destes tres jovens. Como eu suspeitava, acabou que eles eram tres jovens seminaristas que estavam em treino na Faculdade local de Estudos da Bíblia. Anciosamente eles seguravam suas Bíblias em suas mãos e esperavam triunfante pela minha resposta.

Usualmente, eu não gosto de debater matérias controversiais, em público, por temer que se espalhe uma discussão generalizada, mas aqui, parecia que eu não encontraría um jeito de evitar ester tres miniteriais estudantes, e escapar ao debate. De qualquer maneira, eles haviam bloqueado o meu caminho completamente, e o círculo em volta de mim começava a aumentar, expectante de uma resposta de minha parte.

Bem… parece que voces tem estudado o subjecto “concerto” profundamente, eu sugerí.

Oh, sim, eles afirmaram, “nós sabemos tudo sobre concerto”.

“Muito bem”, respondí eu, “Voces indubitavelmente sabem quando Antigo Concerto foi instituído.” Um deles respondeu rapidamente, “Isto foi no monte Sinai.”

“E como foi isto rafificado”? Perguntei eu.  Sem um momento de hesitação um deles respondeu:  “Pela aspersão do sangue de um novilho”.

“Muito bem,” eu comentei, “e como foi Novo Concerto ratificado?” Todos os tres responderam em coro: “Pelo sangue de Jesus, na cruz.”

Eu Parabenizei os tres jovens, pelo seu conhecimento das Escrituras e pedi que eles lessem para mim dois versos de suas próprias Bíblias. – Hebreus 9:16, 17 e Gálatas 3:15.  Eles responderam com ansiedade ao convite, e leram os versos, comentando em cada verso, após a leitura. “Nós concordamos que o Novo Concerto não entrou em efeito até a morte de Jesus Cristo, e que nada poderia ser adicionado ou tirado, após ele ter ratificado isto na cruz,” o porta-voz grupo afirmou. Todos os tres, de cabeças juntas, enfaticamente, faziam acertiva sobre este ponto.

Eu disse: “Agora eu gostaria que voces me respondessem mais duas questões: Aqui está a primeira, e voces tem que pensar cuidadosamente, para darem-me a correta resposta: Quando começou a Guarda do Domingo?” Houve um minuto de choque e silêncio, e outro, e depois outro. Eles se olharam entre eles, e depois, de volta a seus pes, e depois de volta para mim. Eu gentilmente indaguei deles a resposta, “Certamente voces tem a resposta para esta pergunta, voces sabiam todas as outras, e as responderam corretamente. Quando e porque voces pensam que as pessoas começaram a guardar o Domingo?

Finalmente um deles disse: “Nós guardamos o Domingo em honra à ressurreição de Jesus.” Eu disse, “Então eu tenho que lhes fazer a última pergunta. Como poderia a guarda do Domingo ser parte do Novo Concerto? Voces acabaram de afirmar que nada poderia ser adicionado ou tirado depois da morte de Cristo. Ele morreu na Sexta-Feira, e ressuscitou no Domingo. Se Domingo foi adicionado depois da morte de Jesus, isto nunca poderia ser parte do Novo Concerto, poderia?

Os tres jovens moveram-se de um lado para outro, olharam em volta sem esperança, e deles disse: “Nós iremos estudar este assunto um pouco mais e falaremos com voce mais tarde.” Depois eles desapareceram do autitório tão rápido com quando eles apareceram à minha frente. E eu posso assegurar a voces que até o dia de hoje, eles nunca mais me procuraram para falar a respeito de “concertos”.

O fato é que a ‘a guarda do Domingo’, mesmo que isso tenha começado no dia da ressurreição, começou com tres dias de atrazo para fazer parte do Novo Concerto. A Bíblia e história, ambas nos provam que que o Domingo nunca foi observado pela igreja apostólica. Isto foi adicionado muito tempo depois como resultado de uma gradual apostasia a qual teve inicio nos séculos iniciais da igreja e o qual culminou com a pagã acomodação de Constantino em 330 A.D.

Milhões de membros da igreja moderna guardam o Domingo como o sagrado dia que comemora a ressurreição de Cristo. Certamente isto é verdade que Cristo ressussitou no primeiro dia da semana, mas em lugar nenhum da Bíblia nós somos comandados a guardar este dia como santo.

Eventos como a crucificação e ressurreição devem significar muito na vida de todo o cristão, mas não existe nenhuma intimação, em toda a Bíblia, para guardar Sexta-Feira, ou Domingo. O único dia comandado a ser guardado, semanalmente ser reverenciado, é o sétimo-dia da semana, o Sábado. O mesmo que Jesus guardou durante a semana da criação, e que irá guardar por toda a eternidade. (Gen. 2:1-3; Isaías 66:22,23.

Uma forte razão para rejeitar a guarda do Domingo é que este dia não foi incluído nos requerimentos do ‘Novo Concerto’, os quais foram ratificados pela morte de Jesus. Se Cristo tivesse o desejo de Sua ressurreição ser comemorada pela guarda do Domingo, Ele haveria instituído isto naquela mesma Quinta-feira, por ocasião da Santa-Ceia. Então isto faria parte do do Novo Concerto, bem como a cerimônia da Comunhão e do lava-pés. Jesus não hesitou em comandar que se observasse estes serviços em memoria de sua morte, até mesmo antes que isso acontecesse. Dessa mesma maneira ele poderia também ter comandado a observância de sua ressurreição, que também estava no futuro, em ordem que isto podesse fazer parte no requerimento do Novo Concerto. Mas Ele não fez! E nem um outro fez também, até que a profecia de Paulo comecasse a ser cumprida, sobre a apostasia que se seguiria após a partida de Jesus. Atos 20:29,30. Ele falou também do deslizes que a igreja teria, o qual possibilitaria o entronamento do Anticristo. II Tes.  2:3,4. Mas verdade isto é, que a Bíblia não nos dá nehuma dica de mudança na lei, tanto no Antigo como no Novo Concerto. A imutabil lei moral de Deus foi preservada em ambos concertos, como uma perfeita revelação do carácter e vontade de DEUS.

 

Ismael e Isaac Representam Dois Concertos

Com esta retrospectiva, nós agora estamos prontos para examinar Gálatas 4.  Muitos tem sido confundidos sobre a alegoria que Paulo usou para ilustrar o Antigo e o Novo Concerto. Aqui está uma das maneiras que ele escreveu sobre isso: “Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre. Todavia o que era da escrava nasceu segundo à carne, mas, o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria; porque estes sãos os dois concertos: um, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar. Ora esta Agar é Sinai, um monte da Arabia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.” Gal. 4:22-25.

Paulo retrata Isaac e Ismael, os dois filhos de Abraão, como representando o Antigo e o Novo Concerto. De uma maneira muito clara ele nos mostra que o filho de Agar, Ismael, simboliza o Antigo Concerto, e o filho de Sara, Isaac, representa o Novo Concerto. Agora irmãos, nós, como Isaac foi, somos filhos da promessa… Então nós não somos filhos da escrava, mas da livre.” Versos 28-31. Isto é bem interessante. Como aqueles dois filhos daquelas duas mulheres representam os dois concertos? Atualmente, eles são uma ilustração perfeita, de acordo com tudo o que nós apreendemos até agora. DEUS havía prometido um filho a Abraão pela sua mulher, Sara, mas porque ela já era de quase noventa anos de idade, nenhum deles acreditou que tal coisa poderia acontecer. Sara sabia que sua madre ja estava morta e que ela já a muito tempo havia passado da idade de procriar uma criança. Dessa maneira, ela sugeriu que seu marido entrasse à sua escrava, Hagar e tivesse um filho por ela. Esta parecia a única maneira de socorrer DEUS de sua promessa impossível. Em tempo, Abraão aceitou a oferta de sua esposa e teve um filho por Hagar.

Aqui está uma exata ilustração do princípio do Antigo Concerto, “Nós faremos.” Abraão tentou encontrar a solução através da carne, de acordo com esforço e planificação humana. Eventualmente este antigo arranjamento falhou, bem como o arranjamento do Antigo Concerto, porque lá não existia dependência na força divina. DEUS nunca reconheceu a Ismael como o filho da prometida semente.

Quando Isaac nasceu, isto foi um milagre. DEUS criou uma nova vida de um ventre que biologicamente estava infértil. A impossibilidade física rendeu-se à supernatural força criativa de DEUS. Isaac perfeitamente representa o princípio do Novo Concerto, uma relação baseada na regeneração e na experiência do novo nascimento, o qual obtém a vida do filho de DEUS, para todos aqueles que creem. A natural e física barriga de Sara estava incapaz de produzir qualquer fruto. Da mesma forma o natural e carnal corpo e mente do pecador não pode trazer o fruto da obediência. Quando DEUS usou Sua força para criar uma nova vida de Sara, o impossível aconteceu, e ela deu à luz a um filho. Quando DEUS usou Sua força para criar uma nova vida no espírito, o impossível acontece de novo – O ser humano passa a ser espiritual e obediênte.

Isaac não “nasceu após à carne”, mas ‘após o espírito’. Gal. 4:29. Porque o homem é carnal e  “a carne é fraca”, não tem força para se manter à justiça da lei. Ele também tem que nascer segundo o Espírito. Qualquer tentativa em obedecer as bases do Antigo Concerto baseado no esforço humano, irá criar sempre, filhos da escravidão. A lei tem que estar escrita no coração, pelo Espírito Santo, e completar-se com Cristo habitanto em voce.

Esta alegoria de Hagar e Sara, clareia-nos um outro ponto muito importante. Aqueles que estão sob o Antigo Concerto, são os que quebram os mandamentos. E aqueles que estão sob o Novo Concerto, são os que guardam os Mandamentos. Isto foi somente quando Abraão desobedeceu DEUS e tomou a Hagar, que ele preencheu as condições do Antigo Concerto. Quando ele confiou em DEUS, que ele teria um filho através de Sara, ele estava sendo obediênte à vontade divina, e propriamente representou os Cristãos do Novo Concerto. No entanto, quão frequente modernos interpretes fazem confusão com estes fatos! Igual aos tres jovens da história, eles acusam os guardadores da lei, de estarem vivendo sob o Antigo Concerto. Quando a verdade é exatamente o oposto. A lei não é realmente guardada, até que ela seja escrita no coraçao do transformado Cristão. Depois então comessa o trabalho de identificação – O símbolo do amor – para aqueles que são nascidos do Espírito. Jesus disse: “Se voce me ama, guarde os meus mandamentos.” João 14:15. João escreveu:  “Porque esta é a caridade de DEUS, que guardamos os seus mandamentos”. I João 5:3.

 

A Verdadeira Circuncisão Não É Física.

Por acaso voce já se perguntou alguma vez, porque DEUS deu a Abraão a circuncisão como sinal do Antigo Concerto? Não te parece este ser um sinal um tanto bruto para representar um tão importante acordo? Pense sobre isso por um momento e isto poderá fazer muito senso. DEUS deu a Abraão o sinal da circuncisão para relembrá-lo como ele havia falhado em confiar na carne. Através de toda as Escrituras, a circuncisão física é relatada como dependência da carne. Paulo escreveu: “Porque a circuncisão somos nós, que servimos a DEUS em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne”. Fil. 3:3.

Paulo estava comparando a verdadeira circuncisão com aquela “qual é chamada circuncisão.” O cortar o prepúscio não era a verdadeira circuncisão. “Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. Mas é judeu o que o é no inteior e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra: cujo louvor não provem dos homens, mas de DEUS”. Rom. 2:28,29. Note como Paulo muda da carne para o Espírito. Ele diz que a real circuncisão acontece no coração, e isto exalta o que DEUS faz, e não o homem. Isto é o cortar da natureza carnal carnal através da conversão. O novo nascimento é a verdadeira experiência da verdadeira circuncisão. A mais clara explanação para este fato, encontramos na Epístola de Paulo aos Colossensses. “No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo da carne: a circuncisão de Cristo”. Col. 2:11.

Aqui o trabalho espiritual de Cristo, no coração, é chamado circuncisão. Isto é feito sem mão humana, indicando que nenhum esforço humano pode executar este ato. Isto não é o corte da carne física. Mas o corte da natureza carnal do pecado através da presença de Cristo. Isto é disponível a todos, nas mesmas bases: “E se sois de Cristo, então sois descedência de Abraão., e herdeiuros conforme a promessa.” Gal. 3:29. Todos que recebem a Cristo, se tornam herdeiros da promessa feita a Abraão. Aqueles que tem a experiência da verdadeira circuncisão do coração, constitue os verdadeiros judeus.

Ninguém mais pode se vangloriar de pertencer á verdadeira física familia. Não existe mais judeus e gentís, macho ou fêmea. A aceitação é baseada na aceitação e fé pessoal de cada um em Jesus Cristo como seu Salvador. Nem tampouco pode o homem reclamar especial favor por cortar fisicamente o prepucio de sua carne. Estas coisas foram feitas por um povo o qual baseou tudo no “nós faremos”. Eles buscavam a justificação e a salvação através dos trabalhos da carne. O Novo Plano de DEUS através de Cristo não é de trabalho mas da graça atraves da fé.

Isso quer dizer que trabalho já não é mais importante?  Desde que a lei não pode justificar, ela deveria ser abolida pelo crente? A doutrina destes Concertos, estabelece, acima de qualquer dúvida que a lei é tão importante tanto sob o Antigo Concerto, como no Novo Concerto. Só que ao invés de ser gravada em uma pedra como foi no Antigo, agora ela é gravada no coração do crente. Ao invés de suas condições serem satisfeitas por nós, elas são satisfeitas por Jesus, em nós. Ao invés de guardarmos a lei para sermos salvos, nós guardamos isto por que estamos salvos. O mesmo trabalho da obediência encontramos aqui, mas agora por uma razão diferente e um motivo diferente. Algumas vezes, sem nos darmos conta, começamos a acreditar em uma série de exercícios religiosos, muito mais do que pensávamos. Nenhum sistema de méritos deve fechar ou interromper o fluxo livre da fé, do amor e da graça. Obediência, na sua própria posição, é importante e necessária, mas isto tem que (sempre) estar nesta posição – Seguida da graça e acompanhada pelo amor.

De fato, isto ainda é possível para nós colocar-nos sob o Antigo Concerto se começarmos a acreditar que nosso trabalho nos salvará. Exatamente como os santos da antiguidade poderiam ter recebido a verdadeira circuncisão em aceitando a espiritual regeneração, nós poderemos voltar pra trás sob o Antigo Concerto em acreditar que os trabalhos da carne podem nos salvar.

09
May

Pode o Homem Salvo Escolher se Perder?

PODE O HOMEM SALVO ESCOLHER SE PERDER?

 

Copyright  1980 by
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved

Published under permission by:
CPS – Computers, Peripherals & Software, Inc. (Educational Department)
72 Deerfield Drive
Franklin, NJ 07416-9712

Cover illustration by Ademir P. Soares
Cover Design by Ademir P. Soares

 

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

 PODE O HOMEM SALVO
ESCOLHER SE PERDER?

 

O poder de escolha é um dom maravilhoso dado por DEUS. No entanto existe uma escolha a qual DEUS jamais permitiu que o homem exercitasse. Ninguém pode escolher o nascer com ou sem a natureza pecaminosa. A decisão, a qual mais afeta a nossa vida, foi feita a muito, mas a muito tempo atrás pelos nossos pais ancestrais. Nós não temos absolutamente nenhuma escolha sobre o tipo de natureza que podemos ter por ocasião do nascimento. Isto é uma natureza pecaminosa. Ponto final! Se não  for mudada isto nos levará à morte eterna.

Mas mesmo que nós somos nascidos com uma natureza decaída, DEUS nos dá a escolha de trocarmos esta natureza. Isto é uma pessoal e soberana escolha que ninguém pode tirar de nós. Sem dúvida nenhuma esta é a mais importante decisão que uma pessoa pode tomar no decorrer de toda a sua vida. A escolha é se reteremos esta natureza pecaminosa e morremos eternamente, ou recebemos uma nova natureza através da fé em Cristo e vivemos eternamente.

Muitos disacordom sobre este tipo de escolha oferecida a cada um de nós. Milhões acreditam que DEUS somente uma vez na vida toda e depois fecha esta porta para sempre. Isto é como se DEUS dissesse: “Eu vou te dar somente uma chance sobre esta tua pobre condição. Uma vez você decide ser salvo você jamais poderá escolher estar perdido novamente. Quando voce aceita a JesúsCristo como o seu Salvador, esta será a tua escolha final que você para sempre fará  sobre o teu eterno destino. Se você mudar de idéia mais tarde e repudiar a decisão que você tomou, azar é o seu – é muito tarde. Não interessa  o quão profunda e sinceramente você deseja não ser salvo e arrepender-se de seu arrependimento, você não pode escapar de sua vida eterna. Não tem quantidade de amarga rebelião, blasfêmia deliberada, ou quantidade incontável de iniquidades; nada poderá  trocar sua anterior decisão  de ser salvo uma vez e para sempre. Eu não vou permitir a você qualquer futura escolha, depois de você ter aceitado a Jesús Cristo como seu Salvador.”

Basicamente, esta é a crença de um largo segmento dos cristãos, que advogam a doutrina da segurança eterna. Outro igualmente sincero grupo de cristãos acreditam que DEUS deixou a porta aberta para nós trocar a nossa idéia a qualquer momento. Eles acreditam que a salvação não é predicada somente mediante um ato ou uma escolha irrevogável do passado, mas mediante uma contínua e personal relação entre o crente e Cristo. Quando a decisão  de quebrar esta relação de amor é feita pela livre e espontânea vontade de desobedecer, o crente cessa de ser um verdadeiro cristão e rejeita qualquer segurança de salvação.

 

MILHÕES DE  ALMAS EM JOGO

A fantástica implicação deste assunto é inquietante. Se realmente existe uma incondicional seguridade futura para o crente, esta é a  mais maravilhosa doutrina em existência: mas se isso não é verdade, certamente que é uma das maiores heresias do mundo. Milhões podem ser salvos ou perdidos para sempre,  mediante a decisão que eles venham fazer neste particular ponto.

Deixe-me dar-lhes um exemplo de como isso influencia o destino das pessoas no dia-a-dia. Em uma de minhas cruzadas evangelistas tinha mais de cem pessoas, as quais acreditavam nesta doutrina da seguridade eterna. Eles estavam fascinados pela revelação da verdade Bíblica, na medida em que eles escutavam.

O Sétimo-dia  –  Sábado –  particularmente excitava-lhes, porque eles nunca haviam entendido isto direito antes. Todos estavam completamente convencidos de que Sábado realmente é o sétimo-dia, o verdadeiro Sábado das Escrituras, e eles ansiosamente aceitaram a grande profética doutrina também. Mas desta centena de pessoas, um número muito pequeno tomou a decisão em obedecer e perseguir a verdade. Praticamente todos eles tinham algum tipo de problema relacionado com o Sábado, conectado com seus serviços. Isto significaria um certo tipo de inconviniência, econômica e financeira, bem como situações difícieis de resolver e fatalmente acarretaria na perda de seus trabalhos, se eles se decidissem seguir a verdade até o fim. Todos eles, (os que rejeitaram a verdade) deram-me o mesmo tipo de explanação: – “Nós já estamos salvos,” eles disseram,  “porque correríamos o risco de perdermos o nosso emprego para guardar o Sábado?” Não iremos ficar nem mais um pouco salvos, por guardar o Sábado, do que  estamos agora, e nós certamente não estaremos perdidos por quebrar o Sábado.”

Você percebe como o argumento deles é consistente com a sua doutrina?  Para eles salvação não está conectada com obediência, ou avanço em espiritual crescimento. Tudo isto está focalizado num momento passado, quando eles fizeram uma decisão por Cristo. Com relação a se eles obedeceram ou desobedeceram qualquer subsequente revelação da verdade, não influenciaria em nada no seu destino final. Eles poderiam quebrar o 4th mandamento, o 5th mandamento, o 7th mandamento, ou todos eles, que assim mesmo eles se sentiam eternalmente seguros na promessa que eles uma vez fizeram:  “quando eles foram salvos”. Para ser exato, estas pessoas acreditavam que  sua desobediência poderia afetar o gozo e a paz de seu relacionamento, mas nunca a certeza de uma salvação eterna.

Óbviamente esta doutrina precisa ser profundamente examinada. Muitas e eternas consequências estão dependuradas mediante a aceitação ou rejeição de tal doutrina. Nós precisamos responder questões como esta: Podemos nós trocar de idéia com relação à nossa salvação? Entregamos nós totalmente o nosso poder de escolha na ocasião em que somos convertidos? Consiste a salvação por um acaso, de um grande, e santo momento de decisão, ou devemos nós continuar na graça salvadora de Cristo, depois dessa decisão? Pode DEUS aceitar o destruidor pecado em  seu santo reino? Afortunadamente, a Bíblia tem centenas de explícitos e maravilhosos textos para responder estas questões. Nós iremos olhá-los juntos, e também examiná-los (alguns deles), os quais têm sidos interpretados de uma certa maneira para  poder  suportar a doutrina de “uma vez salvo, salvo p’ra sempre”.

 

NÃO HAVERÁ PECADO NO CÉU

Falando da Nova Jerusalém, João disse: “E não entrará  nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.” Apocalipse 21:27. Jesús disse: “Bem-aventurados os puros de coração; pois eles verão a DEUS.” Mateus 5:8. Paulo repetidamente escreveu sobre a exclusão dos pecadores no céu. Pecado é a única coisa que contamina, aos  olhos de DEUS, e ninguém, que voluntariamente comete pecados jamais herdará ou entrará em SEU reino. Paulo escreveu:  “Não sabeis que os injusto não hão de herdar o reino de DEUS? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de DEUS.” I Corintos 6:9,10.

Não existe em lugar nenhum na Bíblia, qualquer tipo de verso que coloque a nossa entrada no reino de DEUS condicionada a uma momentária – ou até mesmo temporária – experiência de fé,  no passado. Salvação é um crescimento dinâmico de nossa relação com  aquele Ser Único, o Único que tem em si a vida eterna e pode concedê-la a nós.  Isto requer um contínuo contato para que possamos recebê-la. A própria vida de DEUS é repartida com o ser humano, MAS NUNCA APARTE DE UM RELACIONAMENTO VIVO  COM CRISTO!  “Quem tem o Filho tem a vida: Quem não tem o Filho de DEUS não tem a vida.” I João 5:12.

Justamente como a constante e criativa energia de DEU é necessária para sustentar o univero e segurar os átomos juntos, assim Sua Divina força é constantemente necessária para mantermos a vida espiritual na alma. Quando a pessoa livremente escolhe separ-se de DEUS, o contato é quebrado, e a vida espiritual cessa seu fluxo. Por outro lado, DEUS também jamais violará o direito de alguém com relação a esta escolha.

Para provar que nós podemos perder nossa conexão com Jesus Cristo e com isso estarmos perdidos, vamos ler João 15:1-6: “ EU SOU a videira  verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado. Estai em mim, e eu em vós: como a vara de si mesma não pode dar frutos, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim. Eu sou a videira, vós as varas: quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.” Aqui Cristo explica um dos grandes mistérios da vida eterna. “ Eu Sou a videira, voces as varas…

 

O SEGREDO DE UMA CONTÍNUA VIDA
É UMA CONEXÃO CONTÍNUA  EM CRISTO

Note que o segredo de uma vida contínua é a constante conexão em Cristo. Se a pessoa não está conectada em Cristo, ela perece, morre e finalmente é queimada. Isto prova sem sombra de dúvida, que esta relação que o crente tem com Cristo não é uma relação estática, baseada em uma única experiência que o crente teve no passado. Isto é um corrente e mutual repartir de nossa vida em comum com Aquele que é “doador da vida.” Colossenses 3:4 fala assim: “Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós manifestareis com ele em glória.” Quando a vara se separa da videira a fonte da vida se vai, e somente a morte pode resultar desta separação. Estas palavras de Cristo estão muito claras para serem mal interpretadas! Até mesmo crentes fiéis e bons cristãos podem escolher separar-se da videira. Quando eles fazem, eles morrem e serão lançados no fogo e queimados. Nada pode murchar e morrer sem que previamente não esteja vivo.

Segurança é eterna somente para aqueles cuja fé é eternamente fixada em Jesus, e aqueles cuja vida está conectada Àquele o qual é a nossa vida. Óbviamente nós podemos escolher estarmos perdidos, não interessa o quanto nós estejamos salvos. Tudo depende em mantermos esta divina conexão com a verdadeira videira.

Jesus ensinou esta mesma verdade solene sobre o perder a vida eterna, na parábola do semeador em Lucas 8:12,13. “ E os que estão junto do caminho, estes são os que ouvem; depois vem o diabo, e tira-lhes do coração a palavra, para que não se salvem, crendo; E os que estão sobre a pedra, estes são os que ouvindo a palavra, a recebem com alegria, mas, como não têm raíz, apenas creem por algum tempo, e no tempo da tentação se desviam.” Existe muitas coisas para notarmos nesta parábola: a) Somente uma classe finalmente será salva – aqueles que trouxeram muitos frutos. Os grupos representados pelos que foram jogados pelo caminho e sobre as rochas não serão salvo. No verso 12, aqueles que estão juntos do caminho, não  tiveram a chance de  “acreditar e serem salvos”, mas no próximo verso aqueles que estavam sobre as rochas, “creram por um momento.”  Que tipo de crença é esta? Aqueles que creram por algum momento, por algum momento foram salvos, mas em tempo de tentação eles caíram. Eventualmente, é claro, eles foram deixados na perdição como os demais, excepto por aqueles que colheram frutos. Aquí está uma inequívoca lição de nosso Mestre e Senhor que pessoas podem ter uma fé salvadora por algum tempo, mas mesmo assim ainda podem perdê-la e estarem ‘perdidos.’

 

SEGURANÇA É ETERNA SOMENTE PARA AQUELES CUJA FÉ
É ETERNAMENTE FIXADA EM JESUS CRISTO

Aqueles que lêem os registros do evangelho cuidadosamente irão encontrar repetida autoridade de Jesus para renounciar a doutrina de segurança eterna. Em Lucas 12:42-46 Cristo descreveu em outra parábola como um fiél servo poderia se tornar em um servo infiél. “ E disse o Senhor: Qual é pois o mordomo fiél e prudente, a quem o senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração?  Bem-aventurado a          quele servo a quem o senhor, quando vier, achar fazendo assim. Em verdade vos digo que sobre todos os seus bens o porá. Mas, se aquele servo disser em seu coração: O meu senhor tarda a vir; e começar a espancar os criados e criadas, e a comer, e a beber, e embriagar-se, Virá o senhor daquele servo no dia em que o não espera, e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis.” Eis aqui um perfeito exemplo pelo Mestre dos mestres, em como um fiél servo pode ser colocado junto com os inféis e ser punido juntamente. Jesus estava falando de um homem o qual Ele tinha visto ser fiél o suficiente para ele acreditá-lo e dar-lhe pesadas responsabilidades. Sem dúvida nenhuma, este servo representa àqueles que cuidadosamente serviram ao Senhor como verdadeiros  crentes. Mas o que aconteceu?  Aqueles mesmos crentes abandonaram o caminho da fé e colheram a ruína e morte eterna. Isto não nos lembra as palavras que nós entramos em Hebreus 10:38? “Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma

não tem prazer nele.” O servo da parábola, que era um fiél, é agora punido juntamente com os ímpios. O crente pode retroceder para a perdição!

 A SALVAÇÃO PODE SER DESPERDIÇADA

Mais uma parábola de Cristo pondo em focus o fato  de que o perdão é condicional para o crente. A história encontrada em Mateus 18:21-35, desenvolve-se em volta do perdão e misericórdia de DEUS.

Um certo rei respondendo às súplicas de seu servo perdôou-lhe um grande débito. Este servo foi à rua e encontrou um co-servante que lhe devia uma certa quantia e sem nem uma piedade e misericórdia lhe jogou na prisão porque ele não podia lhe pagar. Quando o rei ouviu o que estava acontecendo, ele rescindiu o cancelamento da dívida que aquele mau servo tinha perante ele e lhe entregou aos tormentadores de seu débito até que ele lhes pagasse totalmente.

Ninguém pode negar a óbvia lição que esta parábola nos está ensinando. Ainda que DEUS graciosamente perdôe àqueles que preenchem a aplicação para tal, este perdão não é sem condições para o futuro. Nós podemos perder este perdão se nós deixamos de mostrar misericórdia para com os outros. Isto está em harmonia com o que encontramos na Palavra de DEUS, em Ezequiel 33:13; “Quando eu disser ao justo que certamente viverá, e ele, confiando na sua justiça, pratica iniquidade, não virão em memória todas as suas justiças, mas na sua iniquidade, que pratica, ele morrerá.” Este princípio é repetido novamente no verso 18 desse mesmo capítulo; “ Desviando-se o justo da sua justiça, e praticando iniquidade, morrerá nela.”

O segredo está em manter uma justa relação com a Fonte da salvação. Jesús disse: “Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.” Mat. 24:13.  Ninguém será salvo, que não consiga sustentar o curso de pecados deliberados na força de DEUS. Aqueles que não conseguirem perseverar até o fim terão os seus nomes riscados do livro da vida. Advogados da segurança eterna negam que isso possa acontecer, mas leia  esta temerosa possibilidade  por voce mesmo em Apocalipse 3:5; “O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos anjos.” Ao que vencer… Eu não riscarei o seu nome do livro da vida.” A implicação é clara, aqueles que não vencerem – que não resistirem até o fim – terão o seus nomes riscados.

Todos estes versos estão realmente dizendo a mesma coisa. Pecados voluntários fazem em pedaços o relacionamento pelo qual a vida eterna é obtida. Existe um eterno “se” em todas as considerações de eternal segurança. “SE” nós andarmos  na luz… o sangue de JesúsCristo seu Filho nos purifica de todos os pecados.” I João 1:7  “ Portanto , o que desde o princípio ouvistes permaneça em vós. SE em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Pai.”  I João 2:24.  “… SE ele recuar, a minha alma não tem prazer nele.” “SE alguém não está em mim, será lançado fora, e como a vara, secará; e os colhem e lançam, e ardem.” João 15:6  “Em verdade, em verdade vos digo: SE guardar a minha palavra, nunca verá a morte.” João 8:51.  “… SE permaneceres na sua benignidade; de outra maneira, também tu serás cortado.” Romanos 11:22.  “SE você fizer estas coisas jamais tropeçareis.”  II Pedro 1:10.  “…SE  retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até o fim.” Hebreus 3:14. “SE o negarmos, ele também nos negará.” II Timóteo 2:12. “Porque SE percarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados.” Hebreus 10:26.  “…SE alguém ama o mundo o amor do Pai não está nele.” I João 2:15. “Vós sois meus amigos, SE fizeres o que Eu vos mando.” João 15:14.  “SE viverdes segundo a carne, morrereis.” Romanos 8:13.

 

O PERIGO DE SERMOS JOGADOS FORA

Paulo reconheceu a temerosa possibilidade de ser tirado fora da presença de DEUS, no final, a não ser que contesse a propensão da carne para o pecado. Ele disse em I Corintos 9:27: “ Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.” A palavra que Paulo usou – reprovado – é muito interessante. Esta palavra vem do grego ‘adokimos’, a qual traduzida quer dizer reprovado. Em II Corintos 13:5 paulo declara: “Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesús Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.” Tito 1:16 fala assim: “Confessam que conhecem a DEUS, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobediêntes, e reprovados para toda a boa obra.” Certamente que Paulo não tinha nada mais em mente, mas de que ele poderia estar perdido se ele permitisse que o pecado recapturasse a sua vida novamente.

Paulo também fala da possibilidade dos crentes nascidos-de-novo sofrerem a condenação por terem participados da Santa-Cêia imerecidamente.  “Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.” I Corintos 11:29. Ninguém pode negar que estas pessoas eram consagrados cristãos, co-participantes dos símbolos de sua redenção.

Poderiam eles cair em condenação e estarem perdidos?  Paulo diz que eles poderiam. O que é condenação? A mesma palavra grega (krima) é encontrada em Timóteo 5:12.

“Tendo já a sua condenação por haverem aniquilado a primeira fé.” Quão plano é que cristãos podem abandonar a sua ‘primeira fé.’ E perderem-se em total condenação.

Eu tenho escutados muitas e muitas vezes para esta explicação da segurança eterna, baseada na analogia da adoção. Meu filho é nascido em minha família e ele sempre será meu filho. Ele não pode ser un-nascido. Seja obediênte ou desobediênte, ele será sempre meu filho.” Este argumento evita o real e central assunto. A questão não é fato de que esta criança possa ou não ser un-nascida novamente, mas que ela pode adoecer e morrer. Nenhum doutor adverte ao jovem casal do perigo de seu baby se tornar un-nascido novamente, mas ele tem muito a dizer sobre como tomar cuidados adequados para com aquela nova vida, para que não venha a morrer. Em fato se este baby não for alimentado, muito em breve virá a morrer. Da mesma maneira, Jesús disse: “Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos.” Sobre o que Jesús estava falando?  No verso 63 Ele explicou:  “O espirito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida.” A não ser que o cristão viva pela Palvara de DEUS, ele não pode continuar a ter parte da vida espiritual que é derivada Dele. Temos estabelecido claramente que uma contínua obediência é necessária para uma final salvação?  Paulo escreveu:  “Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? Romanos 6:16.  Quando o homem escolhe não obedecer a Cristo, e passa a fazer o mal, este homem não mais pertence a Cristo, mas a Satanás.  “Aquele que comete pecados é de Satanás.” I João 3:8.

O escritor do livro de Hebreus nos dá dezenas de específicas advertências contra o nosso abandono da fé. Hebreus 10:23 abre uma linha de argumento contra a posição “uma vez salvos, salvos para sempre”, que ninguem pode refutar. A passagem começa dessa maneira:  “Retenhamos firmes a confissão de nossa esperança; porque fiél é o que prometeu.” E depois dessa, advertência é dada àqueles que possam ser tentados em ausentar-se da assembléia dos crentes. Aparentemente, este é um dos primeiros sinais de nosso retrocesso espiritual. O autor da epístola, que eu creio foi Paulo, inclui ele próprio nesta advertência. Ele escreve: “Porque se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, Mas uma certa expectação horrível de juizo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários. Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou tres testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de DEUS, e tiver por profano a sangue do testamento, com que foi santificado e fizer agravo ao Espírito da graça?  Isto é do verso 26 até o verso 29. O povo aqui descrito havia sido santificado pela verdade, mas caíu em uma voluntária apostazia.

Agora os últimos versos deste capítulo admoesta-nos com relação ao abandono de nossa confidência. Note isto cuidadosamente! “Não rejeiteis pois a vossa confiança, que tem grande e avultado galardão. Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de DEUS, possais alcançar a promessa. Porque ainda um pouquinho de tempo, e o que há de vir virá, e não tardará. Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós porem, não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daqueles que creem para a conservação da alma.” Hebreus 10:35-39. Agora, como poderia alguém fazer uma afirmação mais clara e precisa de que a salvação eterna é condicional na medida que a pessoa permanece persistente até o fim? Ao menos que lá existisse uma possibilidade que alguém pudesse perder sua confidência, e dessa maneira ser atirado de volta à perdição, porque iría  este homem de DEUS soar tal aviso como ele o fez?

Em Hebreus 6:4-6 nós encontramos uma outra intrigante afirmação: “ Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo. E provaram a boa palavra de DEUS, e as virtudes do século futuro, E racaíram, sejam outra ves renovados para o arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de DEUS, e o expõem ao vitupério.”  Agora eu penso que isso seria muito difícil descrever mais completamente a pessoa que tendo experienciado o novo nascimento, mas mais tarde se rebelou contra DEUS e rejeitou a Cristo e cortou o Espírito Santo. Ele colocou-se fora do alcançe de DEUS por suas próprias ações. Portanto, lá não existe possibilidade nenhuma que tal pessoa possa salvar-se, na medida em que ele continua a cruscificar Cristo com suas desobediências.

 

OS RAMOS PODEM SER CORTADOS FORA

No capítulo 11 de Romanos, Paulo está discutindo o fato de que muitos dos da semente de Israel rejeitaram o Filho de DEUS e dessa maneira cortados fora. A ilustração usada de uma oliveira. Os galhos eram os filhos de Israel, mas por causa da sua incredulidade, eles foram jogados fora, como você irá ver nos versos 17 a 20. Depois algumas oliveiras selvagens forma enxertadas, o que representa os Gentios Cristãos. Agora notem esta advertência: “E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira. Não te glories contra os ramos, e se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raíz, mas a raíz a ti. Dirás pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado. Está bem: pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé; então não te ensoberbeças, mas teme. Porque se DEUS não poupou os ramos naturais, teme que te não poupe a ti também. Considera pois a bondade e a severidade de DEUS: para com os que caíram, severidade; mas para contigo, a benignidade de DEUS, se permaneceres na sua benignidade; de outra maneira, também tu serás cortado.” Por favor, notem de que a segurança para aqueles galhos dependiam inteiramente na conexão que eles tinham com ‘oliveira’. A segurança era condicional. Vamos ver se Pedro concorda com estes sentimentos de Paulo. Em sua segunda epístola, no primeiro capítulo, são listados um número de virtudes os quais devem ser manifestados na vida de todo o cristão. Estes são mencionados nos versos de 5 a 7, e notem que ele esta escrevendo para “aqueles que alcançaram fé igualmente preciosa pela justiça de do nosso DEUS e Salvador Jesus Cristo.” Verso 1. Depois eles receberam tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude:” Verso 3.  Isto é bem aparente, que Pedro está endereçando estas características àqueles que foram convertidos. Mas notem a advertência que ele nos dá nos versos 9 e 10: “Pois aquele em quem não há estas coisas é cego, nada vendo ao longe, havendo-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados. Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isso, nunca jamais tropeçareis.” Certamente que isso está indicando que os cristãos podem abondonar a graça de DEUS. Eles podem voltar atrás de seguir a Jesús. Eles podem até virem ser apostatados na total essência da palavra. Depois, no terceiro capítulo, Pedro continua, dizendo: “Pelo que, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz.” Verso 14.  “Vós, portanto, amados, sabendo isso de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e decaias de vossa firmeza.” Verso 17. Assim, vemos que Pedro concorda com Paulo de que cristãos necessitam estar em guarda constantemente, do contrário, eles serão esquecidos e deixados de lado, e ele indica o triste fato daqueles que voltaram suas costas para o evangelho, levando uma vida de pecado, depois que foram convertidos.

Um dos mais fortes textos Bíblicos, que prova que a pessoa pode voltar suas costas para Cristo e perder-se, até mesmo depois que ele fêz sua profissão de ser salvo, é II Pedro 2:20-22. “Portanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesús Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado; Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e porca lavada ao espojadouro de lama.” A lição aqui é bem clara.

Agora, aqueles que tomam a posição de uma segurança incondicional dizem que o Filho de DEUS não pode ser representado por cachorros ou porcos. Bem, talvez eles não  possam, mas Pedro assim o fêz – e esta é uma das mais aptas explanações que encontramos na Bíblia. O provérbio é dolorasamente claro. Eles escaparam das poluições deste mundo através do conhecimento de Jesús Cristo nosso Senhor e Salvador. Eles foram  convertidos. Eles desfrutaram do estar ao lado de Cristo. Eles entregaram suas vidas a Ele, mas eles se lembraram do mundo e dos prazeres mundanos e seus pecados. Como os Israelitas saindo fora do Egito e lembrando-se das “panelas de carne” lá deixadas. Eles se lembraram dos prazeres do pecado; assim deixando a Cristo eles foram de volta ao mundo, assim como a porca lavada retorna à lama. Certamente que os cristãos não imitam os hábitos de suínos, mas o provérbio de Pedro mostra que isso é possível.

O Espírito de DEUS não faz silêncio com relação a este ponto. Escute:  “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e à doutrinas de demônios.” I Timóteo 4:1.  Quando isso irá acontecer?  Quando é que alguns apostarão da fé? Nos últimos tempos. Isto seria agora mesmo, não é mesmo? Isto seria nos tempos em que nós estamos vivendo, este tempo está bem à nossa frente. Se voce não pensou  disso antes, é melhor começar a pensar… Nós estamos vivendo em tempos realmente perigosos. E se voce ainda não se convenceu disso ainda, dê uma rápida olhada nos jornais de amanhã, ou melhor, pode ser só nos cabeçalhos das notícias.

Neste ponto “O Espírito expressamente diz.”  que isso realmente  significa? Isso significa o Espírito falando planamente, claramente – tão claro que é impossível não entender. Ok, tudo certo então, o que alguns irão fazer? Alguns irão apostatar da fé. Assim, isso é possível abandonarmos fé, não é verdade? Alguns fazem isso.  Eles tem estado na fé, eles tem adorado com os irmãos, eles tem atendido à igreja regularmente e às suas reuniões de adoração. Eles tem estado ativamente a propagar o evangelho, eles tem dado suas contribuições regularmente, eles tem sido pastores, oficiais da igreja, e líderes de suas igrejas, no entanto eles abandonaram a fé.  Eles não são persistentes e fiéis. Nós últimos tempos virão tempos difíceis, com perseguições e sérias dificuldades, e alguns não resistirão. Eles serão tentados pelas coisas do mundo e seduzidos pelos espíritos de demônios. Triste é dizer, eles desistiram de sua fidelidade ao ‘Homem da cruz.’Eles estavam do lado de Cristo, mas agora eles estão do lado do inimigo.

Mas escute – se você quer uma segurança incondicional, você pode tê-la. Ela está em Cristo, na sua permanência diária ao lado dele, dia-após-dia. Quando você toma a Cristo e persevera ao Seu lado, Lá está o segredo da vitória. E a Seu lado, jamais haverá falha, ou queda. Cristo nunca falha!  “Lançá o teu cuidado sobre o Senhor, e Ele te susterá; nunca permitirá  que o justo seja abalado.” Salmos 55:22. Ele estará do seu lado, enquanto você estiver do lado Dele. Jesus de Si disse: “ Eu sou o caminho a verdade e a vida.” João 14:6. E João assim escreveu do Senhor: “E o testemunho é este: que DEUS nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o filho tem a vida; quem não tem o Filho de DEUS não tem a vida.” I João 5:11,12.

Muitos não-cristãos pensam que eles tem segurança. Eles irão dizer a você que eles crêem, Deus lhes irá admitir nos céus. Eles irão dizer, “Eu sou tão bom quanto a qualquer cristão que vai à igreja,” ou “Eu sinto que irei ser salvo sem ir à igreja.” Mas a verdade é: Nenhum homem será salvo baseado no que ele sente. Ele pode ser sincero, mas sua sinceridade não lhe salvará. Ele pode ser honesto, de confiança, de uma moral irrepreensível, um ótimo cidadão, mas isso não lhe salvará. Ele pode ser liberal, um suporte financeiro da igreja, uma pessoa que faz caridade e ajuda ao necessitado, mas nem isso é o suficiente para salvá-lo. Nenhum homem é salvo por suas obras, não interessa o quão boa elas possam ter sido.

Lembre-se disso, e por favor, nunca se esqueça:  Cristo é o Salvador, não as nossas dádivas, não as nossas obras. Ele oferece a ti e a mim, o dom gratuíto da salvação. E esta salvação está Nele, e quando voce recebe a Cristo, voce tem a salvação. “Aquele que tem o Filho, tem vida.” I João 5:12. Mas se voce não tem o Filho, voce não tem a vida, e voce não tem a segurança eterna enquanto voce não tiver a Cristo o filho.

 

O QUE SIGNIFICA PARA O CRISTÃO O
ABANDONO DO SEU PRIMEIRO AMOR?

Tenho, porém, contra ti que deixaste a tua primeira caridade. Lembra-te pois donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.” Apocalipse 2:4,5.

Para o cristão abandonar o seu primeiro amor, é o retroceder, o cair, a apostasia, o abandonar a Cristo e Seu serviço, e seguir o serviço da tentação e do pecado, Satanás e o mundo. O Senhor chama a todos para que se arrependam e voltem às suas primeiras obras, (os frutos da caridade), ou então…  –  então o que? “Eu tirarei o castiçal de seu lugar.” Isto é um ultimato do Senhor. Se o pecador responde, arrepende-se e retorna ao seu primeiro amor, e faz as suas primeiras obras, tudo estará bem – ele será salvo. Mas isto depende dele, da escolha que ele fizer. Se ele não fizer isso, sua luz será retirada, irá embora e ele estará perdido.

 

SERÁ QUE O APOSTATADO SEMPRE RETORNA
AO SENHOR ANTES DE SUA MORTE?

Não, muito longe disto. Este foi o caso do primeiro rei de Israel, Saul. Está escrito de Saul que ele “se transformou em um outro homem.” “E o Espírito do Senhor se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e te mudarás em outro homem.” I Samuel 10:6. Mesmo assim, Saul caíu de sua exaltada e alta posição, desobedeceu o Senhor, e por último tirou a sua própria vida. I Samuel 31:1-6.  Neste caso, não podemos dizer que Saul não fora convertido, porque DEUS disse que ele foi – no entanto ele tirou a sua própria vida, sem oportunidade de arrependimento.

NENHUM HOMEM PODE SALTAR FORA

Finalmente, vamos dar uma olhada no texto que provavelmente é o mais citado sobre qualquer outro verso da Bíblia, para suporte da doutrina da segurança eterna. Jesús disse: “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão  de meu Pai.”

Que tremenda promessa deveria ser esta para todos os crentes filhos de DEUS! Numa primeira vista, isto parece que garante um certo tipo de imunidade contra a perda da espiritualidade, mas nós não lemos o texto completo. O verso 27 é parte integral deste pensamento, ou promessa, e nele está assentada o fundamento para o cumprimento da promessa contida nos versos 28 e 29. “As Minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheco-as, e elas me seguem. E dou-lhes a vida eterna.” Por favor, notem que é somente os verdadeiros seguidores de DEUS que se aninham seguros na protetora mão de DEUS. Ele dá a vida eterna somente às fiéis ovelhas, as quais ouvem e seguem a Sua voz. Isto é o seguir e o ouvir que provê a imunidade contra o ser arrebatado para Satanás e seus agentes. A proteção é contra os inimigos que procuram arrebatar as ovelhas, mas não contra falta de fé das ovelhas que escolhem saltar fora da proteção da mão protetora de DEUS. DEUS nunca deu nenhum sinal de que ele iria interferir com o poder da livre escolha de seus seguidores. Cristãos podem escolherem estar perdidos bem como certamente, podem escolher serem salvos.

Somente pense o seguinte: O quão inútil seria as centenas de advertências Bíblicas com relação à apostasia, se fosse impossível para nós experienciá-las?  Porque teria O Espírito dirigido a Paulo e a Pedro e a todos os outros a escreverem tão solenes admoestações e advertências contra a perdição eterna, se eles não estivessem em perigo de sofrerem isso? E se isso é verdade de que uma vez salvos, salvos para sempre, certamente Satanás saberia disso. Portanto, ele nunca gastaria tempo em tentar aos crentes, sabendo o quão impossível seria para ele causar com que alguns crentes se perdessem. No entanto todos nós sabemos por experiência que Satanás trabalha, e até mesmo mais árduo para evitar que os santos sigam a Cristo.

Nós temos que concluir que salvação não consiste de um singular, simples e irrevogável ato do passado ou do presente. Estar salvo é a experiência de viver a própria vida de Cristo por divinos atributos e cedências. Isto nunca é real, excepto em contínua e dinâmica relação com Jesus, a fonte de vida eterna. Estar salvo tem que ser falado nos tres tempos, em ordem para que possa ser Bíblico. Isto aconteceu, está acontecendo e irá acontecer. Talvez esta explicação por Glenn Fillman poderá ajudar explicar isso melhor.

 

SALVO  –   PASSADO, PRESENTE E FUTURO

Bill Jones está pescando no oceano, a muitas milhas da costa. Repentinamente seu barco afunda. Ele não tem condições de nadar até à costa, em segurança,  pois está muito longe.  Quando de repente, aparece um outro barco pesqueiro, mas que está tão carregado que eles não podem trazer Bill Jones à bordo. Mas por causa que eles realmente querem salvar ao naufragado homem, a tripulação do barco lhe atira uma corda. “Hei, pegue esta corda, eles dizem. Nós iremos puxá-lo até a praia.” Quando Bill Jones pega a corda, ele diz: Muito obrigado meu DEUS, eu estou salvo!” E ele está, pelo menos enquanto ele estiver se segurando àquela corda. A Salvação e sua, mas ele tem um papel importante a desempenhar nisso. Se ele em algum momento soltar esta corda e recusar-se a continuar agarrado a ela, novamente ele estará perdido. Assim isto é com a pessoa que foi resgatada do pecado, enquanto ela estiver com sua mão estendida, segurando à mão de Cristo, estará salva. Se ela decide-se por soltar-se da mão de cristo e dar sua mão ao diabo, ela estará irremediavelmente perdida. Sua salvação depende da sua decisão e ação.

Atualmente, podemos propriamente falar de salvação em tres tempos – passado, presente e futuro. Podemos dizer: “Eu fui salvo” quando pegamos a corda, “Eu estou sendo salvo”, quando estou sendo puxado para a praia,  e “Eu serei salvo”, quando eu planto os meus pés firmemente na praia. A pessoa convertida foi salva da penalidade do pecado. Nós chamamos a isto justificação. Ela está sendo salva da força do pecado; nós chamamos a isto santificação. Ela será salva da presença do pecado quando Cristo vier; e isso será glorificação. Todos os três tempos são usados na Bíblia em conexão com ‘sendo salvo.’

Em Romanos 8:24 tem a expressão: “Nós somos salvos pela esperança”. Weymouth tem uma mais apurada tradução: Ele diz: “Nós temos sido salvos,” pretérito perfeito. A Versão Padrão Revisada, corretamente escreve a frase em I Corintos 1:18 como: “Para nós que estamos sendo salvos.” Depois em Atos 15:11, assim afirma: “Mas cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus.” Assim você viu, o passado, o presente e o futuro.

Agora deixe-me estar certo de que ninguém tenha uma impressão errada de minha ilustração sobre o homem que estava sendo resgatado do oceano. Por um acaso, o fato de ele ter que se agarrar à corda para poder ser salvo, significa que nós podemos ser salvos pelas nossas obras?  Não! Absolutamente não, (mil vezes), não! Lembre-se que ele estava sendo puxado para fora do oceano por uma outra força, que não a dele. Ele estava apenas cooperando com aquela força. Ele estava agarrando-se à corda. Ele tinha que fazer isso, se quisesse ser salvo. Como cristãos, nós temos que confessar nossa fé em Cristo, nós temos que permanecer fiéis a Ele, nós temos que botar pra fora os frutos da obediência; esta é a nossa parte em agarrar-se a Cristo. Ele nunca permitirá que nós se soltemos. A única maneira que nós podemos nos separar dEle é soltarmos a nossa mão deliberadamente e disconectar-nos dEle, mas nós é que temos a força de poder fazer isso. Nós continuamos como agentes morais libertos. Nossa liberdade de escolha não foi removida pelo fato de nos tornarmos cristãos.

A qualquer momento, em nossa vida cristã nós podemos decidir de voltar à nossa vida mundana, ao invés de buscar as coisas de DEUS e celestiais.

Nos somos salvos somente pela fé em Jesús Cristo como nosso Salvador. “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu, nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” Atos 4:12 Por outro lado, nós mostramos nossa fé por nossas ações. Isto é a manifestação de nosso amor por Ele. Guardando os mandamentos de DEUS e fazendo o que é certo são meramente o resultado do Seu Santo Espírito habitando em nosso coração. Estes são os frutos do Espírito. Nós fazemos estas coisas, não para sermos salvos, mas por que nós estamos salvos e, enquanto nós amarmos ao Senhor com todo o nosso coração, nós seremos obediênte a Ele. Nós não soltaremos a corda. Nós iremos continuar a nos agarrar a Cristo como a nossa única esperança.

Este é o meu sincero desejo a todos voces, e a mim!

09
May

Olhos Escondidos, E Ouvidos Tapados

Olhos Escondidos Ouvidos Tapados

 

Copyright  1980 by
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved

Published under permission by:
CPS – Computers, Peripherals & Software, Inc. (Educational Department)
72 Deerfield Drive
Franklin, NJ 07416-9712

Cover illustration by Ademir P. Soares
Cover Design by Ademir P. Soares

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

 

Olhos Escondidos Ouvidos Tapados

Algumas das mais surpreendentes profecias encontradas na Bíblia tem a ver com a proporção de pessoas que irão serem salvas por ocasião da segunda vinda de Cristo. Jesus claramente ensinou que comparativamente, somente uma pequena parte estaria preparada para receber por herança O Seu reino e a vida eterna. Ele disse: “ Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela. E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” Mat. 7:13,14.

Em Lucas 18:8, fazendo uma pergunta muito penetrante, Jesus implicou que ‘poucos’ poderiam ser muito menos do que  nós poderíamos esperar ou imaginar.  “Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” De novo, o Mestre falou da final separação, com estas palavras: “E como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do filho do homem. Lucas 17:26.  Somente oito pessoas foram salvas do dilúvio e “assim como foi antes” assim será quando Ele vier pela segunda vez. Outra escritores Bíblicos e profetas usam uma linguagem similar para retratrar “o pequeno grupo”, “o remanescente,” e os “poucos” que irão provar ter fé até o final.

O fato de que só uns poucos e que serão salvos não é nem de perto tão chocante, como atual a razão dada na Bíblia para a sua perdição. Isto parece óbvio que a grande maioria desta multidão será excluída do céu ainda que eles tenham professados serem cristãos, O adorarem regularmente, e gastarem uma grande parte de seus tempos fazendo maravilhosas obras em Seu nome. Jesus disse: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará  no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome?  E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.” Mat. 7:21-23.

Estes versos revelam que a terra será inundada com uma torrente de falsas religiões nos últimos dias. Milhões irão gastar seu tempo, seus esforços e seu dinheiro em promover uma religião que involve certos tipos de aparentes milagres, aparentes dons espirituais, e muita e entusiasmadas atividades. Todos estes acontecimentos são citados explicidamente por nosso Senhor. No entanto, estes muitos serão finalmente e sua totalidade rejeitados por Jesus e serão literalmente barrados de entrarem no céu. Estou falando aqui, de uma verdade borbulhante, cristalina! Mais, muito mais pessoas necessitam  abrir seus olhos para esta pequena e mal-entendida situação que irá caracterizar o final dos tempos. Depois nós precisamos encontrar como evitar esta vasta, imensa desilusão que irá causar que uma grande quantidade de pessoas religiosas venham a perder-se.

Porque serão eles rejeitados, ainda que com sua devotada adoração e ministério no nome de Jesus? Isto tem causado para algumas pessoas um desespero de salvação. Como pode alguém saber que a sua própria religião não irá finalmente ser encontrada nesta categoria?  Deixe-nos seriamente olhar para resposta nestas questões. Nossa salvação não depende, ou está baseada em nossa sinceridade, mas mediante encontrarmos a verdade na Palavra de DEUS, e obedecê-la!

 

OBEDIÊNCIA É O ÁCIDO
TESTE DE UMA RELIGIÃO VÁLIDA

 

O primeiro ponto que nós temos que entender é este: ATIVIDADES RELIGIOSAS SÃO TOTALMENTE INÚTEIS, SE NÓS NÃO ESTAMOS FAZENDO A VONTADE DE DEUS. Cristo declarou que chamando o nome do Senhor, e até mesmo dirigindo-se através de programas humanitários, esquecendo-se do EU, será tempo perdido, se a obediência aos preceitos divinos são exlcluídas. Marque este fato sobre as tábuas de seu cérebro e nunca se esqueça disso – As Escrituras exaltam a OBEDIÊNCIA como o teste diferenciador de uma verdadeira/válida religião. Aqueles que se engajam em uma total entrega a pregar o evangelho em nome de Jesus – com tempo, talento e dinheiro – e não guardam Seus mandamentos, não podem encontrar o aprovamento de de DEUS. Em fato, por causa que eles não estão obedecendo Cristo, tais adoradores abrem a porta, pela qual Satanás pode entrar sem ser reconhecido, e operar milagres através deles, NO NOME DE JESUS, o qual eles o proclamam como pela força de DEUS. O melancólico apelo: “Não temos nós em Seu nome expulsados demônios? É prova positiva que que seus milagres foram realizados por alguma outra força, mas não por Cristo, ainda que usando o Seu nome. Se Jesus nunca os conheceu, quem mais poderia executar tais milagres? Somente Satanás. A Bíblia fala de “ espíritos de demônios que fazem prodígios”, em Apocalipse 16:14.

Só um momento, o que Jesus estava querendo dizer quando ele disse: “Eu nunca os conhecí; apartai-vos de mim, vós que praticai a iniquidade”? Como que alguém pode vir a conhecer Jesus? O amado João nos fala em I João 3:6: “Qualquer que permanece nele não peca; qualquer pe peca não o viu nem o conheceu.” E em I João 2:4, ele fala assim: “Aquele que diz: Eu conheço-O, e não guardad os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.” Conhecê-Lo significa que nós O obedecemos. Biblicamente, isto é impossível ser um verdadeiro filho de DEUS enquanto nos recusamos a obedecer os mandamentos de DEUS. Uma desobediência voluntária corta totalmente a relação, afasta de nós a presença do Espírito Santo, pelo qual nós somos selados, e efetivamente remove o indivíduo da posição de graça em que ele estava.

Agora nós começamos a ver o quão simples é este teste de espíritos que estão no mundo de hoje. Já e tempo de olharmos para o passado as músicas estimulantes, as fervorosas oratórias e até mesmo as excitadas sessões de testemunhas e aplicar o teste que foi nos dado pelo grande Autor de toda a verdade – O próprio Jesús. Ele fez tremendamente claro que os originais requerimentos de DEUS permanecem imutáveis. A condição de obediência a qual poderia ter feito a permanência do homem no Éden, passou a ser a condição para a sua restauração ao Éden. “Se voce me ama, guardai os meus mandamentos.” João 14:15.

 

AMOR NÃO É LEGALISMO

Nós não podemos falhlar em enfatizar neste momento, que o elemento do amor o qual tem que satisfazer toda a aceitável obediência. Forcando as formas de cumprimento sem uma experiência pessoal de amor com Cristo o Salvador é totalmente fatal como o engano em omitir-lhe total obediência. Jesus teve que lidar com o frio formalismo dos Fariseus muitas e muitas vezes. E por causa que Ele totalmente condenou o programa de salvação através das obras, muitos assumiram que Ele considerara que a obediência já não era importante. Agora nós precisamos de ver a maravilhosa balança na doutrina de Cristo sobre fé e obras. Ele ensinava que obedecer em ordem para sermos salvos é o pior tipo de legalismo, mas obedecer por causa que nós estamos salvos é o ácido teste de uma verdadeira experiência religiosa. Obediência segue a uma verdadeira fé assim como o dia precede à noite. Incidentalmente, a palavra “legalista” tem sido atirada de um lado para outro com muito abandono. Eu temo terrivelmente que muitos cristãos tem sido considerados legalistas por causa de seu amor por Cristo os tem levado a serem mais particulares em sua obediência do que seus acusadores. Nunca esqueçam de que um legalista é aquele que acredita que pode ser salvo por seu trabalho. A pessoa que  que guarda os mandamentos por causa que ela não quer descontentar o DEUS que ele ama, não é legalista de maneira nenhuma. O velho argumento e frequentemente ouvido, “Eu prefiro ver um feliz e amável cristão que não guarda todos os mandamentos de DEUS do que ver a um não-amável o qual estritamente, guarda a todos os mandamentos da lei.” Porque tentar medir diferentes graus de culpa? Ambos estão completamente errados. Nosso sentimentos não tem nada a ver com isso. Cristo estabeleceu o padrão pelo qual somos medidos. Nada menos do que “a fé a qual opera pelo amor” será aceita.

Mas vamos retornar à alarmente proposição que a maioria da raça humana estará perdida, incluindo os fervorosos ativistas religiosos. Adoração é comandada na Bíblia e é um ingrediente necessário da verdadeira religião, mas irá uma completa hoste de adoradores cristãos se perder? Jesus disse: “Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens.” Uma outra esmagadora afirmação da verdade! Pessoas irão adorar em vão, se elas rejeitarem a verdadeira doutrina, em favor da tradição do homem.

 

QUANDO QUE O ADORAR É EM VÃO?

Em muitas ocasiões Jesus falou da urgente necessidade de caminhar em toda a verdade conhecida. “Se eu não viera, nem lhes hovera falado, não teriam pecado, mas agora não teem desculpa do seu pecado.” João 15:22. “Se fosseis cegos, não terieis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece.” Quando o homem apreende um ponto de verdade na Bíblia e se recusa a obedecê-lo, ele é culpado de praticar pecado. Tal homem está lutando com o Espírito Santo, cujo trabalho primário é  conduzir e guiar à toda a verdade. Esta recusa em obedecer calcifica a conciência, causando o Espírito Santo a se afastar finalmente e com isso esta pessoa é dirigida a praticar o pecado imperdoável. Não se admira de que tal adoração é em vão. Em rejeitando os mandamentos de DEUS em favor das tradições humanas, o Espírito Santo é rejeitado.

De acordo com Atos 5:32 somente aqueles que obedecem são elegíveis a serem preenchidos com o Espírito Santo.

Vamos fazer uma pausa aqui, e considerar o profundo significado do que nós temos descobertos até aqui. A grande maioria das pessoas estarão perdidas, incluindo muitos dos operavam milagres no nome de Cristo, adoravam a Ele e clamavam conhecê-lo e consideravam-se Seus filhos. A razão pela qual eles irão se perder é que eles não O amaram o sucificiente para guardar todos os Seus mandamentos. Por alguma razão estes ardorosos trabalhadores da igreja aprenderam a olhar complacentes para a lei de DEUS. A maioria deles consideravam isto legalismo, acreditar que a desobediência poderia deixá-los de fora dos céus. Satanás cegou-lhes os olhos para a maravilhosa e íntima relação de obediência e amor. Milhões de protestantes Cristãos tem atualmente sido ensinados que sua obediência ou desobediência não pode ter efeito nenhum com relação à sua salvação.

Em vista desta profunda-enraizada tradição da cristandade de hoje, nós podemos ver como Satanás tem manipulado milhões e milhões de cristão a um estado de conciência a rejeitar os reclamos de DEUS relacionados com a sua lei moral. Sob uma torcida interpretação de uma graça barata (alguem tem chamado a isso de um  ‘enlameado amor’) o palco está preparado para a master estrategia de decepção. A final batalha entre a verdade e o erro se revolverá sobre a básica matéria da lealdade versus deslealdade, obediência versus desobediência. E  o principal foco será esquadrinhado encima do quarto mandamento, o qual contém o grande e distintivo sinal da força criativa de DEUS e sua autoridade.

 

DOMINGO — A TRADIÇÃO DO HOMEM

Isto parece mais do que coincidência que Jesus tenha soletrado:

“T r a d i ç ô e s   d o   h o m e m” como as falsas doutrinas que conduziriam a uma vã adoração. A chefe tradição hoje, a qual tem volvido multidões de guardar os Dez Mandamentos é a doutrina da guarda do Domingo.         Quase todos os cristãos de qualquer persuação religiosa podem defender e levantar nove dos Dez mandamentos. Somente o Sábado é que tem mexido e levantado um grande ódio com relação a este mandamento da santa lei de DEUS.

Quem  inspirou esta atitute de contenção com relação a esta pequena porção da Bíblia, a única que DEUS escreveu com o seu próprio dedo? Como é que  muitos milhões tem sido guiados a equacionar obediência com legalismo? A tragédia é que ministros tem largamente sido responsáveis em fazer pessoas afastarem-se da obediência. Repetidademente em minha cruzadas evangelísticas pessoas falam-me de que pastores referem-se ao Sábado com raiva. Incapazes de dar uma razão Bíblica para a guarda do  Domingo, e frustrados pelas insistentes questões de seus rebanhos, muitos pastores tornan-se em furiosos e emocionais ataques contra a validade da lei. Eu tenho encontrado que estes ataques geralmente seguem duas linhas de argumentos. O grupo fundamentalista de pregadores dão ênfase ao “espírito da lei” enquanto insistem de que a lei não é obrigatória. O que permite com que o específico sétimo-dia seja deixado de lado pelo domingo. O outro grupo, de teólogos mais liberais, contendem dizendo que não existe um dia especial de adoração e que o crente é totalmente livre para de qualquer reclamos da lei.

Desde que pecado, está definido na Bíblia como sendo “a transgressão da lei”, e Paulo afirma que “Onde não existe lei, não existe pecado,” qualquer ataque à lei, serve somente para enfraquecer a convicção do homem para com o pecado. I João 3:4; Romanos 4:15, Tiago nos fala que a quebra de qualquer de um desses 10 preceitos dos dez mandamentos nos torna culpados de todos os 10, e constitue transgressão ou pecado. Tiago 2:10-12.

Isto é uma séria matéria para trazer à terra confidência nessa grande, escrita-à-mão-moral lei de DEUS? Será que o homem encara o pecado mais levemente quando ele perde a fé da autoridade dos 10 Mandamentos? Sem sombra de dúvidas, isso acontece. A estranha circunstância de ministros ensinando pessoas a pecarem não é muito fácil de se compreender. Isto é somente quando nós estudamos as grandes linhas de profecias concernentes a estes últimos dias que nós começamos a entender este fenômeno. Aparentemente DEUS teve que lidar com pastores infiéis em ambos, no Antigo Testamento e no Novo Testamento. Alguns fortes julgamentos tem que ser pronunciados contra aqueles pastores que conduziram o seu rebanho por um caminho errado. Os Atalaias que não anunciavam  a verdade sobre o perigo que se aproximava eram considerados culpados das mortes que desse perigo pudesse resultar. Tais pregadores são atualmente tornados em agentes do maligno. Paulo escreveu, “ E não é maravilha, porque o próprio Satanás, se transfigura em anjo de luz. Não é muito pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça: o fim dos             quais será conforme as suas obras.” II Corintios 11:14, 15. Somente o Livro inspirado poderia colocar um label assim de tal maneira. Aparentemente DEUS olha para tais homens atualmente, como ministros de Satanás porque eles tem medo de falar a verdade e, ao invés, acabam transmitindo suas próprias idéias. Já é tempo de entender a grande conspiração de Satanás para dirigir o homem do clero – líderes religiosos de alto nível – para ensinar doutrinas perversas no nome de Cristo. Paulo predisse que “Porque virá tempo em que  não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscêcias. E desviarão os ouvidos da verdade voltando às fábulas.” II Timóteo 4:3, 4.

Interessante é notar que estes ensinadores dos últimos dias são descritos como tornando os seus ouvidos para longe da verdade. Isto quer dizer que eles viram isso, entenderam isso, mas não quizeram tomar conhecimento disso. DEUS fez o mesmo dipo de ataque aos seus Pastores do Antigo Testameno. “Os seus sacerdotes transgridem a minha lei, e profanam as minha coisas santas; entre o santo e o profano não fazem diferença, nem discernem o impuro do puro; e de  meus Sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles.” Ezequiel 22:26.

Os pastores do Antigo Testamento fecharam os seus olhos para o Sábado e os ministros dos últimos dias irão tornar os seus ouvidos da verdade. Quão trágico! Em outras palavras, eles irão ver isso mas tentarão se ver livre disso renegando-se a continuar olhar par isso. Eu tenho frequentemente falado para ministros de diferentes convicções com relação ao subjeto do Sábado. Alguns tem honestamente admitido que Sábado é o verdadeiro Dia do Senhor que a Bíblia fala. Outros rejeitam isso por várias razões. Uns poucos não podem acreditar que DEUS era tão particular com relação a qual dia para observar. Eles justificam que DEUS iria ser compreensivo com aqueles que acharam mais conveniente guardar um diferente dia outro do que o sétimo-dia. Alguns ministros que eu tenho falado realmente não aceitam a Bíblia como a inspirada Palavra de DEUS.

 

PREGADORES EM DÚVIDA

Isto é chocante a realidade de que o quanto o cepticismo e o alto criticismo tenham roubado muitos pastores de sua fé na Bíblia. Até mesmo muitos dos da velha guarda, conservativas denominações evangélicas

 

 

09
May

Ladrões na Igreja

Ladrões na Igreja

 

Copyright 1990 by 
Joe Crews (Amazing Facts) 

All Rights Reserved
Printed in USA

Published (Under permission) by
COCONET-US, LLC – (Educational Department)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9782

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

Ladrões Na Igreja

Você conhece o pecado, sobre o qual quase ninguém admite? É um pecado que nós temos medo de mencionar. Nós temos que ter medo de mencioná-lo, porque ninguém nunca comenta isso, pelo menos com relação a eles. Muitas pessoas tem confessado para mim que eles tem cometidos horrendous e negros pecados. Eu posso me lembrar de pessoas confessando ser alcoólatras inveterados, quem confessou ser ladrão, outros confessaram serem destruidores de outros lares, assassinos, blasfemadores que usam do nome do Senhor em vão, traidores de seus esposos, ou esposas, violadores do Sábado –  e de todo o resto de pecados – mas até onde eu posso me lembrar em toda a minha vida de ministério, ninguém veio pra mim abertamente e admitiu ser ele ou ela culpado do pecado que nós iremos abordar aqui e agora. E eu suponho que a razão porque isso nunca aconteceu é justamente por isso ser a raíz do pecado: a profunda raíz do pecado, sua própria fundação.

O próprio Jesus solenemente advertiu-nos a respeito deste pecado em Lucas 12:15: “Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui”. Sim, o pecado que ninguém admite é a cobiça.

Pessoas simplesmente não dizem: “Bem, Eu sou uma pessoa invejosa, ou cobiçosa. Eu quero botar as mãos naquele extra dólar. Eu quero agarrar o máximo que eu puder botar as mãos.”  Eles nunca vem para voce e dizem, “Eu quero, eu preciso te admitir uma coisa… Avareza é o meu problema. Eu simplesmente sou uma pessoa invejosa.” Isto sempre tem me deixado um pouco perplexo, ou atônito. Pessoas não estão nem aí em admitir alguns dos mais terríveis e negros pecados; mas quando chega no fundo do poço dos mais refinados pecados como a inveja, eu penso que talvez isso seja muito humilhante… É claro, isso é um pecado que não é muito condenado em nossa capitalista sociedade, nesta era materialística em que vivemos. Até mesmo pela própria igreja isso realmente não é muito condenado. Voce quebra qualquer um dos outros mandamentos e imediatamente voce está metido em problema,  mas cobiça – Bem… ninguém sabe quando voce está cobiçando ou não. Mas isto está lá – isto é um mandamento do Senhor,  e um dos quais as pessoas parecem não dar muito importância;  mas no entanto, aos olhos de DEUS  este é um dos mais negros de todos os pecados, porque  este é um pecado que é a raíz de todos os outros pecados.
Relembrem o que o Apóstolo Paulo disse em Romanos 7:7. Ele disse: “… mas eu não conhecí o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás.” O ponto que ele estava tentando transmitir é este: Todo e qualquer pecado tem suas raízes no pecado da cobiça, daí o porquê de DEUS ensinar que isso era de tamanha importância, o suficiente para incluí-lo entre os 10 Mandamentos. Este é o pecado que vem antes e dirige para todo e qualquer outro pecado que você possivelmente venha a cometer.

DEUS Chamou O Homem
“Sem Sentido, ou Estúpido”

Mas agora eu tenho que te admoestar com antecedência de que não existe maneira pela qual nós possamos nos livrar da cobiça, a não ser através de nosso Senhor Jesús Cristo. – Absolutamente, não existe um outro jeito. É necessário uma força especial dos  céus, para que possamos superar este pecado. Mas agora vamos voltar par o livro de Lucas cap. 12 por um momento. Depois que Jesús disse, “Acautelai-vos e guardai-vos da avareza,” Ele contou uma estória para ilustrar o ponto com mais detalhes. Deixem-me ler isto para vocês, começando com o verso 16: “E propôs-lhes uma parábola, dizendo: A herdade dum homem rico tinha produzido com abundância; E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos; E disse: Farei isto: derribarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; E direi à minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe, e folga. Mas DEUS lhe disse: Louco, esta noite te pedirão  a tua alma; e o que tens preparado para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com DEUS.”

Agora notem uma coisa. DEUS chama este homem louco. Eu poderia chamar alguém de louco e estar cometendo um terrível engano, mas quando DEUS chama alguém de louco, este alguém é louco mesmo! Porque? Bem, por que ele estava interessado somente nele mesmo, – EU, EU, EU… – e esqueceu-se de tudo, do solene fato de que num desses dias nós todos iremos nos deparar em frente do Senhor, em julgamento. Assim DEUS disse, “Voce é louco. Esta noite sua alma será requerida e o que tens preparado para quem será?”

Esta é uma muito solene estória. Todo o Cristão deveria prestar muita atenção no que O Senhor está dizendo aqui. Ei, voce, vá em frente. Se esse é o jeito que voce quer, continue, pegue todas as coisas que voce quer. Fique com as coisas que não são tuas. Faça provisões para mais e mais pecados. Voce tem o direito de escolha, mas quando o dia do reconhecimento vier e voce e sua alma for requerida de voce, então para quem estas coisas serão?”

Voce sabe, muitas pessoas pensam que eles estão conseguindo “enrolar” com estes pecados secretos – coisas que estão dentro; coisas que não aparecem exteriormente – como a cobiça, por exemplo. A pessoa pode parecer um respeitável Cristão à vista de outros, e ao mesmo tempo ser  culpado pela cobiça. Desde que isto não aparece, como qualquer um desses outros grotescos pecados externos. Mas marquem voces isto: No dia do grande juizo final, quando a luz diretamente do trono de DEUS brilhar em toda a raça humana, todas estas coisas virão à tona e as pessoas poderão observar todos estes pecados em sua total repugnância, em seu desmascaramento total. E um dos piores pecados a serem mostrados no dia do juizo será o pecado da cobiça.

Invejar A Oração De Outros,
A Honra Ou A Posição

Eu tenho medo de que nós possamos NÃO se dar conta do quão longe que isso pode alcançar. Pegue como exemplo, a Inveja profissional. Você já ouviu esta expressão?  Eu quero te dizer uma coisa, isto não é limitado à profissão somente. Isto é um termo que nós frequentemente usamos livremente, porque isso pode ser aplicado para todo mundo, em qualquer lugar. Esposas tem inveja de outras esposas; Maridos tem inveja de outros maridos; Trabalhadores tem inveja de outros trabalhadores; e isso é cobiça –  esta inveja profissional – cobiçar o louvor de outros, ou suas honras, ou sua posição. Isto está tão espalhado, que é difícil nós encontrarmos um lugar em que isto não esteja presente. Isto existe até mesmo entre os Pregadores, e aqui é onde as coisas vem para casa. Uma pessoa pode construir uma bonita casa e eu poderia ir olhar esta casa e dizer: “Que casa maravilhosa você possui. Isto é uma obra de arte. Você fez realmente um bom trabalho.” E isso não tiraria nada de dentro de mim – isso seria fácil para mim dizer isto, porque eu não sou construtor. Alguém poderia pintar um lindo quadro, uma obra de arte, estranhamente bonito – e eu poderia dizer: “Olha, isto é fantástico; isto é simplesmente maravilhoso, eu nunca vi nada igual em minha vida.” Eu simplesmente poderia ser extravagante em elogios a esta pessoa. Eu não sou um pintor. Mas quando alguém levanta-se e vai ao púlpito e prega um sermão melhor do que eu – então para mim dizer honesta e verdadeiramente, do fundo do coração; “Isto é realmente formidável, você realmente estava iluminado; O Senhor estava com você”- ah, isso é outra história!

Voce entende o que eu quero dizer?  Isso é o que nós estamos falando a respeito, hoje. Este assunto de alguém cobiçar a honra ou o louvor ou a posição ou o sucesso de outros, é um dos maiores pecados mencionados no Livro de DEUS. Isto é minha oração que na medida que nós nos aprofundemos neste estudo, que toda a pessoa determine em seu coração em começar agora mesmo a indagar a DEUS por vitória. Isto é uma coisa terrível para um Cristão, ser culpado de cobiça. Isto é mau o suficiente para o mundo, mas é uma coisa horrenda para a pessoa a qual se nomeia Cristã, de ser cobiçosa de alguma coisa. Nós precisamos aprender a dar louvores a DEUS por todas as coisas que nós fazemos; então nós pararemos de nos preocupar com crédito – quem merece o crédito por isso ou por aquilo. Nós iremos dar tudo a DEUS, onde isto, de qualquer maneira, deveria estar em primeiro lugar.

Um outro ponto onde muitos do povo de DEUS parecem estar terrivelmente danificados pelo pecado da cobiça é na area do “D A R”. Muitos, mas muito mesmo dos professos filhos de DEUS são culpados de apropriarem-se do dinheiro de DEUS.

Todos Os Dias Nós
Manipulamos O Dinheiro De Alguém

Frequentemente lemos nos jornais sobre indivíduos que se apropriaram indevidamente de milhões e milhões de dólares. Estes aproveitadores, frequentemente, saem fora do país, levando o dinheiro, e deixando uma ruína financeira para dezenas e dezenas de pessoas que perderam tudo o que tinham. Nós secretamente esperamos que a lei deite mão nestes malfeitores e jogue “os livros” “nestes fraudulentos”. Mas, hei…  Espera um minuto! Não vamos nos mover muito de pressa aqui. Todos nós mexemos com dinheiro.

Mais ainda, não importa quem voce seja – voce mexe com dinheiro que não é seu. Voce lida com dinheiro que pertence a DEUS. Como pode ser isso que alguém que possa estar lendo este livro esteja apropriando-se indevidamente de fundos celestiais? Voce sabia que o maior dono de terras e benfeitorias deste planeta tem sido vítima de trapaças e roubalheiras repetidamente, sem nunca ter ido a bancarrota? DEUS é este grande Senhor feudal, de quem eu estou falando. E estou me referindo especificamente aos dízimos e às ofertas. Em Levíticos 27:30 As Sagradas Escrituras os dizem que os dízimos são do Senhor. Não existe meios de confundir isso, está muito claro. Talvez até eu devesse ler este verso. Isso é o que ele diz: “Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do Senhor; santas são ao Senhor.” Lev. 27:30. (Isto é bem específico). Depois em Malaquias 3:10 nós encontramos alguma coisa mais adicionando: Verso 8 diz:  “Roubará o homem a DEUS? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas.” Agora notem voces uma coisa importante: A pessoa que não dizima é ladrão, mas em adição, a pessoa que não da ofertas também é considerada culpada de roubo diante de DEUS, assim, suas ofertas e seus dízimos pertencem a DEUS. Como seria bom que isso ficasse gravado no coração de cada um, com uma pena de fogo: Estas coisas não nos pertencem; elas são do Senhor. Nós estamos lidando com fundos sagrados, e a questão é:  Como nós estamos fazendo isso?  Poderia ser que alguns de nós estamos usando estes fundos inapropriadamente e sermos culpados de mal-uso do dinheiro de DEUS?

Afinal de contas, o que é o dízimo?  Leia Levíticos 27:32; “Tocante a todas as dízimas de vacas e ovelhas, de tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao Senhor.” Isso quer dizer que um décimo de tudo o que recebemos pertence a DEUS. Pode ser até que nós nunca pensamos nisso antes,  mas 10% de toda nossa renda é santa para o Senhor. Nós não podemos reter isso conosco, sem que com isso estejamos a quebrar o oitavo mandamento denovo em roubando o que não nos pertence. Se alguém ganha $1,000.00 por mês, $100.00 não lhe pertence realmente. É claro que somente o lucro, ou o aumento é sujeito ao dízimo. Em outras palavras, um homem de negócios pode ter um incremento de $5,000.00 por mês, mas $4,000.00 serão necessários para pagar salários de seus ajudantes, e outras despesas. Em tal caso ele deverá dizimar somente sobre os $1,000.00, ou seja $100.00, o que foi o seu lucro deste mês.

Muitos dizem que o subjecto do dízimo está relacionado com a Lei Mosaica, do Antigo Testamento, e não se aplica mais no Novo Testamento. Mas o fato é que este plano “dos dízimos” remonta a muito antes do tempo de Moisés por centenas de anos. Abraão pagou os dízimos com orientação Divina, muito antes de Moisés. Jacó também dizimou tudo o que ele tinha. Isto era uma obrigação, bem antes de raça Judaica, ou da lei cerimonial vir a existir.

Mas agora vejamos o que Jesús tem para dizer a respeito dos dízimos. Afinal de contas, Ele é o grande guia e exemplo para todos nós em questões espirituais. Em Mateus 23:23; “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis porém fazer estas coisas e não omitir aquelas.” Esta palavra: deveis, denota obrigação e imediatamente cria uma base moral para a doutrina. Isto é moral porque está envolvido o roubar de DEUS, como nós já lemos anteriormente.

Dízimo É Para Ser Usado
Somente Com Um Propósito

Deixe-me fazer uma pergunta antes de ir adiante. Para que ou em que é para ser usado o dinheiro do dízimo?  Por favor, vejamos o que a Bíblia nos fala em I Coríntios 9:13; “Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que de contínuo estão junto ao altar, participam do altar?” Aqui Paulo está se referindo aos sacerdotes do Antigo Testamento e como eles recebiam suas subsistências pelos seus serviços ministrados no antigo altar. Mas agora leia o próximo verso: “Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho.” Verso 14. Este texto claramente ensina que o ministro do evangelho é para ser suportado exatamente da mesma maneira em que os sacerdotes do Antigo Testamento eram suportados.

Agora nós voltaremos para as Escrituras para descobrir como o plano de DEUS foi elaborado para suportar o evangelho, em ambos, no Antigo e no Novo Testamento. Em Números 18:21 nós lemos: “E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por heranca, pelo seu minitério que exercem, o ministério da tenda da congregação.” A tribo de Levi não recebeu nenhuma herança, como as outras onze tribos. Eles não tinham negócio nenhum, nem gado nem Joint-ventures de nehuma espécie.  Todas as outras tribos pagavam os dízimos e estes 10% eram usados para pagar os sacerdotes que ministravam no Santuário, os Levitas.

Tudo bem, “Aqueles que pregam o evangelho, ordenou o Senhor,  devem viver do evangelho”, assim falou Paulo.  O Dízimo não é para ser usado em fundo de educação, ou até mesmo para o fundo de assistência ao pobre e necessitado.  Ele foi ordenado por DEUS para ser somente usado para pagar o ministério. Esta é maneira bíblica pelo qual os pregadores devem ser suportados.

Eu ouví de um pregador que se recusou a pregar até que a meta das ofertas que eles haviam estipulado fosse alcançada e dessa maneira cobrir o seu plano pastoral e suas obrigações financeiras. Outras igrejas recorrem ao recurso do bingo, e até mesmo de feiras internas para arrecadar fundos e atingir suas metas e obrigações financeiras. É isso o plando de DEUS? Foi desta maneira que ele ordenou que as igrejas procedessem para cobrir seus “ planos deficitários”?  Não! Isso não está delineado nos planos de DEUS. Alguma coisa tem que estar desesperadamente errada, em qualquer igreja que tenha que trazer o mundo para dentro de seus planos operacionais. Se Cristo viesse a caminhar dentro de alguns destes templos e cathedrais de hoje, Ele certamente sentiria a mesma repulsa que ele sentiu, quando espulsou os vendilhões que estavam às portas do templo a quase dois mil anos atrás. Ele certamente diria uma vez mais: “Tirem estas coisas daqui. Voces tem feito de minha casa de oração uma caverna de ladrões”. Que tragédia! Muitos de nossos adolescentes aprenderam o hábito do jogo e se tornaram ‘experts’, dentro das paredes de nossas próprias igrejas. Que comentário triste deste estado de nossos modernos líderes religiosos encorajar tal tipo de demonstrações. É isso que DEUS está a expectar de nós, que somos chamados pelo Seu nome?

 

Alguns Pregadores Tem Medo De Pregar
A Verdade Por Causa Do Dinheiro

Nunca foi da intenção de DEUS que Seus pregadores participassem em outras atividades tais como vendas de imóveis, ou vendas de carros, ou qualquer outra atividade extra-pastoral. O homem chamado por DEUS deveria ocupar/doar todo o seu tempo em pregar a Palavra de DEUS. Sua vida, ou sua manutenção, em outras palavras, deveria ser suprida única e exclusivamente pelo sistema de dízimos. Este sistema elimina uma das grandes tentações que o moderno ministro do evangelho  enfrenta nos dias de hoje. Alguns ministros, atualmente, sentem medo de pregar a verdade plana, por temer que seus próprios salários sejam reduzidos.

Quando o pastor é pago diretamente pela congregação local, e tem que depender única e exclusivamente da liberalidade do grupo de uma igreja, ele está em um ansioso dilema. Se ele condena o pecado, como ele deveria ser condenado, poderá ofender aqueles mesmos que lhe estão pagando e com isso poderão reduzir ou parar de dar suas ofertas, e com isso seu próprio sálario estará em risco. Mas eu sei que nenhum verdadeiro pastor iria pregar ‘sermões suaves’ para ter lucros temporais, no entanto, muitos, atualmente, tem medo de pregar a verdade nua e crua, pelas razões que acabo de descrever neste parágrafo. O plano de DEUS elimina esta tentação de suavizar a verdade.

A igreja local não deve, diretamente pagar o homem que está pregando para eles, e isso eliminaria este grande perigo.

Algumas pessoas reclamam que eles não podem pagar os dízimos porque já não existe nada que tenha sobrado após eles terem pago os seus compromissos mensais. Mas estamos nós fazendo a coisa certa em primeiramente pagar todos os nossos compromissos mensais para depois pagar os dízimos com o que sobrou, se é que sobrou?  Em Provérbios 3:9 nós lemos: “Honra o Senhor com a tua fazenda, e com as primícias de toda a tua renda.” Em outras palavras, pague o dízimo primeiro. Até os ministros pagam 10% de seus salários, muito embora eles sejam pagos com o dinheiro do fundo de dízimos. Afinal de contas, tudo pertence a DEUS, não é mesmo?  Toda a prata e o ouro e o gado e as colinas e milhares de montanhas – nós somos meramente Seus mordomos.  Ele nos deixou usar estas coisas. Nós pagamos o aluguel de uma casa em reconhecimento que a mesma não é nossa. Nós só a usamos. Da mesma forma, nós damos 10% de volta a DEUS de tudo o que nós ganhamos ou temos, por reconhecermos que Ele é o dono de tudo e que a nós é dado para serem usadas. Mas elas realmente pertencem a DEUS, o Criador, dono e mantenedor de todas as coisas.

No entanto, muitas, mas muitas pessoas dizem: “Eu vou à igreja e pago meus dízimos”,  quando na realidade o que eles estão dizendo é: eles vão à igreja e dão as suas ofertas, porque em realidade ninguém paga dízimos, se eles não derem 10% de seus sálarios. Dízimos significa 10%  e disso é o que a Bíblia está falando, 10% do que a pessoa ganha. Algumas pessoas dizem; “Não é isso um bom negócio, dar 10% de seu salário?  Suponha que alguém vem à você e diz: “Eu gostaria de montar um negócio contigo. Eu lhe proverei capital, prédio, equipamento – tudo. Eu quero que você gerencie o negócio pr’a mim. Depois, no final do mes, eu gostaria que você apurasse o lucro líquido de tudo o que foi vendido e ficasse com 9 partes de tudo e me desse de volta uma parte.” Voce diria… O quê?!? Você quer tudo isso? 10% do todo? Não… você olharia para o homem e diria… espera um pouco, voce cometeu um engano. Você quer dizer: dê-me 9 partes e fique com uma parte, não é mesmo?

Porque voce não houve propostas como esta, hoje em dia? Pessoas não fazem propostas como esta – nunca fizeram, e nunca farão, NO WAY!!! – Mas DEUS fez e continua a fazer, sem sombra de dúvidas. Não existe a mínima questão a respeito disso. Este mundo e tudo o que nele contém pertencem a DEUS. Ele fez tudo e tudo o que está aqui, pertence a Ele. A Bíblia é muito clara com relação a isto. De Salmos 24:1 eu leio isto: “Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam.” E de Salmos 50:10-12 assim leio: “Porque meu é todo o animal da selva, e as alimárias sobre milhares de montanhas. Conheço todas as aves dos montes, e minhas são todas as feras do campo. Seu eu tivesse fome, não to diria, pois meu é o mundo e a sua plenitude.” E de Ageu 2:8 tiro o seguinte: “Minha é a prata, e meu é o ouro, disse o Senhor.” A gente algumas vezes se esquece disso, mas Ele diz: “Isto é meu.” Agora note o que é dito em Deuteronômio 8:18: “Antes te lembrarás do Senhor teu DEUS, que Ele é o que te dá força para adquirires poder; para confirmar o seu concerto, que jurou a teus pais, como se vê nesse dia.”

Quando adicionamos tudo isso e colocamos tudo junto, a Bíblia simplesmente esta dizendo isso: Tudo é de DEUS. Se é que voce possui alguma coisa, DEUS te deu força e poder para adquirir, inteligência para obter o que possuís. E depois Ele diz para voce, “Agora, 10% de tudo o que recebeste é meu. Eu quero que voce dê para mim.” É isso no seu modo de ver, uma oferta razoável?  Eu submito a voce que jamais em algum lugar neste mundo, voce ouviu uma oferta mais generosa do que esta. Lembre-se do texto em Levíticos 27:30, que diz; os dízimos são do Senhor. Possa DEUS nos impressionar com relação a este ponto. Isto não é uma questão de nós decidirmos em retornar uma porção para Ele, ou de que uma parte se torna Dele, ou uma parte vai ser Dele. Antes de nós ter não interessa o quê, isso já pertencia ao Senhor. É fato consumado! O dízimo é do Senhor, e assim 10% do sálario do homem pertence a DEUS. Ele pode ser um ateu completo, que nunca soube nada e não quer saber sobre DEUS, o fato permanece, 10% pertence ao DEUS dos céus.

Finalmente, nos vem aquele importante texto de Malaquias 3:8-11: “Roubará o homem a DEUS? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas. Com maldição sois amaldiçoados, por que me roubais a mim, vós, toda a nação. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma benção tal que dela vos advenha a maior abastança. E por causa de vós repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; e a vide no campo não vos será estéril, diz o Senhor dos Exércitos.”

Aí está, pessoas roubando DEUS!  Em um ano os registros do FBI revelaram que houve 111750 casos de roubos nos Estados Unidos e mais de 1.000.000 casos em que residências foram assaltadas. Mas isso é apenas uma ínfima fração da real e verdadeira gravura! Quantos milhões de membros de igrejas tem sido culpados do pior tipo de roubo –  ainda mais roubando de DEUS?  Provavelmente, nestas bases, existe mais ladrões dentro da igreja, do que fora dela. Em fato, não existe nenhuma dúvida a respeito disso. DEUS diz que se retemos os dízimos, estamos roubando Dele. Coincidentemente, voce já reparou no paralelo que existe entre dizimar os 10% e o décimo mandamento?  O mandamento contra a cobiça é o décimo mandamento, e o comando para dar 10% é o remédio de DEUS contra a cobiça.  A mais profunda razão para quebrar qualquer uma dessas leis Bíblicas é o egoísmo. O oposto do ego é o amor, e toda a obediência deveria ser baseada em amar mais a DEUS do que a nós mesmo.

Amor significa dar, como aprendemos em João 3:16: “Por que DEUS amou o mundo de tal maneira, que deu o Seu Filho Unigênito, para que todo aquele que Nele crer não pereça mas tenha a vida eterna.” Nós nunca estaremos aptos a sequer encostar perto deste amor em termos de intensidade e resignação, em que Ele ofereceu o Seu próprio Filho, mas nós deveríamos amá-Lo o suficiente para que a nossa oferta de 10 ou 50% de nossas posses não fosse contados como sacrifício. O desafio de DEUS, “prove-me” tem sempre produzido o mesmo resultado naqueles em que foram tocados por Sua palavra. A promessa literal e’que “lá não haverá espaço suficiente para receber tantas bençãos, quando estas são mandadas de volta para baixo, todas juntas e ransbordando.”

Nunca sub-estime as bênçãos e os benefícios em afastar-se deste negócio de ‘roubar’. Quando nós roubamos a DEUS, em realidade estamos roubando de nós mesmos. Porque com isso perdemos as bênçãos, as quais fazem parte de um “pacote” o qual chamamos obediência. Inacreditáveis promessas de proteção e prosperidade são feitas àqueles que junto em parceria com DEUS, participam deste fiel plano da dádiva. Os frutos de uma mordomia sem egoísmo, baseada no amor, são fantásticos para contemplar-se. “Prove-me”, diz o Dono de todas as coisas. Terá você a coragem de fazer o que é reto, aqui e agora, e fazer um pacto com DEUS comprometendo-se em ser um honesto mordomo das coisas divinas e administrar os dízimos e as ofertas da maneira a qual DEUS prescreveu nas Sagradas Escrituras?

Qual É o Valor Do Tempo?

A poucos dias atrás eu gastei 30 minutos de meu precioso tempo, esperando que o sapateiro terminasse de reparar meus sapatos, o que ele havía me prometido aprontar com bastante antecedência. Enquanto esperava, fiz alguns cálculos mentais, e cheguei a conclusão que o tempo que gastei esperando o concerto de meus sapatos, aqueles 30 minutos, valiam muito mais do que o preço que eu havía pago por aquele par de sapatos. Posso afirmar a vocês que os resultados de minha aritmética não aliviaram a minha frustração, um mínimo sequer, mas isso fez com que eu começasse a pensar mais a respeito do real valor dos minutos e das horas.

Infelizmente, nós equacionamos o valor do tempo com uma certa quantia de dolares e centavos, ou então (reais) se voce assim quizer pensar. Pessoas são pagas por uma certa quantia a hora, ou um certo salário mensal. Com base na assunção que uma pessoa ganha $10 dólares à hora, deixe-me tentar avaliar o real valor desses 60 minutos. A equação seria alguma coisa mais ou menos assim: 1Hr = $10.00.

Tendo traduzido a hora em dolar, e assumindo que o dinheiro é totalmente equivalente aos 60 minutos, nós podemos determinar o real valor de 1 hora, na medida em que nós podemos determinar o valor de $10.00.

Qual é o real valor desses $10.00 para a pessoa que trocou seu tempo por esta quantia? Que quantidade e tipo de benefício irá trazer para esta pessoa e qual será a contribuição para a qualidade de vida desta pessoa isso irá trazer? Se estes $10.00 adicionam mais felicidade, vida longa, e maior segurança, então nós teremos que concluir que o tempo gasto por este homem valeu a pena pelo valor pago em troca, até mesmo mais.

Mas vamos supor que estes mesmos $10.00 foram gastos para comprar bebida alcoólica, a qual leva as pessoas ao alcoolismo ou doenças decorrentes da bebida de álcool? Então ao invés de ter algum valor real, este dinheiro passa a ter um valor negativo e o tempo gasto para fazer jus a este dinheiro tem um valor negativo também, valendo menos do que nada! Em outras palavras, nosso tempo é válido somente pelo que nós podemos tirar dele com o dinheiro que nos é pago pelo nosso tempo. Se as coisas em que nós gastamos o nosso dinheiro resultam em melhor qualidade de vida, e um viver mais prolongado, uma vida mais feliz, nosso tempo pode ter um valor infinitamente maior do que qualquer quantia de dinheiro. Por outro lado, se nós gastamos nosso dinheiro em coisas que provocam doenças, baixam a nossa moral e impede-nos de receber vida eterna, então o nosso tempo tem um valor negativo.

Se este príncipio é verdade, o padrão que o mundo usa para avaliar o tempo está totalmente errado. Alguns homens, aos quais são pagos mais de $1,000.000 por ano estão usando sua riqueza para destruir seus corpos e mentes, e destruir suas percepções espirituais. A sociedade pode dizer o que quizer, mas estes homens estão perdendo seu tempo, porque eles estão desperdiçando o dinheiro que foi comprado com seu tempo.

A outros homens são pagos poucos dolares, mas eles investem estas poucas quantias em coisas que lhes trazem paz de espírito, ajuda-lhes a construir um forte caracter e moral, e lhes preparam para vida eterna – eles são as pessoas as quais seu tempo é realmente valioso; em verdade, mais valioso do que o mais alto salário pago ao mais alto executivo de qualquer grande corporação, o qual está usando de uma forma errada sua riqueza.

Voce consegue visualizar claramente em sua mente, de que o seu dinheiro representa o seu tempo? O que voce faz com seu dinheiro, então é o mesmo do que voce faz com seu tempo. Os benefícios tirados do seu dinheiro representam o real valor de seu tempo.

Pense sobre isso por um momento. Como voce está usando este dinheiro?  Está ele sendo investido em algum meio que lhe levará a uma felicidade segura e eterna? Está voce fazendo o possível para outros colherem as bençãos de DEUS e sua graça salvadora? Como resultado do uso de seu dinheiro, irão almas serem capazes de um regozijo eterno nos Céus?

A imprudente e esbanjadora maneira de tratar o dinheiro levará milhões a perder a vida eterna. Não somente os seus anos aqui nesta terra serão desperdiçados, como também o infindável tempo do porvir será jogado fora. Todo o dinheiro comprado em uma vida de trabalho não tem valor nenhum, a não ser que ele tenha contribuído para construir uma melhor e verdadeira maneira de viver, com qualidade de vida. Tristemente observamos como bilhões e bilhões de dólares são gastos em egoísmos indulgêntes, drogas, vícios de todos os aspectos e destrutivas atitudes. Quantas vidas desperdiçadas são representadas nestes desperdiçados dólares!

Muito se tem escrito a respeito de Howard Hughes, o ecêntrico milionário, de cujo o qual uma riqueza ilimitada foi a causa última de sua horrível e desumana morte. Desconfiado com todo o mundo ele acabou se isolando de seus amigos e da sociedade, com o medo de ser explorado por causa de seu dinheiro. Depois de sua morte, adicionais animosidades e egoísmos foram espalhados sobre aqueles que brigaram como animais para tomar conta de uma parte de sua herança.

Foi o tempo de Howard Hughes realmente importante e de real valor?  Seu tempo produziu dinheiro que produziu miséria, o qual finalmente lhe trouxe a morte. Não erre a respeito disso, seria melhor para o homem não ter nascido, do que viver para si mesmo e perder a vida eterna no final. É melhor para o homem seu um paupérrimo do que ganhar milhões os quais venham a causar a sua perda e a de outros.

Com o risco de me tornar redundante, Eu volto à questão: Como voce está gastando o seu dinheiro?  Os anos de sua vida estão empacados neste dinheiro. Dispor deste dinheiro é dispor dos anos de sua vida. Quando sua vida chegar ao fim, todos os anos de seu remunerado tempo será refletido no que voce deixou. Pode até ser pouco, mas é importante, porque isto representa o tempo todo que voce levou para adquirí-lo. Como voce valoriza este tempo?  Como voce avalia estes anos que tomaram quase toda a sua vida? A resposta para estas questões serão reveladas pela maneira com que voce trata de suas possessões. Se este dinheiro agora ministra suas mais profundas prioridades e necessidades, então o tempo que foi gasto para adquirir este dinheiro foi bem empregado. E se este dinheiro se tornou o veículo para alcançar almas para o Reino de DEUS, o valor do tempo para adquirí-lo está muito além de qualquer computação. Porque? Deixe-me ilustrar.

Se seu dinheiro pode ser usado para trazer nem que seja uma alma para Cristo, quanto valeria o tempo empregado para adquirí-lo?  Tente entender nesses termos: Uma alma salva para a eternidade viverá muito mais do que todos os anos combinados de todos as pessoas que viveram em todas as épocas, aqui na terra. Voce pode entender esse fato? Eventualmente a vida desta pessoa na eternidade irá sobrepujar o total de número de anos de todos os milionários, presidentes de corporações e de todos os líderes que viveram em todas as épocas deste planeta. E se estes milionários e estas personalidades não foram salvos, então o tempo desta redimida alma será muito mais valioso do que todo o tempo destes líderes combinado.

O que Eu estou dizendo é isso: dinheiro, sucesso, e tudo o que com isso vem, é menos do que nada, a não ser que  estas coisas sejam usadas com preparo para a eternidade, e para ajudar a outros se prepararem. Nosso tempo é importante, mas isto somente é importante na proporção dos benefícios eternais que derivam do   dinheiro que recebemos em troca do nosso tempo. Se nosso dinheiro é desperdiçado, nosso tempo desperdiçado para ganhá-lo também se foi pelo esgôto. Quão verdade é o que Jesus disse: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa de sua alma?” Mateus 16:26.

Até Cristo falou em troca. Existe um investimento em alguma coisa para ganhar outra. Nós trocamos o nosso tempo por dinheiro. Depois nós trocamos o nosso dinheiro – pelo que?  Por coisas que não se ajustam para o céu?  Se sim, nosso tempo bem como nosso dinheiro foi gasto e mal gasto e sem valor nenhum. Eu repito, seria melhor nunca ter nascido do que viver e morrer sem Cristo. Seria mil vezes melhor viver uma vida paupérrima do que ser um bilionário executivo do petróleo que ficou um degráu a menos da entrada dos céus.

Examine esta declaração cuidadosamente. O Cristão que teve uma vida paupérrima, teve que viver com necessidades físicas e negações e privações de toda a sorte, mas ele teve paz de espírito e prazer em seu coração. O homem rico viveu com todo o conforto do mundo, mas sua mente sempre esteve estressada e infeliz. Até mesmo se não existisse vida eterna depois da sepultura, o Cristão pobre teve uma melhor vida neste mundo do que o não-salvo bilionário.

Mas pense nestes dois homens em termos de eternidade. Por um Sextilião de anos mais do que o rico homem tenha vivido, aquele pobre remido irá viver em uma mansão mais magnificente do que o este rico homem jamais poderia imaginar. Quando seus anos finalmente excederem o total de anos de toda a população da terra, o salvo homem pobre estará na flor de sua radiante saúde e imortal juventude.

E o que será feito do homem que tudo teve?  (Bem… quase tudo! Para ele ficou faltando somente uma coisa – simples – a fé salvadora em Jesus.) O que irá acontecer a ele?  Momentos antes dele ser lançado no lago de fogo, ele terá a oportunidade de olhar através das paredes transparentes da ‘Nova Jerusalém’. Em total lembrança daquele momento, o miserável Midas irá reconhecer o quão vazia foi a sua vida, tê-la vivido sem DEUS. O tempo o qual lhe tinha valido milhões de dólares por ano será revisto em retrospectiva como um vão desperdício. O agonizante remorso daquele instante em eternidade sobrepujará a sua mente e constituirá o mais sensível e supremo castigo que qualquer ser humano terá que sofrer.

Agora, deixe-me perguntar-te algo, você não está agradecido pelo fato de que nós ainda estamos vivendo em uma época em que estas coisas ainda podem ser mudadas?  Eternidade está à porta, mas ainda nos resta um pequeno fragmento de tempo em que cada um de nós estaremos trocando minutos por dinheiro. Mas e depois?  O dinheiro será trocado por alguma coisa. Esta alguma coisa nos servirá para uma coisa ou outra, ou nos ajudará a qualificarmos para o céu ou será o veículo que nos conduzirá à nossa condenação. Qual dessas duas será para você?

Só mais uma importante verdade sobre o dinheiro: Desde que isso realmente é o equivalente ao tempo que você empregou para adquirí-lo, enquanto esta importâcia existir, sua influência poderá ser sentida no tempo. Até mesmo depois de sua morte, seu dinheiro estará representando horas, meses e anos que você levou para adquirí-lo. Muitos estão abdicando toda a responsabilidade sobre esta influência sobre este tempo depois que morrem. O resultado acumulativo de uma vida inteira é casualmente deixado em mãos de desinteressados parentes ou até mesmo de advogados inescrupulosos. Muitas vezes o dinheiro é até usado para por pra baixo ou muitas vezes até anular a causa para qual ele havia sido originariamente proposto pela pessoa que morreu. O tempo investido, em forma de dinheiro, agora se volta contra o investidor, e é empregado para destruir tudo o que havia sido planejado no decorrer de toda uma existência.

Todo o homem e toda a mulher deveriam de ter um testamento o qual pudesse proteger os seus interesses do tempo que eles investiram. Assim como eles não queriam que seu tempo fosse desperdiçado em vida, eles também não quereriam que seu dinheiro, representando o tempo gasto, fosse esbanjado após sua morte. Em designando em um testamento a exata forma de que sua herança deve ser dividida, o indivíduo pode garantir que sua influência será extendida no tempo. O valor daqueles investidos anos podem continuar a serem revelados através de benefícios espirituais deixados por sua herança, mesmo grande ou pequena.

Até mesmo aqueles os quais tinham medo de fazerem gastos ou estravaganças enquanto vivos, não precisam temer e corajosamente assinar, em testamento para ser executado após a morte, os frutos de seus investimentos de uma vida inteira.

Muitos tem um justificado temor em exaurir suas economias e tornarem-se dependentes de outros. Mas depois da morte eles não tem nada para temer. Eles podem alcançar para Cristo, o que as circunstâncias nunca permitiram enquanto eles ainda eram vivos. Almas ainda podem para o Reino serem ganhas. Seus meios podem preparar pessoas para os céus. Muito Cristão que nunca teve a experiência pessoal de ganhar uma alma para Cristo, irá encontrar almas no reino que lhes serão gratas pelas suas provisões, que mesmo após a sua morte, serviram de veículo para que eles pudessem ouvir e encontrar a verdade para a salvação deles.

Talvez voce agora se encontre nesta categoria. Voce não dá grandes quantias para a causa de DEUS por temer doenças futuras e custos hospitalares que requererão todas as suas economias. Voce espera pela vinda de Jesús e o evangelho ser proclamado em todo mundo, mas voce não tem a coragem de investir no cêsto que poderá ser sua única provisão contra uma urgente necessidade. Voce faz bem em proteger-se fazendo provisão para uma futura e eventual necessidade. Eu penso que DEUS quer que sejamos sábios em planejar para uma independência econômica e segurança. Mas, se através de Suas bençãos e proteção, estes fundos não forem necessários, eles podem ser redirigidos para alcançar e ganhar almas; mas somente por aqueles que fazem a cuidadosa e deliberada decisão com antecedência.

Muitas almas tem sido conquistadas para Cristo somente porque pessoas foram cuidadosas o suficiente, e designaram seus fundos para que continuassem a ajudar nesta causa após sua morte. Que emocionante isto será para aqueles dedicados Cristãos, na ressurreição dos justos, saberem do maravilhoso resultado de seus dedicados fundos, os quais continuaram a falar e exercer sua abençoada obra por muito tempo depois de sua partida.

09
May

É Pecado Sermos Tentado?

                                                                                                                                                                                                               É PECADO SER TENTADO?

 

 

@@FBC 1823, E Pecado Sermos Tentado?@@

 

É Pecado Sermos Tentado?

Copyright  1984 by
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved

Published under permission by:
COCONET-US, LLC. (Educational Department)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9782

 

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

É Pecado Ser Tentado?

 

Nenhum cristão, adulto, no mundo pode estar despreocupado sobre o traumático problema da tentação. Não existe um nível de idade quando  escolhas morais e perturbações de espírito não nos venha a afligir. Tentação pode nos atacar em diferentes pontos em diferentes aspectos, mas isto estará sempre com nós, na medida em que nós estamos na carne.

Quando eu era criança, anos atrás lá em Cruz Alta, RS, nós podiamos sempre dizer quando as frutas dos pomares de nossos vizinhos. Uma certa gang de meninos viznhos se arremetia contra esses pomares, e todo mundo dizia: “Já é tempo de novo, vamos lá”.  Agora,  demônios são muito mais espertos do que adolescentes e enquanto os frutos de nossas vidas estão amargos e verdes, eles podem deixar a gente em paz. Mas quando este fruto está maduro, todos os demônios repentinamente aparecem para tentar roubar isto de voce.

Isto quer dizer que as pessoas mais espirituais são as pessoas que estão mais sujeitas a sofrerem as mais severas tentações. Eles tem alguma coisa que Satanás gostaria de  estragar ou destruir. Àqueles cristãos que estão ‘fora de forma’, poderão escapar ilesos, com a pele lisa, mas os verdadeiros santos, estarão sempre em constante ataque.

Quer isso dizer que talvez seja um privilégio estar sob os constantes ataques de Satanás? Talvez sim. De certa maneira, isto é um complemento, ter ladrões querendo invadir a sua casa. Isto mostra que voçe pelo menos deve ter alguma coisa de valor dentro dela. E quando os demônios aparecem, isto pode querer indicar que  voce está bem espiritualmente, melhor do que nunca esteve antes.

Agora nós estamos preparados para darmos uma olhada em um dos mais atônitos textos da Bíblia. “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias  tenteções.” Aparentemente, os escritores da Bíblia estavam também convencidos de que tentação pode ser também uma boa coisa. No entanto o pensamento está em total conflito com toda a dolorosa experiência humana que temos em enfrentar a tentação. Muitas pessoas consideram ser isto um mal necessário, ainda que destrutivo em sua influência.

Nós certamente necessitamos entender que existe algumas qualidades redentoras  sobre sermos tentados. Primeiro de tudo, isso prova que temos moral à vista. Ninguém pode ser tentado a não ser que exista uma significante escolha a ser feita. Assuntos sobre o que é certo e o que é errado tem que ser claramente distinguídos. Pessoas que veem tudo no reino moral como um tipo de lusco-fusco opaco não podem passar através de qualquer grande batalha da mente.

Uma pessoa tem que ter uma especial consciência de bom ou mau, em ordem de ser tentada. Muitos modernos religiosos parecem ter somente uma pequena quantidade de conscência, o que pode respoder por esta falta de conflito espiritual. Que contraste com os grandes carácteres do passado, os quais parecem terem havido dramáticos téte-a-téte com o diabo. O confronto de Martinho Lutero com Satanás foi tão real que dele é reportado ‘ter jogado um tinteiro’ em seu tormentador. Voce então deveria ser congratulado se voce está sofrendo tentações. Isto certamente implica de que voce está vendo e discernindo a matéria corretamente. Mas agora agora vem a mais cruscial questão:  Depois de reconhecermos a verdadeira situação adiante de nós, teremos nós força para escolher o que é bom sobre o que não presta?  Paulo sentiu a urgência desta questão quando ele escreveu sua primeira carta à igreja de Corintos. Ninguém poderia estar em face de mais óbvia escolha do que aqueles poucos cidadãos cristãos de Conrintos. O mundo pagão da carne saltava em vívido contraste com o negar-se-a-si-próprio estilo de sua nova encontrada fé. Não existia dúvida nenhuma entre eles sobre o certo e o errado, e Paulo escreveu: “Não veio  sobre vós tentação, senão humana; mas fiél é DEUS, que vos não deixará  tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape para que podeis suportar.” I Corintos 10:13.

Este verso é rico em encorajamento inspirado para qualquer um que está se debatendo contra o mal reconhecido. O apóstolo admoestou contra o fazer excecção de nós próprio. Isso é muito fácil para nós dizermos que ninguém mais tem que fazer face ao inimigo do jeito que nós tivemos.  Nossos sofrimentos parecem ter sido mais severos e nossas batalhas mais árduas do que qualquer outro teve experiência. Paulo diz que isso simplesmente não é verdade, e nós não podemos nos permitir a pensar assim nem por um momento sequer. Isso é velho. Não interessa o quanto ou o que nós tipo de tentação tivemos, milhões e milhões já foram tentados da mesma maneira, muito antes de nós termos nascido.

O quanto nós gostaríamos de considerar que nossa situação fosse diferente da  dos demais! Isso nos provê uma muito inteligente racionalização, se por um acaso nós perdermos a batalha e cedemos à tentação. Se o nosso caso é diferente, DEUS não pode julgar-nos estritamente como os outros que tiveram um muito mais simples teste. O homem  de negócio consola-se a si mesmo, justificando que a sonegação de taxas não é usualmente a coisa certa a fazer, mas por causa que ele  sofreu muitos roubos, mais do que qualquer outro. E por outro lado, o governo o discrima sobre maneira, e os burocrátas do governo não largam o seu pé.” O marido XXXXXX justifica: “Meu problema  é único. Minha esposa é fria e não me responde, e ninguém entende as pressões que eu estou passando.”

Escreva isso: Quase todo o pecado terá como prefácio estas quatro palavras: “Eu sou uma execção.” Nós temos que constantemente lembrar a nós próprios que isso vem sendo a psicologia de Satanás que ele vem usando por mais de 6,000 anos. Tudo o que ele tentou na deserto foi tentar convencer a Jesus que Ele era diferente. Em todas as tres aproximações que Satanás fez à Jesus eram baseadas na idéia que Ele, como Filho de DEUS, poderia fazer coisas que ninguém mais poderia – tornar pedras em pãos ou pular do pináculo do templo sem se ferir.

 

PAPEL DA TENTAÇÃO

Agora Paulo rapidamente assegura-nos de que “DEUS é fiél, e que não irá permitir que sejamos tentados mais do que possamos suportar. Isto é uma segurança confortadora! Mas porque permitiria Ele que conflitos agonizantes viessem a engolfar seus escolhidos? Porque simplesmente não remover toda a tentação? A resposta é encontrada  em Tiago 1:2-4. “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações: Sabendo que o prova da vossa fé obra a paciência. Tenhoa, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma.”

Uma nova e satisfatória gravura começa a emergir desses versos. Tentação provê opotunidades para conquistas espirituais e crescimento.  Isto não é uma desgraça sermos tentados. Se não existir batalhas, não existirá vitória através de fortes decisões. Nem tampouco exitiria nobreza de carácter. Virtude é inocência tentada. Bondade não experimentada ou testada pode até não ser bondade. Eu Poderia  possívelmente sequestrar-me a mim mesmo em alguma caverna solitária e não cometer nenhum tipo de pecado exterior por uma semana interia pelo simples fato de que estaria recluso nesta caverna sem contato com pessoa nenhuma. Iria esta semana toda que passei na caverna provar alguma moral virtuosa de minha parte? Simplesmente não. Ser cristão não é somente a absência de um errado coportamento na vida; isso tem a ver com  a agressiva prática de virtudes positivas também. Minha vida na caverna pode provar mais do que eu realmente gostaria de provar. Eu poderia ser bom, mas  para nada! A pessoa que evita todo o tipo de tentação por evitar contacto com todas as pessoas, poderá não oferecer nenhum mal, mas nem tampouco fará algo de bom. Ele é moralmente anêmico.

Agora nós somos trazidos de volta à afirmação de Paulo de que DEUS irá “encontrará uma maneira de escape,  para que possa ser possível suportar isso.” Quer isso dizer que sempre haverá  uma fácil saída para qualquer tipo de tentação?  Não. Isso que dizer somente que em qualquer tentação moral que venhamos a sofrer, DEUS irá prover-nos de uma alternativa. Sempre existirá dois caminhos dirindo-nos para fora de qualquer tentação – um,  o fascinante caminho do mal; o outro, um apelativo caminho de bondade. Paulo esta dizendo de que somos dirigidos a duas direções, a cada momento em que somos tentados. E no mesmo tempo, nós somos tentados a irar-se, nós também somos tentados em nosso auto-domínio. Quando nós somos tentados a ser desonesto, nós também estamos sendo persuadidos a usar integridade.

Um menino estava parado dentro de um supermercado com suas mãos em um barril de maçãs, acariceando aquelas deliciosas frutas. Finalmente o dono do supermercado aproximou-se do menino e perguntou: “Hei rapaz, voce está tentando me roubar? Não respondeu o menino, Eu estou tentando não lhe roubar.” Nós facilmente podemos entender o que ele estava tentando dizer com aquela resposta. Todos nós nos deparamos com estas duas vozes e estas duas escolhas. Nós podemos não ter isso claramente analizado e definido, mas nós estamos realmente sendo tentados pela bondade como também pela maldade.

Aquele que reprime o impulso de roubar está expressando a virtude da honestidade. Aquele quer reprime o desejo de cometer adultério está simultâneamente expressando  a virtude  da pureza. O segredo é applicar este bonito princípio em nossas experiências diárias, assim que nós não vamos pela vida afora encarando tentações como um mortal inimigo. Em longo termo, nós podemos descobrir que as mais intrigantes e apelativa coisas são realmente boas coisas. Mr. D. L. Moody chamou uma certa maravilhosa colina de sua juventude como “A Colina da Tentação”, por causa ele dizia que um dia alguém não resistiria à tentação de construir uma igreja naquele colina. O suficiente certo, alguém não resisitiu a tentação e uma amável capela está lá naquela colina até hoje.

Agora, vamos dar uma olhada através destes dois caminhos que nos leva para fora de cada experiência da tentação. A tentação que faz o carácter nobre por não consentir que o errado prevaleca, irá fazer outro carácter ignóbel e repudiante se se permitir a cometer o errado ato. A lei da natureza humana decreta que nós nunca poderemos ser o mesmo depois que encararmos a tentação. Ou nós iremos alcançar a vitória e sermos fortes para a próxima que se nos apresentar no caminho, ou nós iremos ceder e seremos muito mais fracos para as que sucederem. Nosso carácter é construído ou destruído, dependendo dos rumos que a nossas escolhas foram feitas.

 

DEVERÍAMOS NÓS PROCURAR A TENTAÇÃO?

Será que isto provê a nós um tremendo argumento provar que a tentaçao possa ser uma boa coisa? Realmente, isso pode. Mas isso pode também ser abusado se nós não formos cuidadosos. Porque vitória pode fazer muito bem para nós, devemos nós sair em busca de desafios? Se tentação pode ser uma gloriosa oportunidade para desenvolver o nosso carácter, porque então nós não oramos assim: “Deixe-nos cair em tentação…” ao invés de “Não nos deixe cair em tentação…?” Alguns podem alegar que eles precisam uma injeção de força e saem a procurar suculentas tentações por aí, e assim obter a vitória e fortificar seus carácteres.

O que está errado com esta afirmação?  Exitste alguma convencedora resposta para isso?  Aqueles de nós que possuem a liberdade de escolha deveriam orar para que nunca  venham a fazer um mau uso deste dom e ser colocados em situação  our cirscunstâncias em que venham a ser testados além de nossa capacidade de resistência. O fogo, controlado dentro do fogão, é uma coisa de bastante utilidade, mas isso não é de muito proveito se fora de controle estiver no forro ou no porão de nossa casa. É muito melhor prevenir-nos do que nos encontrar em uma armadilha sem saída.

O fato é que nós interpretamos errado nossas próprias forças. Nós não entendemos nossos pontos fortes e nossas fraquezas. Por esta razão, ninguém é justificado em deliberadamente procurar por situação de deste. Nós não temos promessa nenhuma de  libertação em circunstâncias como esta. A Bíblia diz: “Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia de juizo, para serem castigados.” II Pedro 2:9.  De novo, DEUS promete: “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu ter guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que  habitam na terra.” Apocalipse 3:10.  Somente Ele é quem se qualifica para  para arranjar as circunstâncias de nossos testes. Ele permitirá um desenvolvimento em volta daqueles em que Ele sente em que estão em necessidade de desenvolver suas forças para resistir .

Todos nós temos nossos particulares pontos vulneráveis de carácter. Isto é tristemente verdade que existe momentos especiais em que nós estamos suscetíveis a sermos embraçados pelo inimigo. Satanás está muito bem sabendo a respeito desses momentos, quando nossa resistência atinge estes baixos níveis, e ele também entende nossas fraquezas individuais. Nós podemos estar certos de uma coisa – seus mais intensos ataques virá em um momento de nossa maior fraqueza e no mais fraco ponto de nosso carácter.

Que solene pensamento! Com este tipo de inimigo nós nunca podemos estar seguros em nossas próprias forças. Nós somos tão fortes como nos momentos de nossa maior fraqueza de nossas vidas. Nosso carácter é tão forte como o mais fraco dos elos de nossa força. Estes fatos para previnem de uma vez por todas de que nós podemos deliberadamente e cuidadosamente sermos testados para construir nosso carácter. DEUS tem que medir as tentações para nossas particulares necessidades e resistências, e ELE tem que constantemente controlar a força destas circunstâncias as quais testam nossa fé e experiência. Nesse tipo de tentação nós podemos nos regozijar, como Tiago nos admoesta para fazermos.

O PECADO COMEÇA NA MENTE

Um outro interessante fato sobre a tentação é que  isto sempre assalta a mente primeiro. Todo o pecado tem usa origem no pensamento, muito antes isto aparecer como um ato do corpo. Jesus disse:  “Porque do interior  do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as protituições, os homicídios, Os furtos, a avareza, as mandades, o engano, a dissolução, a inveja, a blafêmia, a soberba, a loucura.” Marcos 7:21, 22. Quase toda a categoria  de maldade é incluída nesta longa lista de pecados que fluem do coração. Paulo descreve paixão como: “…fazendo a vontade da carne e dos pensamentos.” Efésios 2:3 A texto grego mais apuradamente diz: “desejos dos pensamentos.”

Agora mesmo, nós temos que fazer alugumas cuidadosas distinções. Isto é muito importante entendermos que  desejo, em si mesmo, não é errado. DEUS atualmente tem colocado certos apetites e propensões em nossa natureza humana. Não tem nada errado com estes sentimentos na medida que eles são propriamente controlados e dirigidos. Isto inclue ambição, temperamento, sexo e todas as outras básicas disposições. O Errado vem somente de um jeito. Quando o desejo ultrapassa os limites e procura gratificação fora da vontade de DEUS, isto se torna paixão.

Todos os dias nós somos confrontados com fotografias, livros, palavras, etc… as quais são excitantes e apelativas para a mente. Isto é através destes estímulos emocionais que a mente é frequentemente presenteada com perversos desejos. A tentação para a paixão está presente, mas isso não é pecado. Na medida em que estes desejos não são gratificados ou satisfeitos eles não estão errados. Isto é somente quando a mente responde para estes desejos e recebe-os é que isto ( a tentação) passa a ser pecado.

Tiago descreve isto desta maneira: “Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concuspiscência. Depois, havendo a concuspiscência concebido, dá à luz o pecado: e o pecado, sendo consumado gera a morte.” Tiago 1:14, 15. Aqui o ato do pecado é comparado ao processo da concepção e reprodução. Assim como a abelha carrega o pólen de uma flor para outra, para fertilizá-la, assim também é o coração de cada indivíduo, aberto para introdução de maus pensamentos e desejos. Se estes pensamentos e desejos são alimentados e deixados germinar na carne, eles produzem a inevitável semente e posterior colheita do pecado, e finalmente a morte. Nossa única proteção é estarmos de guarda em todas as avenidas da alma e testarmos todos os pensamentos que por elas entram. Pela graça e poder de Cristo, todo o malígno desejo pode ser reconhecido e arrancado fora, desta maneira, não dando oportunidade de alojamento na mente tornando se um catalizador de paixões e pecado.

Isto toca um assunto que frequentemene se torna extremamente sensível. Quão fácil é dizer que nós podemos monitorar a nossa mente e arrancar qualquer mau pensamento que leva ao pecado. Mas pode o ser humano, mesmo em concerto com  Cristo, atualmente conquistar a tentação de armazenar pensamentos impuros?  A Bíblia diz SIM.  “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em DEUS, para destruição das fortalezas; Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de DEUS e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo.” II Corintos 10:4, 5.  Como é possível uma total vitória?  É isso alcançado através de oração, fé ou esforço pessoal? Basicamente, nós temos que concordar que este tipo de libertação só é possível através do irradiante e compartilhante Espírito de DEUS. Não existe força suficiente na carne que possa suportar os assaltos dos desejos malígnos. No entanto, vitória não é alcançada sem a nossa forte cooperação e ação mútua. DEUS não opera milagres para libertar aqueles que não usam a força que DEUS lhes deu para suportar e/ou  evitar o mal.

GUARDA AS AVENIDADAS DA MENTE

Denovo, nós somos trazidos de volta à questão do ‘convite à tentação’. O quão longe podemos nós irmos em proteger-nos da vulnerabilidade de pecar?  Jesús deixou um princípio bem claro para nós no Sermão da Montanha. “Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti, pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no ingerno. E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membors se perca do que seja todo o teu corpo lançado inferno.” Mateus 5:29, 30. Óbviamente Jesús não estava falando sobre a mão ou o olho literal. Alguém poderia violentamente destruir o seu corpo e continuar mais pecador do que nunca. Jesús estava falando da ocupação da mão e/ou no que o olho está focalizado. Se nós estamos no trabalho ou em qualquer situação física em que se abre as portas para a tentação, o conselho é: “corte isso fora.” Em outras palavras, livre-se de qualquer situação que lhe venha a atiçar a mente e dirigí-lo a pecar. O Mestre indicou que qualquer radical meio deve ser usado para evitar situações em que possam sobrecarregar a alma com pecados destruidores. Até mesmo posição de emprego deve ser abandonada ao invés de por em jogo a perda espiritual da vida eterna.

Se nós nos encontrarmos admirando alguma cena em que poderá intruduzir alguma ação ou pensamento pecaminoso, Jesús comanda-nos a tirar esta cena de nossa frente de qualquer jeito que seja possível. O termo “arrancar fora” trás a idéia de um ato extremamente rigoroso, se necessário.

Que persuasivo argumento contra este corrupto meio de comunicação de hoje em dia! O fascinante apelo da televisão  é provavelmente o mais poderoso encitamento do século XX. As palavras de Cristo tem uma mais explícita aplicação para aqueles que tem dificuldade em controlar esse box chamado televisão. O conselho de nosso Senhor: “arranque-o fora” é traduzido: atire-a fora, se os olhos continuam a serem ofendidos pelas provocativas cenas do tubo. Muito melhor, Jesús disse, é perder os educativos materiais que isso possa ofereçer do que perder a alma em olhar degradáveis programas que ela apresenta. Se a televisão não pode ser controlada, não facilite! Jogue-a fora!

Iria Jesús pedir que negássemos alguma coisa boa, porque uma pequena porção de poluídas idéias estaria envolvida junto com elas?  Sim. Isto é muito melhor sermos caretas, ou quadrados como o mundo chama – e termos uma ‘vida de um olho só’, do que levar uma vida cheia prazeres do mundo e perdermos nossa alma. “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.” Lucas 9:23. Dizer não para coisas desejáveis da carne é parte do discipulado de Cristo, se estas coisas apresentam uma tentação que provavelmente nos conduzirá a pecar.

que eu estou realmente dizendo é que até mesmo com uma mente espiritual, nós precisamos seguir o grande princípio básico de vitória contra a tentação. Existe lugares a serem evitados se nós queremos obter uma total vitória. Existe alguns devocionais requerimentos se nós queremos estar em total harmonia com Cristo. As avenidas da mente tem que ser guardadas se nós queremos derrotar o pecado na sua concepção.

Que tremenda  diferença isto faria, se todos pudessem entender claramente a prioridade colocada em uma mente pura. Satanás tem criado um deceptivo e artificial mundo da carne que apela para mente de todos os homens, mulheres e crianças. Somente em reconhecermos todas as farças e nos apropriarmos de todas as armas de guerra que Cristo nos dá é que seremos áptos a resistir as tentações e sermos vitoriosos.

 

NÃO CONFIDÊNCIA NA CARNE

Ainda que algumas pessoas pareçam estar aptas a resistir qualquer coisa a não ser tentação, outras  parecem quase que complacentes sobre o problema. Isto é possível haver uma mal-colocada confidência na carne e sua habilidade em tratar com a tentação? Paulo escreveu: “Aquele pois que cuida estar em pé, olhe não caia.”

Voce já notou que alguns dos mais improváveis individuos caem na armadilha dos mais improváveis pecados?  Isto frequentemente é o caso e que pessoas fraquejam justamente naqueles pontos em que ela se julga mais forte. Como é que isso acontece? Será que nós nos tornamos tão descuidados ao ponto de caírmos justamente onde nós éramos fortes?  Parece que sim. Não existe explicações inspiradas em como Moisés sucumbiu para a impaciência e a ira. A Bíblia nos apresenta Moisés como o homem mais manso que a terra já conheceu. Tal pessoa poderia se ater de qualquer outro tipo de tentação mas certamente não para a paixão. No entanto foi exatamente este o pecado que deixou Moisés de fora da terra prometida. Ele bateu com raiva na rocha ao invés de falar como DEUS lhe havia mandado. (Números 20).

A grande poder de Elias estava em sua coragem. Ele enfrentou sózinho toda as intrincheiradas forças de Baal no Monte Carmelo. Com uma incrível eloquência ele desafiou a qualquer um que se desviou do caminho de total obediência a DEUS. No entanto, imediatamente depois de seu bem sucedido desafio contra os profetas de Baal, ele fugiu como um covarde das ameaças da Rainha Jezabel. Isto estava tão fora do caracter deste Tisbita! Será que ele baixou a guarda na área de sua fabulosa resistência?

Abraão foi distinguído pela sua total confidência em DEUS. Ele é chamado o pai da fé. No entanto ele mentiu para o Rei do Egito, com medo de que sua esposa lhe fosse tomada. Porventura estes grandes carácteres da Bíblia não estão a demonstrar para nós dramaticamente como Satanás ataca os lugares onde somos mais vulneráveis em nossas vidas, onde temos falta de alerta? Ninguém deveria pensar  ser imune aos ataques de Satanás por causa de algumas demonstráveis virtudes que eles pensam ter.

Isto também é muito interessante notar que ninguém  pode realmente antecipar o resultado de resistência à tentação desde que isso usualmente aborda-nos pelo lado mais fraco de nossa resistência. Geazi viu as radiantes cores da capa do Capitão Ciro – não as cicatrizes da lepra a qual ele levaria consigo para sepultura. Acã viu a cobiçada forma e brilho da moedas babilônicas – não a fúria da nação que se levantaria a apredejá-lo. Judas não poderia ver passar o brilho daquelas moedas de prata para seu tenebroso remorso e suicídio.

Outra grande verdade sobre tentação, a qual deveria trazer corage para todos nós, é que muitas tentações cessam de nos trazer problemas na medida em que fazemos das boas escolhas nosso hábito.  Assim como nosso cérebro é programado para fazer o mal por  uma constante concessão a matérias que nos levam à derrota, assim isso também pode ser programado para vitória aravés de decisões fortes e escolhas certas. A maior parte de nossos terríveis pavores desaparecerão de experiência na medida que nossa natureza se ajusta ao programa de habitual vitória.

Alguém escreveu um artigo entitulado: “Não Decida Ir à Igreja”, o qual espalhou uma tremenda controvérsia. Mas a básica premissa do artigo era de que simplesmente não deveríamos debater sobre a decisão em atender à igreja. Assim como tambem nós não nos debatemos com a decisão de tres vezes ao dia obtermos as nossas refeições, assim nós não deveríamos nos debater com pesadas decisões de irmos à igreja todos os Sábados pela manhã. Repetição da prática, finalmente torna-se finalmente em uma automática resposta, e a tentação de estar longe ou fora da igreja passa a não existir. Assim isso pode ser também com muitas outras formas de tentação, quando usamos nossa vontade para estabelecermos padrões para nossos pensamentos e atos.

É voce algumas vezes tentado a não ler a Bíblia ou então de não orar pela manhã?  Provavelmente todo o Cristão já se deparou com esta tentação pelo menos uma vez em sua vida. É isso possível tirarmos nossa força desta particular tentação? Sim, isto é possível. Milhares de pessoas tem desenvolvido e estabelecido este tipo de padrão de uma meditação/devoção matinal que eles nem se preocupam em arranjar tempo para tal.  A tentação já não mais existe para eles. Eles tem seguido o conselho de Paulo, “Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem.” Romanos 12:21.

Até aqui, nós temos descobertos alguns dos psicológicos truques que Satanás usa para fazer pessoas cair em pecado. Nós temos também concluído que o pecado tem sua origem na mente, o que significa que alguma especial atenção tem que ser dada para proteger esta vulnerável presa dos ataques do inimigo. Nós temos sugerido o colocar de  guardas específicos na frente das avenidas da mente, para fechar e deixar do lado de fora os pensamentos e desejos suspeitos. Nós fortemente temos  recomendado o uso da vontade e força para dizer NÃO, aos caprichos da carne. Todos esses conselhos são bons, mas também são inúteis se uma verdade não é reconhecida. Agora nós iremos nos mover para o coração do problema da tentação/pecado.

A FORÇA DE UM POSITIVO “NÃO”

A força de dizer Não à tentação somente é possível para aqueles que tem recebido a mente de Cristo através da conversão. A mente carnal não tem escolha nenhuma sobre o pecado. Ela é de antemão completamente dominada e fadada à falha e à derrota. Todo o processo de opção, livre escolha e  decisão está centralizada na misteriosa matéria cinzenta do cérebro. Aqui é onde Satanás fez o seu primeiro ataque a Eva. Para fazê-la pecar. Satanás teve que influenciar a Eva para que abrisse sua mente para alguém outro que DEUS. E o único caminho que ele encontrou foi através da emocional avenida dos sentidos. A isso a Bíblia diz que: “E vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos,  e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, e comeu, e eu também ao seu marido, e ele comeu com ela.” Gênesis 3:6.

Por favor note que a serpente só seria capaz de corromper a mente de Eva através de coisas que ela olhasse ou então escutasse. Isso foi  a apelante beleza do fruto, somada ao hipnotizante som daquela bajuladora voz, que finalmente levou Eva à queda.

Marque isso: Somente por utilizar os caminhos que estão sob nosso cônscio controle que Satanás é capaz de corromper a mente. Em outras palavras, nós temos que consentir antes que qualquer ato de pecado possa ser cometido. Ninguém compeliu Eva para abandonar seu marido, caminhar até a árvore, escutar a serpente e comer do fruto. Todos os passos foram atos voláteis em resposta a algum apelo sensorial. DEUS havia colocado em Eva uma santa vontade e uma perfeita mente sem pecado. Mas ainda assim mesmo Eva escolheu desobedecer.

Nosso caso não é assim tão claro e simples. Nós não possuímos por natureza, o tipo de pura e não poluída mente que Eva possuía. Nós todos herdamos o fraco e comprometedor corpo e mente os quais a desobediência produziram em Adão e Eva. Em ouvindo Satanás e escolhendo obedecer a ele ao invés de obedecer a DEUS, Eva instantâneamente perdeu sua força em resistir tentação. Sua vontade se tornou fraca, e a lei do pecado passou a operar em seu corpo para produzir a morte. Por aquele único ato deliberado, ela para sempre sujeitou-se a ela bem como sua geração a seguir a uma vida cheia de sofrimentos dores e derrotas.

Não tivesse DEUS imediatamente introduzido o plano da salvação em Gênesis 3:15, toda a raça humana teria seguido o curso de Eva de uma vida voluntária ao pecado e teria morrido sem esperança. A prometida semente da mulher oferecia esperança para o home degenerado revertir o efeito do pecado que Adão e Eva cometeram. Através da morte de Cristo a sentença de morte poderia ser levantada e mente de inimizade poderia ser reposta pela mente de Cristo. “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesús. Filipenses 2:5.

Isto sería de uso nenhum lidarmos com o subjeto da tentação sem reconhecermos de que uma última resposta para este problema é uma espiritual entrega para Cristo. Todos os conselhos do mundo, e todo o conhecimento dos equipamentos do pecado seriam menos do que inúteis se mente não esta completamente entregue a Cristo.

 

AS TENTAÇÕES DO SEGUNDO ADÃO

Considere por um momento como Jesús fez o caminho de escape para todo aquele que aceitá-lo. Ele veio como o segundo Adão ao mundo, e encarou o inimigo exatamente como o primeiro Adão o havia encontrado. No entanto, é claro, isso não foi exatamente como Adão e Eva foram testados. Jesús não se deparou  com o inimigo em um amável jardim, rodeado de uma beleza infindável. Ele se debateu com Satanás na solidão do deserto. O primeiro Adão tinha acesso à toda e possível variedade de luxuosa alimentação, mas Jesús, o segundo Adão, foi espoliado e enfraquecido por quarenta dias sem comer ou beber.

O primeiro Adão enfrentou o tentador com a força de um corpo perfeito, sem uma mancha sequer da heredidariedade caída, Jesús abraçou a humanidade para si depois que  4.000 anos de pecados estava aqui nesse mundo a enfraquecer a raça humana. Ele aceitou toda a desvantagem da hereditariedade e as desvantagens que o pecado impôs sobre os decendentes físicos do primeiro Adão.

Ninguém nunca irá entender a natureza daquela contenda no deserto. Satanás tinha uma expectativa antecipada com relação a este confronto, por anos, se não por séculos. Naquelas tres penetrantes tentações ele tinha combinado toda a psicológica experiência que sua mente poderia prover. Em efeito, Satanás apelou para as mesmas básicas emoções humanas, as quais tinham destruído o primeiro Adão –  apetite, presunção e posição. Mas, Graças a DEUS, o tentador não encontrou uma coisa sequer em Cristo que pudesse responder às suas tentadoras ofertas.  O Segundo Adão, totalmente desarmou e derrotou o diábo nas mesmas áreas em que ele tinha sido tão bem sucedido contra o primeiro Adão.

Nós precisamos esticar as nossas mentes em um esforço para compreender esta verdade. Porque o Grande Criador-DEUS, Criador do universo concordou em submeter-se à indignidade daquela experiência?  Não tinha Ele já provado a Sua força sobre o diábo, quando Ele o expulsou dos céus?  Porque que Ele, colocou-Se voluntariamente em tal e terrível desvantagem no meio de outro conflito com Satanás?

A resposta é simples. O diábo havia roubado a Obra-de-Arte da  criação de DEUS. O homem, o qual DEUS amou, havía sido sequestrado pelo inimigo, ainda mesmo que concordando, havia sido preso em captividade. Duas coisas aconteceram naquele dia em que Adão foi conquistado por Satanás. Primeiro, ele e seus descedentes imediatamente cairam sob a irrevogável sentença de morte a qual DEUS havía pronunciado sob a transgressão de Sua lei. Segundo, total natureza moral  tornou-se traumatizada e degradada pelo pecado que isso nunca sería possível para Adão ou sua posteridade se abster ou se ver livre do pecado novamente.

Voce consegue ver o problema?  O que poderia DEUS fazer para liberar as criaturas que Ele amava tanto, da desvastadora consequência de seus pecados? Eles estavam condenados a morrer e eles haviam rejeitado a força de obedeçer. Satanás estava triunfante. Ele argumentava que o próprio DEUS não conseguia trazer o homem de volta sem trocar a Sua lei ou comprometer a Sua justiça. Pelo menos Satanás havia encontrado uma maneira de provar e justificar os ataques que ele havia pressionado contra DEUS. Na presença dos santos anjos ele havía acusado DEUS de não ser justo, que requeria uma impossível obediência.

Agora ele se vangloriava todo com dilema de DEUS, na medida que seus ataques pareciam provar serem verdadeiros. O homem, aparentemente não poderia obedecer. Agora DEUS, ou deixaria o homem morrer em seu pecado, ou então alterar  Sua lei, ou aceitar o transgressor em seu Reino. – Assim Satanás argumentava.

Deus enfrentou este problema com uma incrível estrategia, que nenhum demônio ou homem poderiam nem sequer imaginar. Satanás estava estupefato pelas suas implicações. Brevemente, isto involveu a DEUS o tomar o lugar do homem aceitando a punição da morte por ele. Nem a lei nem a sentença por quebrá-la foi modificada.

Em ordem para morrer pelos pecados do homem, DEUS deveria tomar sobre Si a natureza que estava sujeita à morte. Divinidade não poderia morrer. Jesus aceitou a inexplicável condição  de ser nascido nos perdidos, e condenados descentes da família de Adão. Na incarnação, DEUS não somente proveu  para Sua reconciliante morte como também refutou os argumentos de Satanás de que o homem não podedira viver sem pecar. Em ordem para que Ele pudesse fazer uma demonstração que ficasse sem resposta pelo lado de Satanás, Jesús submeteu-Se a Si mesmo às mesmas limitações humanas de qualquer filho de Adão. Ele foi tentado em todos os pontos que nós somos tentados. Mas no entanto Ele superou completamente a todos os pontos, usando a mesma força divina que está disponível e acessível a cada um de nós. Ele foi total e completamente DEUS, mas foi também totalmente homem. Em enfrentando estas tentações, Ele voluntariamente restringiu-Se aos mesmos recursos espirituais que estão disponíveis ao homem de hoje. Dessa maneira Ele esmagou a mentira de Satanás que a obediência para humanidade era impossível.

 

TODAS AS COISAS PERDIDAS SÃO RESTAURADAS

Com uma vida de perfeita obediência atrás dEle, Jesús entregou sua vida para satisfazer a penalidade da lei violada. Sua morte e ressurreição lhes deu total e final autoridade para reverter a terrível devastação que a humanidade vestia pela vitória de Satanás sobre Adão. Agora Jesús tinha em Suas mãos tudo o que o homem possivelmente necessitar para ser restaurado ao Edênico plano de perfeição e santidade. Ainda que isso Lhe tenha custado um preço infinito para obter, Ele ofereçeu tudo isso como um presente, de graça, para todos os que desejam recebê-lo.

O que Ele teve que oferecer?  Livramento da sentença de morte através de Sua própria assunção da culpa e penalidade, crédito para uma perfeita vida de obediência, através de Sua imputada justiça , e vitória na carne sobre toda e qualquer tentação que Satanás possa elaborar.

Muitos que tem prazerosamente recebido os dois primeiros presentes tem estado temerosos de  aceitar o terceiro. Porque deveríamos nós hesitar em sermos uma exibição para DEUS? Em recebendo  Seu poder de vitória sobre a tentação, nós provemos a reinvidicação do propósito original de DEUS, e expomos as blasfêmicas mentiras de Satanás pelo que elas realmente são.

Por agora, Satanás detém tenasmente a temporária posição de regente deste mundo. Ele olha em desesperação na medida que Jesús e o Espírito Santo quebram as barreiras do pecado para libertar multidões de seus captivos. A força da carne é quebrada e subjugada toda a vez que o Eu se rende para Cristo. Tentação perde a sua força quando ELE entra na vida. Por uma decisão, agora mesmo, vitória é assegurada. O segundo Adão era para libertá-lo desta  velha natureza pecaminosa do primeiro Adão. Ele quer voce mude famílias. Não existe esperança para nós superarmos a tentação a não ser que nós saiamos desta derrotada família, que está morrendo, do primeiro Adão.

Jesús oferece a cada um de nós a vitória que ele venceu sobre Satanás na carne. Nós poderiamos duvidar desta dádiva se Ele não tivesse obtido esta vitória com a mesma natureza que nós possuímos. Ele quer entrar agora em sua vida e viver esta mesma vida vitoriosa, dia após dia.

Uma de minhas estórias favoritas tem a ver com Augustine, o qual teve sua juventude marcada por licensiosidades e imoralidades que não podem ser descritas aqui. Como homem jovem, ele foi varrido por uma poderosa corrente de emoção por duas mulheres em sua vida. Como uma ovelha desgarrada, Augustine procurava estar perto de sua bondosa mãe, Mônica; e depois era arremessado para o lado de uma dissoluta mulher que parecia o ter preso em uma irresistível atração maligna. Mesmo tendo as orações de sua mãe, Augustine continuava o curso de uma vida miserável. Algumas vezes ele era atraído para pelas justas intruções de Mônica, sua mãe, mas depois, a má influência da outra mulher lhe pegava de volta. A batalha foi longa e terrível.

Mas depois, veio um glorioso dia quando em seu jardim, Augustine foi convertido através de uma misteriosa voz dirigindo ele a Romanos 13:13, 14. Quando ele leu este texto, as escamas caíram de seus olhos, e ele correu apressadamente a contar as boas novas à sua mãe. Ela ficou em um deleite supremo com a dramática mudança de seu filho.

Enquanto caminhando pelas ruas de Carthage no próximo dia após sua conversão, Augustine avistou a mulher que havia sido sua compania de pecados. Elas estava vindo em sua direção e não existia maneira de evitar o encontro. Sem reconhecer a sua presença, Augustine passou por ela sem falar uma palavra sequer. Ela parou sem entender e acreditar no que estava vendo, e depois correu em direção a ele em estado de fúria. Pegando em seu braço ela gritou,  “Augustine! Augutine! Sou eu.” Ele parou em seu caminho, olhou para ela, e disse: “Sim, mas este não sou eu.” Depois ele caminhou rua abaixo e para fora da sua vida para sempre.

Augustine falou a verdade aquele dia porque realmente ele era uma nova pessoa. Isto é somente na força do segundo Adão que nós seremos capazes de dar as costas à tentação. O pecado perde o seu apelo para àqueles que amam a Jesús Cristo e tem feito suas decisões em servir a Ele ao invés de a si próprio.

Satanás não terá problema nenhum em superar os filhos do primeiro Adão. Ele derrotou o pai, e da mesma forma irá manipular os filhos. Mas por outro lado, ele não terá sucesso nenhum e não encontrará caminho para conquistar àqueles que se aproximam à fortaleza do segundo Adão.

Esta é a maneira de escape que é prometida para aqueles que receberão isto. Jesús simplesmente repassa para Seus filhos espirituais a vitória total a qual ele venceu sobre Satanás, enquando aqui Ele viveu sua natureza, a natureza carnal de nós humanos.

Este é o coração da materia. Sob esta força os cristãos usam o seu rendido  desejo de estilo de vida o qual evita as escondidas armadilhas da tentação. Ambos fatores são muito importantes em obter a vitória – tendo Cristo no coração e evitando a presunçosa situação de tentação. Possa DEUS guiar-nos em aplicar estes pricipios espirituais em nossa própria experiência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

09
May

É o Domingo Realmente Sagrado?

 Joe Crews
All Rights Reserved

Published under permission by:
COCONET-US, LLC
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9782

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

            É O DOMINGO REALMENTE SAGRADO?

Uma das mais bonitas orações de David está registrada em Salmos 43:3. “Envia a tua luz e a tua verdade, para que me guiem e me levem ao teu santo monte, e aos teus tabernáculos.”

Esta mesma fervorosa petição para entender a Palavra de DEUS deveria estar no coração de cada um que realmente está em busca da verdade. Uma predisposição para aprender e obedecer tem que caracterizar todos aqueles que expectam ser iluminados pelo Espírito Santo. A tais, a maravilhosa promessa da santificação será cumprida. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos.” Mateus 5:6.

Mas isso não faz nenhuma diferença, e não nos traz nenhum regozijo, orar pela verdade, se nós não temos nenhuma intenção de obedecer, quando DEUS responder nossas orações.  Um dos grandes favores que DEUS pode nos honrar é dar-nos o conhecimento de Sua Palavra. E uma das maiores presunções que o indivíduo pode ter é orar por entendimento quanto à vontade Divina e depois se recusar, por qualquer razão que se possa apresentar, quando a resposta vier.

Muitas pessoas são culpadas em colocar a Bíblia p’ra baixo, para poder combinar suas pobres e fracas experiências, ao invés de trazer suas experiências para cima para que possam combinar com os requerimentos da Palavra de DEUS. Existe somente um grande e ácido teste da verdade, e este é a Bíblia. Todo pensamento religioso, todo livro que lemos, e todo sermão que nós ouvimos deveriam ser medidos pela infalível regra inspirada das Sagradas Escrituras. Isto não interessa o que nos foi ensinado, quando ainda éramos crianças, ou o que a maioria está seguindo, ou o que nosso emocional sentimento nos leva a pensar ou crer. Estes fatores são perfeitamente inválidos como teste de absoluta verdade. A última questão tem que ser respondida: O que a Palavra de DEUS fala sobre o subjeto?

Algumas pessoas pensam que se eles são sinceros no que eles acreditam, DEUS irá aceitá-los e salvá-los. Mas sinceridade sòzinha, não é o suficiente. Uma pessoa pode ser sincera, e estar sinceramente errada. Eu me lembro uma vez, eu estava dirigindo para West Palm Beach, na Flórida, a alguns anos atrás. Pelo menos eu pensei que estava indo p’ra lá. Era de noite, e eu não via sinais na estrada por algum bom tempo já. De repente, as luzes do carro iluminaram um sinal que dizia:

“Belle Glade 14 milhas”. Frustrado, eu me dei conta que estava viajando ao oposto da minha meta, a qual era West Palm Beach. Eu estava numa estrada errada. Ninguém poderia estar mais sincero do que eu naquela noite, mas eu estava sinceramente errado. Eu poderia ter continuado, dizendo, bem pode ser que daqui a pouco, de alguma maneira eu possa encontrar uma maneira de chegar em West Palm Beach. Mas eu parei o carro, dei meia volta e voltei ao lugar aonde eu havia pego a estrada errado, e desta vez tendo me certificado que havia pego a rota certa, comecei a dirigir-me ao locar o qual eu estava dirigindo para; West Palm Beach. Esta era a única coisa certa a fazer.

 

MENTES FECHADAS
E A 
REGRA DA MAIORIA

A Palavra de DEUS, tem muito a dizer àqueles que concordam em ser corrigidos. As pessoas a serem as mais contemplativas são aquelas com mentes fechadas. Eles irão resistir a qualquer informação a qual não combine com as suas pessoais opiniões. Suas mentes já estão feitas e eles não querem ser aborrecidos pelos fatos. Isto é especialmente verdade concernente ao subjecto do Sábado.

Multidões tem herdado opiniões sobre o dia a ser observado semanalmente, e eles acham isso muito difícil, olhar objetivamente a qualquer outro ponto de vista. Muitos deles sabem que um dos Dez Mandamentos requer a guarda do sétimo-dia da semana. Eles também sabem que o sétimo dia da semana é o Sábado. Mas no entanto eles tenazmente seguem a tradição de observar um dia diferente daquele que DEUS comandou. Eles guardam o domingo, o primeiro dia da semana, pelo qual não existe nenhum comando Bíblico.

Porque eles fazem isso? A maioria dos que guardam o domingo tem simplesmente aceitado a prática de religiosidade da maioria em sua comunidade, onde eles foram crescidos, assumindo que isto tem que estar certo, desde que a grande maioria está fazendo isso. É isso uma segura razão?  Tem a maioria usualmente estado certa em questões religiosas?

A Bíblia claramente responde estas questões negativamente. Toda a fonte disponível de informação revela que em questões religiosas, pelo menos, a maioria sempre tem estado errado. O próprio Jesus disse: “E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem.” Lucas 17:26. Somente oito pessoas entraram na arca para serem salvas do dilúvio. Cristo ensinou que somente uma comparável pequena multidão seria salva no final dos tempos, no fim do mundo. Ele disse: “Entrai pela porta estreita; porque  larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos sãos os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, poucos há que a encontrem.” Mateus 7:13, 14.

Isto é bem verdade, que a grande maioria dos cristãos hoje, incluindo muitos famosos evangelistas e teólogos, estão guardando o domingo ao invés do Sábado do sétimo-dia. Este fato sòzinho, não deveria impressionar muita gente. Pego por ele próprio sob a luz das palavras de Cristo, isto deveria levantar uma bandeira de aviso. Verdade nunca foi popular com as massas. E aqueles, em maioria hoje, como em todas as idades passadas, realmente não estão procurando por verdade, o muito que estão buscando é uma suave, fácil e confortável religião a qual permita a eles viver do jeito que eles queiram viver.

O que então deve ser o teste da verdade do Sábado?  Somente uma coisa, e uma coisa somente – a Palavra de DEUS. Desafortunadamente, milhões nunca estudaram a Bíblia por eles mesmo, nesse subjecto. Eu proponho que nós testemos a prática da guarda do domingo desse grupo majoritário para verificarmos se isso é correto. Se isso é correto e Bíblico, então todos nós deveríamos aceitar isso e fielmente guardar todo o domingo. Mas se isso não é suportado pelas Escrituras, então nós diligentemente deveríamos pesquisar nas Escrituras até nós encontrarmos o dia o qual o nosso Senhor endorsou para nós guardarmos.

A mais honesta maneira que eu sei para abordarmos esse subjecto é olhar em absolutamente tudo o que a Bíblia diz a respeito do primeiro dia da semana. Existe somente 8 textos no Novo Testamento os quais fazem qualquer referência ao domingo, e em cuidadosamente estudando estes versos, nós poderemos estar certos de que todas as evidências para considerações estão diante de nós. Se existe alguma autoridade Bíblica para guardar o domingo, o primeiro dia da semana, seguramente iremos encontrar em um desses 8 versos.

Estamos nós aptos a encarar as consequências desse tipo de estudo exaustivo? Aqui é onde a nossa capacidade de julgar será testada! Podemos nós abrir completamente nossas mentes, não interessando o que este estudo objetivo irá nos revelar?  Estas não são perguntas capiciosas. Pessoalmente, eu não me importo que dia será encontrado ser Sábado. Se a Bíblia ensina isso, eu com o maior prazer irei guardar, não interessa ser; segunda, terça, quarta, ou domingo. A muito tempo atrás eu decidi ser cristão e seguir a Palavra de DEUS não importando o lugar que ela me levar, não importando os meus sentimentos. Isso não faz diferença nehuma para mim o dia que eu guardo como santo, conquanto este seja o dia que esteja comandado na Bíblia! Eu espero que voce se sinta da mesma maneira na medida que nós começamos nossa pesquisa de toda e qualquer referência no Novo Testamento a quais mencionam o primeiro dia da semana.

 

RESSURREIÇÃO
NO DOMINGO

Vamos começar com o primeiro Evangelho. Mateus escreve:  “E, no fim do Sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro.” Mateus 28:1. Aqui nós temos uma prova bem interessante de que o Sábado não podia ser o primeiro dia da semana. De acordo com este registro, o Sábado estava terminando quando o primeiro dia estava começando. Eles são dois sucessivos dias. Com base nas Escrituras, ninguém poderia, verdadeiramente chamar domingo de Sábado. Isso seria ambos, não-Bíblical e confuso.

A substância do testemunho de Mateus é simplesmente que as mulheres vieram no dia que se seguia a Sábado e não mais encontraram a Jesus, pois Ele já havia ressussitado. Isso perfeitamente se harmoniza com o próximo Evangelho, o qual adiciona alguns novos detalhes. Note que Marcos equaliza o “anoitecer com o aparecimento do sol.” E, passado o Sábado, Maria Madalena, e Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem ungí-lo. E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro, de manhã cedo, ao nascer do sol; E diziam umas às outras: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro? Marcos 16:1-3.

Esta descrição paralela do Evangelho limpa qualquer comum erro de interpretação que possa ter aparecido sobre o significado das palavras de Mateus; “… e no fim do Sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana… .”  Alguns têm interpretado isso como sendo um pouco antes da entrada do sol, Sábado de tarde. Desde que os Hebreus reconhecem e tem estabelecido o fim do Sábado como à entrada do sol, eles assumem que as mulheres vieram justamente antes do primeiro dia começasse a aparecer, no pôr-do-sol.

Aqui nós vemos o valor de comparar texto contexto. As palavras de Marcos fazem impossível o ponto de que as mulheres vieram Sábado à noite e encontraram a tumba vazia. As mesmas mulheres são relatadas como vindo ao nascer do sol, domingo pela manhã, mas elas estavam perguntando; “Quem irá remover a pedra? Obviamente, se elas estivessem estado lá na noite anterior e descoberto a tumba vazia, então elas saberiam que a pedra já havia sido removida da entrada da tumba. Dessa maneira, nós podemos entender claramente que Mateus está se referindo à madrugada de domingo, justo antes do sol nascer, domingo de manhã.

A terceira referência que encontramos no Novo Testamento sobre o domingo, é simplesmente uma narrativa de afirmação feita em Marcos 16:9, “ E Jesus tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demônios.” Não necessitamos de muito comentários aqui, visto que o verso está somente repetindo a mesma história da ressurreição, domingo pela manhã bem cedo. O importante a notar é que nada foi dito com relação a este dia nestes textos referenciando ser ele um dia para guardarmos. Não existe nenhuma intimação de ninguém observando o dia em honra à ressurreição.

 

LOCALIZANDO O
VERDADEIRO SÁBADO

Uma das mais completas palavra dando uma gravura da ressurreição, nós encontramos no Evangelho de Lucas, e aqui nós lemos a quarta referência com relação ao primeiro dia da semana. “Esse (homem – José de Arimatéia), chegando a Pilatos, pediu o corpo de Jesus. E, havendo-o tirado, envolveu-o num lençol, e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto. E era o dia da preparação, e amanhecia o Sábado.” S. Lucas, 23:52-54.

Antes de irmos adiante com nossa leitura, vamos examinar cuidadosamente a inspirada descrição deste dia da crucificação. A vasta maioria dos cristãos concordam que estes eventos transpiraram no dia que nós chamamos hoje como Sexta-Feira Santa. Aqui ele é chamado como dia da “preparação”, porque era hora de fazer arranjamentos para o Sábado que se aproximava. Em fato, o texto afirma simplesmente que o “Sábado vinha se aproximando.” Isso quer dizer que ele (o Sábado) era o próximo dia que se aproximava.

O que mais aconteceu naquele dia em que Jesus morreu? “E as mulheres, que tinha vindo com ele da Galiléia, seguiram também e viram o sepulcro, e como foi posto o seu corpo. E, voltando elas, prepararam especiarias e unguentos, e no Sábado repousaram, conforme o mandamento.” Lucas 23:55, 56. Durante o resto daquela sexta-feira fatídica aquelas devotadas mulheres compraram os óleos, unguentos e especiarias para fazerem um preparado para usarem quando elas fossem para a sua visita de domingo pela manhã à tumba. Depois, à medida que o Sábado se aproximava com o pôr-do-sol, eles “descansaram no dia de Sábado, conforme o mandamento.”  Isto identifica a este dia, como sendo o específico Sábado semanal dos Dez Mandamentos e não o “Passover” ou algum outro sábado de festas, o que poderia cair em qualquer dia da semana.

O próximo verso fala do que as mulheres fizeram no dia em que sucedeu ao Sábado. “E no primeiro dia da semana, muito de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado. E acharam a pedra resolvida do sepulcro. E, entrando não acharam o corpo do Senhor Jesus.” S. Lucas 24:1, 2.

Primeiro de tudo, notamos que as mulheres voltaram às suas tarefas diárias no dia da ressurreição. Modernas igrejas referem-se àquele particular dia como sendo o domingo de páscoa. Não existe nenhuma dúvida de que Jesus tenha ressuscitado algum tempo durante aquela madrugada do primeiro dia. Em nenhum dos pontos citados nos Evangelhos nós temos qualquer evidência de que as mulheres ou qualquer uma outra pessoa tenha atachada qualquer ato sagrado com relação ao dia da ressurreição.

A descrição de Lucas com relação àquele cheio fim-de-semana, prova acima de qualquer questão de que o verdadeiro Sábado do Sétimo-dia pode ser precisamente localizado. Ele descreve a sequência dos eventos sobre os três dias sucessivos – Sexta-feira, Sábado e Domingo. Jesus morreu no dia da ‘preparação’, (sexta-feira) e o Sábado estava se aproximando. Cristãos referem-se a este dia, atualmente como (sexta-feira santa). O próximo dia foi Sábado, “de acordo com o mandamento”. Desde que o mandamento planamente designa que “O Sétimo-dia é o Sábado do Senhor”, o Sábado tem que ser o sétimo-dia.

Isto é muito interessante notar, que Jesus descansou na tumba durante o dia do Sábado, deste seu trabalho de redenção do homem. Ele tinha também descansado de seu trabalho da criação, no sétimo-dia.

No dia que se seguiu ao Sábado, Jesus ressuscitou. Hoje este dia é referido como sendo domingo de páscoa, mas a Bíblia designa este dia como “primeiro dia da semana.” Na luz destes indisputáveis e históricos fatos e evidências, para os quais toda a cristandade o subscreve, ninguém pode alegar ignorância com relação ao verdadeiro Sábado. Isto é o dia entre o dia da “preparação” e o “Domingo de Páscoa.” Os registros de Lucas, em tal perfeita ordem cronológica destes três dias, não deixa nenhuma dúvida, até o mais simples e educado, pode localizar o sétimo-dia Bíblico em nosso calendário atual.

Agora nós estamos prontos para examinar a quinta afirmação do Novo Testamento com relação ao domingo. “E no primeiro dia da semana Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro.” Existe muito pouco a ser acrescentado na declaração de João com relação à ressurreição. Como todos os outros escritores ele não dá indicação nenhuma de que o primeiro dia da semana foi alguma vez considerado santificado, guardado como santo, por qualquer que seja. Até agora o significante e comum traço em todas as histórias do Evangelho tem sido uma total absência de tal evidência.

 

POR MEDO DOS
JUDEUS

João menciona o “primeiro dia” novamente em algum outro capítulo, e isso tem frequentemente sido mal-interpretado como referência à adoração no domingo. “Chegada pois à tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco.” S. João 20:19.

Ainda que esta reunião tenha acontecido atrás de portas fechadas, no mesmo dia da ressurreição, foi esta uma especial comemoração daquele evento?  As circunstâncias fazem isso ser impossível que venha a ser o caso. O texto explica planamente que eles estavam se reunindo às portas fechadas, “com medo dos Judeus.” Os amedrontados discípulos já sabiam que a tumba estava vazia, eles tinham a expectativa de serem momentâneamente considerados culpados em terem roubado o corpo de Jesus. Eles se reuniram às portas fechadas para proteção e seguridade.

O fato é que eles não acreditaram que Jesus havia ressuscitado dos mortos. O relato de Marcos revela que eles totalmente rejeitaram o testemunho de Maria e dos outros discípulos que trouxeram a palavra de que atualmente tinha visto o Senhor ressurreto. “E partindo  ela, anunciou-o àqueles que tinham estado com ele, os quais estavam tristes, e chorando. E, ouvindo eles que vivia, e que tinha sido visto por ela, não o creram. E depois manifestou-se noutra forma a dois deles, que iam de caminho para o campo. E, indo estes, anunciaram-no aos outros, mas nem ainda estes creram. Finalmente apareceu aos onze, estando eles assentados juntamente, e lançou-lhes em rosto a sua incredulidade, e dureza de coração, por não haverem crido nos que O tinham visto já ressuscitado.” Marcos 16:10-14.

Baseado nestas palavras, nós temos que passar quietamente sobre este embaraçoso ‘domingo à tarde’ reunião naquela sala fechada. Isso não foi uma ocasião para uma irefreável e deleitosa manifestação de felicidade sobre a ressurreição, como alguns tem caracterizado isso. Em fato, lá não existiu até mesmo um reconhecimento por parte dos discípulos de que um milagre havia acontecido, Jesus havia ressuscitado. Eles estavam temerosos, chorosos, depressivos e não acreditando. Quando Jesus apareceu para eles, Ele falou fortes palavras de reprensão por causa da falta de fé por parte dos discípulos e por causa que eles tinham rejeitado o testemunho de seus próprios companheiros. Quão inapropriado é fazer desse acontecimento um serviço memorial honrando a ressurreição!

Até aqui nós já analizamos cuidadosamente seis das oito referências encontradas no Novo Testamento sem encontrar nenhuma singular evidência de observância ao domingo como dia sagrado. Em fato, todos os textos revelam uma consistente, total ignorância de qualquer reconhecimento do primeiro dia da semana para adoração, oração, culto, descanso ou em honra à ressurreição. Os evangelhos foram escritos muitos anos após o evento transcorrido, dando ampla oportunidade para o Espírito Santo inspirar os autores com todos os fatos. Jesus falou a Seus discípulos que o trabalho deste Espírito era para “…Guiá-los em toda a verdade… .”Se a observância do primeiro-dia tivesse sido parte qualquer da verdade, então o Espírito Santo deveria ser divinamente obrigado a revelar isto a Mateus, Marcos, Lucas ou João. Assim disse o Senhor.

Agora nós voltamos às duas restantes referências. Se nós não encontrarmos nenhuma evidência nestes textos, nós teremos que abandonar a pesquisa, porque não existe lugar nenhum mais para procurar. Paulo e Lucas são as finais testemunhas que mencionam o primeiro dia da semana, e ambos tem sido totalmente mal-interpretados no que eles disseram.

 

NÃO EXISTIA GUARDA DO
DOMINGO EM CORINTHOS

Em I Corintios 16:1, 2 Paulo Escreveu: “Ora, quanto à coleta que se faz para os santos, fazei vós também o mesmo que ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade, para que se não façam as coletas quando eu chegar.”

Por favor, note cuidadosamente o que o apóstolo disse e o que ele não disse também. Muitos tem assumido que uma reunião religiosa teve efeito e que a coleta foi retirada. Este não é o caso. Paulo estava escrevendo um especial apelo às igrejas da Ásia Menor, porque muitos estavam sofrendo grandemente por falta de comida e necessidades diárias, em Jerusalém. Paulo apelou à igreja de Corinthos que arrecadassem comida, roupas, etc…, e que guardassem isso em suas casas até que ele pudesse mandar homens para transportar o arrecadado para Jerusalém. A expressão “Lay by him in store” no original Grego dá a clara conotação de colocar de lado, em casa. Até os advogados do domingo concordam com isso.

Lá não existiu serviço nenhum que se realizasse no primeiro dia da semana. A arrecadação e guarda do arrecadado era para ser feita naquele dia. Porque Paulo sugeriu que este trabalho fosse executado no domingo, e o que envolvia em ter esse serviço realizado?

Primeiro de tudo, a carta provavelmente foi discutida com a igreja no Sábado, quando eles estavam todos juntos reunidos para o culto de adoração. A primeira oportunidade para executar o trabalho seria o próximo dia – o primeiro dia da semana. Tenha em mente, que aparentemente havia uma grande falta de comida em Jerusalém, e a primeira necessidade não era por dinheiro. Tais condições não eram raras de acontecer naquela região, como Lucas relembra-nos em Atos 11:28-30. “E, levantando se um deles, por nome Ágabo, dava a entender, pelo espírito, que haveria uma grande fome… . E os discípulos determinaram mandar, cada um coforme o que pudesse… .”A igreja em Roma dá uma dica com relação às necessidades especiais para aqueles cristãos sofredores “Mas agora vou a Jerusalém para ministrar aos santos. Porque pareceu bem à Macedônia e a Acaia fazerem umam coleta para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém. Isto lhes pareceu bem, como devedores que são para com eles. Porque se os gentios foram participantes dos seus bens espirituais, devem também ministrar-lhes os temporais. Assim que, concluído isto, e havendo-lhes consignado este fruto, de lá passando por vós, irei à Espanha.” Romanos 15:25-28.

Aqui o apóstolo toca um sensível local em seu eloquente apelo. Os cristãos Romanos deviam um grande débito de gratidão à igreja mãe de Jerusalém a qual havia mandado mestres para evangelizar eles. Paulo urge que eles retornem bens carnais ou materiais como presente de sua apreciação pela verdades espirituais que eles receberam deles. Que tipo de dádivas Paulo tinha em mente?  Isto é bem interessante que ele descreve isso como selando para eles “este fruto.”  A palavra original no Grego, usada aqui é “karpos”, o que é o universal termo usado para a fruta literal. Isso pode também ter a conotação de “frutos do labor de alguém.”

Isso atira luz ao conselho de Paulo aos cristãos de Corinthos para o trabalho deles no primeiro dia da semana, “assim não tenha arrecadação quando eu venha.” Tal trabalho de arrecadação e guarda de produtos dos pomares e dos campos certamente não é um trabalho apropriado para ser executado no Sábado. Nestes versos, domingo é identificado novamente como um dia de secular atividades e não nos dá indicação nenhuma de observância religiosa.

 

O MAIS LONGO
SERMÃO DE PAULO

Isto nos traz à final referência a qual poderia prover qualquer suporte para a Santidade do domingo. Na história de Lucas sobre a igreja primitiva, ele descreve a dramática reunião de adeus a qual Paulo teve com os crentes em Tróia. Este relato no livro de Atos tem sido distorcido grandemente por aqueles que buscam uma pequena desculpa para justificar sua desobediência dos Mandamentos de DEUS. Por causa que este é o único registro no Novo Testamento de uma reunião religiosa no primeiro dia da semana, nós deveríamos examinar este texto com especial cuidado e interesse.

O contexto total revela-nos que esta foi uma reunião noturna. “E, depois dos dias dos pães asmos, navegamos de Filipos, e em cinco dias fomos ter com eles a Troas, onde estivemos sete dias. E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e alargou a prática até à meia-noite. E havia muitas luzes no cenáculo onde estavam juntos. E, estando um certo mancebo, por nome Êutico, assentado numa janela, caiu do terceiro andar, tomando de um sono profundo que lhe sobreveio durante o extenso discurso de Paulo; e foi levantado morto. Paulo, porém, descendo, inclinou-se sobre ele e, abraçando-o disse: Não vos perturbeis, que a sua alma nele está. E subindo, e partindo o pão e comendo, ainda lhes falou largamente até a alvorada; e assim partiu. E levaram vivo o mancebo, e ficaram não pouco consolados. Nós, porém, subindo ao navio, navegamos até Assôs, onde devíamos receber a Paulo, porque assim o ordenara, indo ele por terra.”Atos 20:6-13.

Existe alguma coisa nada de normal com esta (toda a noite) reunião em Troas. Primeiro de tudo, isto tinha que ser solene, tocante ocasião tanto para o orador como para a congregação. No verso 25 Paulo declarou: “E, agora, na verdade, sei que todos vós, por quem passei pregando o reino de Deus, não vereis mais o meu rosto.” Atos 20:25.

Isto é óbvio que esta reunião de despedida foi realizada na noite do primeiro dia da semana. Existia luzes no salão, e Paulo pregou até à meia-noite. Isto é importante entender a maneira Judia de reconhecer o tempo. Os dias não eram contados de acordo com o método da Roma pagã, de uma meia-noite até outra meia-noite. Na Bíblia o dia começa ao anoitecer. Gênesis descreve todos os dias da criação da mesma maneira – “E foi tarde e manhã e o primeiro dia…. e foi tarde e manhã e o dia segundo, … etc, “. Em outras palavras, a noite sempre vem primeiro no dia.

Isto explica porque o Sábado é descrito nestas palavras: “Sábado de descanso vos será; então afligireis as vossas almas; aos nove do mês à tarde, duma tarde a outra tarde, celebrareis o vosso Sábado.” Levítico 23:32. Mas quando começa a noite segundo a Bíblia?  “E, tendo chegado a tarde, quando já se estava pondo o sol, trouxeram-lhe todos os que se achavam enfermos, e os endemoninhados.” Marcos 1:32. Considerando que os Fariseus ensinavam que era pecado curar no Sábado, as pessoas esperavam até que o Sábado acabasse para trazer os seus doentes para Jesus. Assim eles traziam eles “à noite quando o sol já tinha entrado.” Moisés escreveu, “Senão no lugar que escolher o Senhor teu DEUS, para fazer habitar o seu nome; alí sacrificarás a páscoa à tarde, ao pôr do sol, ao tempo determinado da tua saída do Egito.” Deuteronômio 16:6.

Em Neemias nos é dado outra descrição sobre o começo do Sábado. “Sucedeu pois que, dando as portas de Jerusalém já sombra antes do Sábado, ordenando-o eu, as portas se fecharam; e mandei que as não abrissem até passado o Sábado, e pus às portas alguns de meus moços, para que nenhuma carga entrasse no dia de Sábado.” Isto definitivamente coloca os primeiros momentos do Sábado ao entrar do sol, quando então começa a escurecer.

Agora nós estamos preparados para aplicar este profundo princípio Bíblico à reunião de Paulo no primeiro dia da semana, em Troas. Os preparativos para esta reinião requeriam que ela fosse realizada Sábado à noite. O Sábado havia acabado no pôr-do-sol, e o primeiro dia da semana havia começado. Paulo, que já havia ficado uma semana completa, assim ele poderia estar com o povo no Sábado, decidiu não ir com o navio aquela noite de Sábado. Ao invés, ele se congregou com a irmandade durante toda a noite e caminhou 36 Kilômetros através da península, no domingo pela manhã para se juntar com a tripulação do navio em Assôs.

Incidentalmente, este navio estava sendo comandado pela companhia missionária de Paulo, incluindo Lucas que fez a crônica detalhada dos mais importantes tópicos desta jornada. Isto é muito significante que eles não partiram sem que o Sábado houvesse acabado, isto é depois do pôr-do-sol. Trabalhar extenuadamente para içar velas e navegar não teria sido mais próprio para o dia de repouso do que a caminhada de paulo através da península, de 36 quilômetros no domingo pela manhã. Nem Paulo nem seus amigos de viagem se engajariam nestas seculares atividades no Santo Dia do Senhor, o Sábado.

 

PORQUE ÊUTICUS CAIU
DA JANELA NA IGREJA?

A nova tradução Inglesa da Bíblia, atualmente afirma que esta reunião aconteceu Sábado à noite. O focus chefe da história parece centralizar-se na ressurreição de Êuticus dos mortos, depois que ele caiu da janela. O corajoso Paulo, após ministrar durante o Sábado inteiro, e depois à noite de Sábado também, caminhou trinta e seis quilômetros no domingo pela manhã para juntar-se aos seus companheiros em Assôs. Eles permaneceram no navio enquanto ele navegava pela península, Sábado à noite, depois que o pôr-do-sol havia passado. Aquela longa jornada a pé, por Paulo no próximo dia teria sido totalmente inapropriada em qualquer tipo de dia santo.

Alguns tem equalizado a quebra do pão com o serviço de comunhão, mas tal interpretação não pode ser suportada pelas Escrituras. Lucas assegura-nos que aqueles cristãos primitivos quebravam o pão diariamente. “ E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração.”Atos 2:46.

A contenção que Paulo celebrou a Santa-Ceia com os crentes na sala de cima não pode ser confirmada pela Bíblia. As palavras, isto sim, parecem indicar que eles tiveram uma refeição comum, que repartiram entre todos. “E subindo, e partindo o pão e comendo, ainda lhes falou largamente até à alvorada; e assim partiu.” Atos 20:11. Aqui nós  encontramos que comer estava associado com o partir de pão. Isto é muito improvável que a comunhão fosse refereciada desta maneira.

Mas mesmo que esta reunião de despedida tivesse incluída a celebração do sofrimento e morte de Cristo, isto não poderia emprestar nenhuma credencial para a observação do domingo. Nós já vimos dos escritos de Atos 2, que a quebra do pão era feita diariamente e em lugar nenhum é a Ceia do Senhor conectada com qualquer particular dia. Isto é certamente óbvio para qualquer um que a reunião de Troas não foi uma regular reunião semanal de adoração. A importância daquela ‘noite inteira’de sermão aparece no miraculoso levantar do jovem Êuticus, e tambem pelo fato de que Paulo nunca mais os veria de novo, antes de sua morte. Este particular espaço de tempo – todo a noite de Sábado –  não tem espiritual significado nenhum. Lucas, o historiador meticuloso, não registra nem o conteúdo do maratônico sermão de Paulo, no entanto ele fielmente registra o milagre da ressurreição do jovem. Aparentemente isto foi o jeito que Êuticus caíu e não o dia em que ele caíu é que Lucas está procurando estabelecer.

Nós temos agora completado uma intensiva examinação de cada um de todos os textos referenciados no Novo Testamento com relação ao primeiro dia da semana. Nenhum deles ofereceram a menor evidência que domingo foi alguma vez santificado por DEUS, ou celebrado pelo homem. O grande e infalível Livro-teste de DEUS tem revelado que a maioria está seguindo uma tradição em vez da verdade. Milhões tem sido enganados em uma cega aderência a um vazio símbolo pagão.

Eu me lembro de uma história de um C’zar da Rússia, que certa vez, caminhando pelo jardim do palácio, pela manhã. Ele avistou um soldado com seu fuzil no ombro, marchando para cima e para baixo, próximo de um corner deserto do jardim. Ele perguntou ao soldado, que aparentemente estava de sentinela, guardando aquele expecífico lugar, o que ele estava guardando. O soldado respondeu que ele estava apenas cumprindo ordens de seu superior e que não sabia o porque que ele estava guardando aquele particular lugar. O C’zar perguntou ao Capitão da guarda o que o soldado estava fazendo, mas o ele não tinha a menor idéia também. O general responsável pela segurança do palácio foi consultado, mas ele não pode dar nenhuam razão para tal procedimento. Finalmente o rei ordenou uma busca nos empoeirados registros militares, e o mistério foi dissolvido. Há muitos anos atrás, a rainha-mãe havia plantado algumas rosas naquele corner do jardim, e um soldado foi designado para proteger as tenras flores de serem arrancadas pelos visitantes. Mais tarde, alguém se esqueceu de revogar a ordem, e diariamente um sentinela era designado cuidar daquele particular lugar, este ritual se seguiu por muitos anos através dos tempos –  soldados com seus fuzís guardando nada, mas um vaso vazio num lugar vazio do jardim.

Hoje existe milhões de cristãos sinceros que estão religiosamente tentando proteger a santidade do domingo, não se dando conta que lá não existe realmente nada para ser guardado. A santidade do primeiro dia da semana é simplesmente vazia como era o vaso de rosas que o sentinela estava protegendo. Jesus disse: “… Toda a planta, que meu Pai celestial não plantou, será arrancada.” Mateus 15:13.

 

O DIA QUE ELES
GUARDARAM

Agora que nós exaurimos todas as possíveis fontes para a guarda do domingo sem encontrarmos a menor evidência favorável, vamos dar volta e dar uma olhada na inspirada história da igreja primitiva. Se eles não guardavam o primeiro dia da semana, qual dia ele observavam então? O livro de Atos estabelece um consistente padrão da guarda do Sábado do sétimo-dia. Em uma ocasião Paulo foi solicitado pelos gentios a realizar um  exclusivo serviço a eles no Sábado. “ E, saídos os judeus da sinagoga, os gentios rogaram que no Sábado seguinte lhes fossem ditas as mesmas coisas. “E, despedida a sinagoga, muitos dos judeus e dos prosélitos religiosos seguiram Paulo e Barnabé, os quais, falando-lhes, os exortavam a que permanecessem na graça de DEUS.” Atos 13:42-44.

Existe alguns pontos muito interessantes nesses dinâmicos versos os quais validam a prática do Sábado de Paulo e seus amigos cristãos. Depois de pregar na sinagoga, onde os gentios não eram permitido entrar, Paulo foi cercado pelos gentios e esses imploravam a Paulo que pregasse para eles “no próximo Sábado”. Muitos dizem que Paulo somente pregava nas sinagogas aos Sábados, porque ele já tinha uma audiência de judeus prontos, esperando. Esta é uma falsa alegação. Porque neste particular caso, Paulo fez um apontamento para pregar aos gentios no ‘próximo Sábado’, e de acordo com o verso 43, muitos daqueles que ouviram o sermão eram “prosélitos” na fé. Isto quer dizer que eles eram conversos ao cristianismo, e Paulo e Barnabás “persuadiram eles a continuar na graça de DEUS.”

Quão interessante é isso que a adoração do Sábado aqui falada, no contexto, referencia-se a continuar na graça de DEUS!

Modernos críticos do Sábado, tentam colocar um rótulo nos guardadores do Sábado como legalistas os quais estão alienados da graça do evangelho. Não é assim com os escritores da Bíblia, que associam obediência com a verdadeira salvação pela fé.

Em Atos 16:13 nós temos uma positiva prova que Paulo guardou o Sábado até mesmo quando não existia sinagoga e não existia judeus. Ele estava ministrando na Grécia, onde havia somente um pouco de judeus espalhados e não existia nenhuma sinagoga. O que fez ele no Sábado? “ E no dia de Sábado saímos fora das portas, para a beira do rio, onde julgávamos ter lugar para oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que alí se ajuntaram.”

Até mesmo sem igreja para ir, o apóstolo procurou um lugar aonde o serviço religioso pudessse ser realizado – um lugar para orar junto ao rio – e pregou para os que foram lá. Certamente ninguém pode falhar em dicernir a determinação profunda de Paulo com relação ao Sábado na medida que nós o seguimos nesta não usual missão ao ar livre. Somente suponha esta Macedônica experiencia tivesse sido realizada no primeiro dia da semana ao invés do Sábado. Sem questionar isso poderia ser citado como evidência  absoluta para a adoração no domingo, e nós teríamos que concordar. Mas que possível argumento pode alguém apresentar contra este exemplo de Paulo na guarda do Sábado?

De novo, nós lemos sobre a prática costumeira de Paulo nestas palavras: “ E Paulo, como tinha por costume, foi ter com eles; e por três Sábados disputou com eles sobre as Escrituras.” Atos 17:2.  “E todos os Sábados disputava na sinagoga, e convencia a judeus e gregos.” Atos 18:4.

Finalmente nós citamos o grande testemunho pessoal do apóstolo Paulo que ele nunca teve o domingo como santo e nunca guardou este dia em toda a sua vida. Um pouco antes de sua morte, Paulo fez esta enfática declaração aos líderes judeus: “ E aconteceu que três dias depois Paulo convocou os principais dos judeus e, junto eles, lhes disse: Varões irmãos, não havendo feito eu nada contra o povo, ou contra os ritos paternos, vim contudo preso desde Jerusalém, entregue nas mãos dos romanos.” Atos 28:17.

Pense por um momento! Se Paulo alguma vez tivesse quebrado o Sábado deliberadamente, ou guardado um outro dia que não fosse o sétimo-dia ele não poderia ter declarado verdadeiramente que ele não havia feito nada contra os costumes judáicos. Na força de uma qualificada declaração por um homem de uma tremenda integridade nós fechamos a pesquisa pela autoridade de guarda do domingo na Bíblia, isto simplesmente não está lá.

Tivesse nós sido capaz de encontrar isso, nossas obrigações religiosas deveriam sem sombra de dúvidas serem muito mais fáceis de serem preenchidas. Nós teríamos o suporte e exemplo da maioria das grandes instituições religiosas da terra, ambas, Protestantes e Católicas.

Mas nós não estamos procurando pela mais popular ou mais coveniente maneira, nós estamos procurando pela maneira da Bíblia. E nós encontramos isto. Com toda a honestidade, nós temos que declarar que o costume que prevalece de guardar um dia diferente do qual a Bíblia ensina, na grande lei escrita com o dedo de DEUS, é totalmente contrário à Palavra, a qual finalmente irá julgar-nos. Não existe quantidade de popularidade ou maioria de opinião que possa anular o peso do testemunho de um cristalinoAssim diz o Senhor”.  Nós temos que  tomar o partido da Bíblia e a Bíblia sòmente para nossa doutrina nesse subjecto.

A Palavra de DEUS declara, “O sétimo-dia é o Sábado do Senhor teu DEUS: nesse dia não farás nenhuma obra… .” Êxodo 20:10.  Até nós encontrarmos alguma indicação na Bíblia que DEUS retirou esta moral lei que Ele introduziu para o mundo com tal fanfarra, demonstração de força e grandiosidade, nós iremos aceitar os Dez Mandamentos como continuando em vigor, atuando em toda sua força atualmente. DEUS disse o que Ele estava pensando, e Ele pensou no que Ele disse.

Alguns argumentam que DEUS livrou-nos da guarda do quarto mandamento porque isto é impossível guardar nos dias em que vivemos, nesta competição da sociedade industrializada em que nós temos que lutar pela sobrevivência. Isto é sem dúvida verdade que Satanás tem manipulado o mundo econômico para uma distinta desvantagem para os que guardam o Sábado, mas DEUS nunca requereu o impossível de nós. Isto é, nunca será necessário quebrar um dos mandamentos  por qualquer razão que possa acontecer.

Você poderá dizer, “Mas meu patrão requer que eu trabalhe aos Sábados, e eu não posso deixar minha família morrer de fome.” A resposta para este dilema foi dada a muito tempo atrás por Jesus, no Sermão da Montanha. Ele disse: “ Mas buscai primeiro o reino de DEUS, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mateus 6:33. O verso que precede a este, explica o que são ‘estas coisas’, como sendo comida, vestuário e trabalho. Jesus simplesmente está dizendo que se existir conflito entre obedecer Ele ou obedecer ser patrão, nós deveríamos pô-Lo, sempre, em primeiro lugar. Considerações materiais deveriam nunca serem consideradas mais importantes do que fazer a vontade de DEUS.

Em todos os casos DEUS honra a fé dos cristãos que decidem guardar o Sábado, não importando o que possa acontecer com o seu trabalho. Muitas vêzes DEUS opera milagres por fazer alguns arranjamentos especiais para os que guardam o Sábado. Em alguns casos Ele permite que seu filhos percam o trabalho para que dessa maneira eles sejam testados, e abre outras melhores oportunidades em resposta de sua fé. Mas as “coisas” são sempre adicionadas quando nós acreditamos e obedecemos à Sua vontade, independente das circunstâncias.

O real segredo em guardar o Sábado do Senhor é ter O Senhor do Sábado em nossos corações!  Isto é o amor que leva os filhos de DEUS escolher a morte do que desobedecer nem que seja um de seus mandamentos. Jesus disse: “ Se voce me ama, guarde os meus mandamentos.” João 14:15. O apóstolo João define o amor nessas palavras: “ Porque esta é a caridade (amor) de DEUS, que guardamos os seus mandamentos.” I João 5:3.

Assim, isto não é muito uma questão de dia, mas de via – pela via da obediência através do amor, ou pela via da desobediência através da falta de amor. Marque isso bem, e nunca se esqueca! A guarda do Sábado, até mesmo a guarda do verdadeiro Sábado do sétimo-dia, é uma operação fútil se isso não proceder de um coração cheio de amor e devoção  a DEUS. Sem amor, toda a guarda da lei, se torna mecânica e miserável, mas com amor, todo o mandamento se torna um prazer e deleite. Faça desse tipo de relação pessoal as bases de sua guarda do Sábado, e este será o seu dia mais feliz da semana, pelo resto de sua vida!

 

09
May

É Mais Fácil ser Salvo, ou se Perder?

Registred 1980 by:
José Crews (Amazing Fact)
All Rights Reserved

Published under permission by:
COCONET-US, LLC – (Departamento educacional)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9782

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

É mais Fácil ser Salvo  Ou Se Perder?

Parece muito apropriado que a palavra dinamite é uma transliteração da palavra dunamis do grego que significa poder. Esta nao é uma palavra estranha para os que são estudantes da Bíblia. É um dos adjetivos coloridos usado na Bíblia para descrever o evangelho de Jesus Cristo. Paulo escreveu, ” Porque eu não estou envergonhado do evangelho de Cristo: para isto é o poder (dunamis) de Deus para a salvação de todos os que acreditam; para o judeu primeiro, e também para o grego “. Romanos 1:16

Como poucos cristãos têm uma verdadeira compreensão do poder explosivo do evangelho que eles professam tão ligeiramente! Se as palavras de Paulo forem verdades, então todo o mundo que possui o evangelho também deveria ser enchido de tremendo poder. Mas é esse o caso? Infelizmente, as vidas de incontáveis membros da igreja estão flácidas, suaves, e estão miseravelmente comprometidas. Em vez de um poder vibrante lá parece aparece o desânimo e a derrota. O que está errado? Estas pessoas realmente acreditam no evangelho ou não? E por que a dinamite está perdendo a força, tão obviamente nas vidas deles/delas?

A resposta deve ser muitos deles/delas não acreditam o que eles professam verdadeiramente. Ou então, eles foram ensinados um falso evangelho. Alguns dos maiores problemas espirituais de hoje estão arraigados em um engano do evangelho. O fato triste é que milhões não têm uma verdadeira compreensão do que é disposto pelo evangelho, e o que é suposto que faz para eles. Inadvertidamente de suas providências cheias, eles tropeçam junto, enquanto reivindicando o que a fé fraca deles/delas pode cercar. Em vez de festejar à mesa de banquete de Deus, estas pessoas juntam farelos de debaixo da mesa que apenas provê força bastante somente para sobreviver.

Eles se parecem muito com os ” herdeiros ” perdidos de que nós ouvimos falar tanto. Através de toda a América milhões de dólares são empilhados em bancos, que esperam pelos seus verdadeiros donos tomarem posse do dinheiro. Na maioria dos casos, os herdeiros são desavisados da riqueza que legalmente pertence a eles e que só espera a demanda deles/delas e recepção. Mas estes milhões não são nada comparado às riquezas espirituais que ainda não reclamadas por esses cristãos que não reconhecem o próprio afluxo ilimitado deles/delas. Sem nenhuma razão, excepto pelo próprio fracasso abismal deles/delas para reivindicar as verdadeiras posses deles/delas, a maioria dos cristãos professos estão vivendo em pobreza miserável e uma terrível fraqueza espiritual.

SATANÁS NÃO TEM NENHUM PODER
SOBRE OS FILHOS DE DEUS

Você sabe por que estes milionários estão vivendo igual a uns paupérrimos? Porque eles permitiram ao diabo intimidá-los. Ele mentiu para eles a respeito de um dos mais básicos privilégios deles. Nós precisamos desmascarar a Satanás e expor as falsas reivindicações que ele faz relativo à autoridade dele. Satanás gostaria que nós acreditássemos que ele tem controle ilimitado sobre este mundo e todos seus habitantes. Isso não é verdade. Ele não é o mestre das Filhos de Deus e não tem nenhum poder sobre os santos de Deus. Onde o Cristo vive e reina, Satanás treme e foge pela vida dele, DEUS É mais FORTE QUE SATANÁS. Esta verdade gloriosa tem que encher nossas mentes em uma garantia constante. Não me entendam mal. Satanás é poderoso. Nós temos tudo vistos o incrível, escravizando influência que ele exercita na vida de um pecador. Mas quando o Cristo banir o diabo daquele pecador e controles a vida dele, o poder para bem é longe maior que o mal. Se há mais poder em Cristo que há em Satanás, então há mais poder em graça que há em pecado. Jesus não é da mesma maneira que forte outro como o mal de d, a guerra entre eles poderia terminar dentro um puxe ou um standoff. Mas, agradeça Deus, o Cristo já ganhou a batalha e o Satanás é agora mesmo um inimigo derrotado.

Isto nos conduz à conclusão jovial que o Christian tem alguém ajudando mais forte ele seguir o Jesus que o pecador tem o ajudando a seguir o Satanás. Este fato glorioso deveria dar tremendo conforto a toda criança de Deus. Também levanta uma pergunta muito interessante. Se nós temos tal um defensor poderoso aceso nosso lado que deseja nossa salvação que está correto também concluir que é mais fácil ser economizado que ser perdido? Antes de qualquer resposta lisonjeira ser feita àquela pergunta, nós precisamos considerar os dois aspectos principais de salvação. É muito importante entender se a pergunta relaciona a se tornar um Christian ou permanecer um Christian.

Nós gostaríamos de acreditar que porque o Cristo é mais forte que o Satanás, Ele facilitaria o processo inteiro de salvação para as crianças dele. Ainda, nós experimentamos a luta dolorosa de primeira mão com ego tomando a decisão para seguir o Jesus. Havia uma batalha titânica entre a carne e o Espírito, e o Satanás explorou toda fragilidade humana buscando nos segurar na escravidão de pecado. É duvidoso que até mesmo uma alma conceda que é mais fácil se render completamente a Cristo que continuar vivendo depois da carne. Satanás parece ter centenas de atrair allurements para fazer isto difícil de quebrar longe dos modos do mundo.

Além disso, o diabo tem uma vantagem em cima de Deus nisso que ele pode mentir, e faz coisas se aparecer precisamente oposto do que eles realmente são, Ele pode fazer pecado se aparecer irrepreensível e bonito. A natureza caída de homem, com sua tendência poderosa pecar, tem um natural curvado para coisas que são más. E até mesmo depois de conversão, as ilusões e decepções de Satanás pode atrair àquela mais baixa natureza. Isto significa que os cristãos constantemente devem estar no alerta para ataques sutis ou oblíquos de um inimigo muito inteligente.

 

O MODO DO TRANSGRESSOR É DURO;
NÃO O MODO DO OBEDIENTE

Isto significa que estará desencorajando para seguir o estilo de vida Cristão? O molestamento de tentação fará isto miserável viver para Cristo? Pelo contrário nós podemos descansar na garantia resolvida que nós estamos no lado premiado da grande controvérsia. Ele isso é para nós é maior que ele isso está contra nós. Não é que encerrando notícias boas? A experiência de conversão transforma a mente e vai em uma verdadeira fortaleza espiritual. Daquele centro de controle o espírito santo exercita uma influência subjugando em cima da mais baixa natureza de fleshly. Contanto que as faculdades sejam rendidas a Deus o alívio de achados Cristão do fardo e culpa de pecado.

Não é isto o que o Mestre quis dizer quando Ele falou estas palavras: ” Venha até mim, tudo você que trabalho e é pesado carregado e eu lhe darei resto. Leve jugo em você, e aprenda de mim. … E você achará resto até suas almas. Para meu jugo é fácil, e meu fardo está claro “. Mateus 11:28-30. Certamente o Jesus não estava dizendo que sofrimentos e conflitos desapareceriam das vidas dos seguidores dele. Bastante Ele estava descrevendo a alegria e paz de mente da que marcaria o caminho o obediente. Quando o Jesus conheceu Saul na estrada para Damasco que Ele disse, ” é duro thee chutar contra as picadas “. O significado para estas palavras é óbvio. Ele era Saul revelador que era difícil de resistir ao espírito santo. A miséria e posição de luta no caminho de desobediência. O modo do transgressor é duro; não o modo do obediente.

Nós temos que deixar de permitir para o Satanás lavar o cérebro nós com as reivindicações exageradas da autoridade dele. É verdade que debaixo do reinado de pecado é mais fácil prejudicar que é corrigir, mas também é verdade que debaixo do reinado de graça é mais fácil corrigir que é prejudicar. Por que nós não deveríamos afirmar as prerrogativas que pertencem a nós como as crianças de Deus? Os escritores de Bíblia não hesitaram desafiar a autoridade limitada de Satanás, e nós nem. Paulo escreveu: ” Além disso a lei entrou, que o offence poderiam abundar. Mas onde pecado abundou, grau fez muito mais abunde. Que como pecado tinha reinado até morte, mesmo assim poderia enfeitar reine por retidão até vida eterna por Jesus Cristo nosso Deus “. Romanos 5:20, 21.

Note a expressão, ” como tinha reinado ” pecado. Como peque reine? Como um poder controlando, não fez isto? Dirigindo todo impulso espiritual atrás, a natureza carnal dominou todos os esforços de graça para entrar no coração. Mas nota que graça abunda ” muito mais ” que pecado, e ” como tinha reinado pecado… mesmo assim poderia enfeitar reinado “! Obviamente, graça também será um poder controlando que pode dominar todos os esforços de pecado para entrar na vida. Não é que uma garantia fantástica? O diabo tem nenhuma dinamite que compara com a dinamite quebrando do evangelho em uma vida se rendida.

Assim nós somos devolvidos novamente à pergunta: É mais difícil de servir Jesus ou Satanás? É inegável que nós temos acesso a poder melhor que ruim. ” Se Deus é para nós, quem pode estar contra nós “? Alguém poderia responder, Satanás “. E eu digo, Assim isso que? Ele foge ao mesmo nome de Jesus “. Claro que, ele quer que você seja perdido, mas Deus desejos você ser economizado. Você pode ganhar toda vez estando no lado do mais forte. Jesus recorreu ao domínio dele de diabos nestes palavras: ” Quando um homem forte armado mantido for palácio, os bens dele estão em paz: Mas quando um mais forte que ele o descobrirá,… ele leva dele todos sua armadura em que ele confiou, e dividiu os espólio ” dele. Lucas 11:21, 22.

O homem forte se referido é Satanás, claro que. Ele é mais forte que o homem mais sábio que sempre viveu (Solomon), e o homem mais forte que sempre viveu (Samson), e o homem mais perfeito que sempre viveu (o Adão). Mas ele não é mais forte que o Jesus. Cristo é aquele mais forte que ” o ” Superou e entrega os cativos fora das mãos dele. Isso que uma realidade excitante!

 

TODOS SERÃO SALVOS,  QUE NÃO RESISTEM

Deus não somente tem o poder para nos salvar, mas também Ele tem o desejo para fazer isto. É dele testamento que tudo deveriam vir a arrependimento e deveriam economizar. O que produz arrependimento na vida? Paulo nos assegura que ” a bondade de Deus leaded ele para arrependimento “. Romanos 2:4. Quanto conduz Ele para arrependimento? Todo o mundo, claro que, desde que é dele para salvará tudo. Cristo disse, ” eu, se eu sou erguido para cima da terra, puxará todos os homens até mim “. John 12:32. O amor dele faz não atrai um seleto poucos só, mas para TODOS os homens. A bondade dele LEVA toda alma a se arrepender, e o amor dele ATRAI todos os homens à cruz. Se isto é verdade, por que todos os homens não são salvados? Porque eles resistem à doce influência de desenho do espírito santo. Não há nenhuma dúvida absolutamente que Deus busca a salvação de toda alma ativamente em terra de planeta, e Ele continuará condenando esses que não se endureceram em incredulidade.

Isso que um pensamento! A coisa difícil para fazer é lutar contra salvação. A menos que nós resistamos, Deus persistirá nos atraindo a Ele. ” Para a graça de Deus que traz salvação se apareceu a todos os homens “. Titus 2:11. Para quantos homens? TODOS os homens! Hebreu 2:9 dizem que o Jesus provou morte ” para todo homem “. Novamente, ” Deus estava em Cristo, enquanto reconciliando o mundo até ele “. 2 coríntios 5:19. A única razão na que todo o mundo simplesmente não é salvado porque a grande maioria resiste à provisão de Deus de economizar, enquanto santificando graça.

Assim a coisa realmente dura sobre o modo de transgressões é o cabo que liga que pecado firmou na mente e corpo. Isto é por que é mais fácil o unconverted continuar o curso deles/delas que virar de morte a vida. Não há nada dentro deles capaz de desafiar o testamento da carne. Mas nós afirmamos da mesma maneira que confiantemente que o testamento Cristão renascido cresce detestar pecado depressa, e achará isto um ato absolutamente miserável para chegar a um acordo a consciência por desobediência voluntariosa. Assim o que é a resposta à pergunta, É mais fácil ser economizado ou ser perdido? Nós devemos truthfully dizem que é difícil de fazer a volta inicial da ego-vida, mas depois que o coração se rende, o caminho do Christian, em todos os sentidos, está mais contente e mais fácil de manter. Consideremos a teologia atrás deste fato glorioso.

A Bíblia fala livremente de ” ser justificado pela graça dele pela redenção que está em Cristo Jesus: Quem Deus partiu ser uma propiciação por fé no sangue dele, declarar a retidão dele pelo perdão de pecados que são passados, pela paciência de Deus; para declarar, eu digo neste momento a retidão dele que ele há pouco poderia ser, e o justifier dele que que acreditam em Jesus “. Romanos 3:24-26.

Por favor note que só esses que ” acreditam em Jesus ” serão justificados pessoalmente, até mesmo pensamento a cruz provê isto para todo o mundo. O texto diz deve haver ” fé no sangue ” dele. A companhia de utilidade provê poder abundante e ilumina para minha casa, mas eu não recebo nenhum benefício tudo que a menos que eu empurre os interruptores em minha casa. Todos Deus estão dizendo, limpando, justificando poder é de nenhum benefício a mim em salvação a menos que eu aceite isto de um modo pessoal.

Fora texto também fala de ” perdão de pecados que são passado ” como parte desta experiência de justificação. O que realmente acontece este ato de perdão ou perdão é de pecados? Muitos acreditam que isto é algo que acontece fora da vida do crente. Eles consideram aquele perdão muda a atitude de Deus para o transgressor por causa de alguma contabilidade celestial levada a cabo bilhão de anos luz fora. É verdade que perdão já afeta Deus de forma que Ele não segura algo contra mim? Este não é decididamente o caso. Perdão não muda Deus para nós; nos muda para Ele. Deus não precisou mudar. Ele nunca estava errado. Homem era o pecador que precisou mudar. Ele se levantou condenado antes de uma lei quebrada que poderia oferecer nenhuma graça ou perdão. Havia nenhuma retidão a ser tirada da lei absolutamente. Não pôde prover força por direito fazer. O pecador era impotente, condenado e desamparado debaixo do açoitar daquela lei.

A terminologia de Paulo faz condenação para ser o oposto de justificação. Em Romanos 8:1-4 descreve ele que subjectively de justificação realiza para o indivíduo. Não há então agora nenhuma condenação a eles que estão em Cristo Jesus… nisso era fraco pela carne, Deus que envia o próprio Filho dele na semelhança de carne pecadora, Para o que a lei não pôde fazer, e para pecado, pecado condenado na carne: Que poderia ser cumprida a retidão da lei em nós, que não caminham depois da carne, mas depois do Espírito “.

Imediatamente, nós podemos ver que a posição de problema na carne que era muito fraco para obedecer a lei. Algo teve que ser feito em homem para o devolver em harmonia com Deus. A palavra grega para retidão neste verso é dikaima que significa só exigência. Como o problema de fraco-carne poderia ser curado de forma que homem poderia cumprir as exigências da lei?

Deus provê a solução cheia quando Ele enviou o Jesus na carne obedecer a lei perfeitamente. Só era porque o Cristo viveu uma vida perfeita de obediência que Ele pode imputar justificação a cada um de nós. Se aquele plano de enviar o Jesus não tivesse levado ao cuidado de minha fraqueza na carne, então o plano teria falhado. Quando o Cristo passar à vida, a condenação é afastada, os pecados são perdoados, e nós somos autorizados para cumprir as exigências da lei por Cristo em nós. Esta é a mudança que perdão faz na vida.

Perdão não muda Deus, menos nós. Ele justifica o descrente tomando o ungodliness. Ele justifica o pecador rebelde tomando a rebelião. Quando Ele nos declarar íntegro, a palavra de ego-recheio dele nos faz íntegro. Ele não declara algo que não é verdade. O que conquistou o Satanás agora passa ao coração humano para prover vitória em cima do poder de pecado. O milagre da vida nova é descrito na Bíblia através de expressões totalmente fantásticas. Nós podemos ter a mente de Cristo (Filipenses 2:5), participe da natureza divina (2 Pedro 1:4), seja enchido de toda a abundância de Deus (Ephesians 3:19), e seja feito livre de pecado (Romanos 6:18). Tudo isso é possível como raça de g começa a reger a vida, e debaixo deste poder, Satanás não tem um fantasma de chance.

 

OS CRISTÃOS NEED NÃO BAJULAM OU SE AGACHAM

Tudo que não resistem à bondade de Deus serão conduzidos a arrependimento e salvação, e a autoridade fingida de um inimigo derrotado não os deveria intimidar. Nós temos que reconhecer nossa posição como os filhos de Deus. Nós também deveríamos ser destemidos reconhecer fora autoridade em Cristo em cima de Satanás. Está na hora das crianças de Deus deixarem de tremer antes das ameaças de um inimigo conquistado. Muito freqüentemente em evangelismo que nós assistimos em desânimo como o diabo organiza as atrações competindo dele para levar as pessoas longe da Palavra de Deus. Nós dizemos, ” Oh meu, o que vamos nós fazer? O circo está vindo a cidade durante nossa cruzada “. A verdade é aquele Satanás deveria ser preocupado em vez de nós. Ele deveria tremer e deveria dizer, ” O que vou eu fazer? As reuniões de evangelistic estão vindo a cidade “.

As crianças Espírito-cheias de Deus têm que aprender ser mais confiante, mais agressivo e corajoso na afirmação deles/delas de verdade no nome do poderoso, conquistando o Criador Deus. Nós não estamos operando na força da carne mas no poder do espírito santo. Ele isso é para nós é maior que ele que está contra nós. Elogio é a Deus para tal garantia!

Agora le nós consideramos a pergunta, POR QUE É MOT HARD para SERVIR o CRISTO QUANDO VOCÊ É CRISTÃO? Por favor não equivoque o idioma desta pergunta. Nós estamos falando sobre um partidário Cristão renascido o Jesus. Não há nenhuma contenção que qualquer um achará isto fácil outro viver a vida Cristã. Na realidade, não há nenhuma mais tarefa difícil provavelmente no mundo que t que se arrepende para viver para Cristo na força da carne. É bastante possível que muitas das doenças degenerativas e fraquezas do corpo foram produzidos por gerações de luta para agradar Deus através de esforço humano. São cansadas as pessoas e usadas fora por tal atividade fútil.

Eu não estou dizendo que não haverá nenhum esforço ou luta, mas para o Christian comprometido o modo de obediência é uma alegria e delícia E VITÓRIA ESTÁ SEGURA! ” Para isto é o amor de Deus, que nós mantemos as ordens dele: e as ordens dele não são dolorosas “. 1 John 5:3. O grande discípulo de amor declara que não é difícil de obedecer a lei de Deus quando for o frutificação de uma relação de amor. O Psalmist escreveu, ” eu me encanto para fazer thy vá, O meu Deus: sim, lei de thy está dentro de meu coração “. Salmo 40:8. Há duas razões fortes por que não é doloroso para o verdadeiro Christian servir o Deus. Primeiro, ele é absolutamente confiante que Deus o ama e fará o que é bom para ele. Segundo, ele ama o Cristo supremamente e escolhe correr nenhum risco de O desagradar.

 

RESTRIÇÕES PODEM SER UMA DELÍCIA

Alguém pode levantar uma pergunta sobre as demandas colocadas na Bíblia e as penalidades prenderam para transgressões. Nenhum pode negar que eles estejam lá. Faça estas exigências e ameaçou penalidades fazem para obediência um sofrimento? Me deixe resposta que pergunta com duas entrevistas imaginárias. Suponha eu há pouco submeti a um exame médico completo e o doutor está me dando um relatório dos achados dele. Ele diz, ” José, eu tenho notícias ruins, ruins para você. Seus testes indicam que seu vai morrer a menos que você siga minhas ordens exatamente. Para economizar sua vida, você tem que obedecer o que eu vou lhe falar, e você tem que continuar seguindo minhas ordens diariamente para o resto de sua vida. Eu achei que lhe exigirão comer dois ou três vezes por dia para economizar sua vida. E você tem que se forçar a fazer isto dia depois de dia contanto que você viva “.

Pense nisto para um momento. Essas são regras rígidas com penalidades pesadas prendidas. Eu posso perder minha vida violando a lei colocada pelo doutor. Mas será difícil eu seguir essas ordens? Claro que não! Por que? Simples porque há uma lei mais alta que me leva a comer diariamente de qualquer maneira. As leis físicas de minha demanda de ser que eu como regularmente, e eu gosto de fazer isto. É para meu próprio bem comer, e eu não tenho que se forçar a obedecer as exigências rígidas do doutor.

Da mesma maneira há uma lei de amor que opera em toda vida Cristã que é a extensão natural de uma relação pessoal com Jesus. As ordens e penalidades da Bíblia não são nenhuma ameaça tudo que, porque o Christian reconhece a lei mais alta que o leva a fazer estas mesmas coisas que são para o melhor bem dele. Ele não obedece para medo da penalidade, mas porque ele é obedecendo mais feliz o Um que ele ama.

Imaginemos outra conversação que nunca acontecerá de fato. Eu estou preparando para deixar casa durante um mês de evangelismo. Minha esposa me conta adeus e então solenemente segura um papel antes de minha face. ” José, ” ela diz, ” você terá sido ido por um mês, e seu cheque será remetido fora antes de você devolvesse. Eu há pouco quero que você leia este papel muito cuidadosamente. É uma cópia de Estatuto de Maryland Não. 392, e declara que você será posto em prisão se você não me enviar dinheiro para operar a casa. Não é muito agradável naquela prisão de município, assim eu estarei esperando que você envie aquele dinheiro assim que você adquira seu cheque “.

O que ela diz é verdade, mas eu preciso da ameaça daquela lei para me fazer apoiar minha família? Não, há uma lei mais alta de amor que me faz queira levar ao cuidado de meus familiares. Dever de voltas de amor em um privilégio jovial. Eu me lembro andar dez milhas na chuva vertendo manter uma data com a menina eu amei. Eu tive pesares de n. Meu amor para ela predominou o sofrimento. Nós podemos fazer para qualquer coisa um fardo pela atitude nós temos para isto e a propósito nós relacionamos com isto. É um fardo para só servir o Jesus se a relação estiver errada.

 

A ESTRADA ESTREITA É DURA E INFELIZ?

Eu ouvi as pessoas dizerem, ” Mas Cristianismo é tão restritivo “. Verdadeiro. Mas matrimônio é até mesmo mais restritivo que religião. Isso faz isto miserável? As noivas e noivo se queixam das promessas estreitas que eles fazem a um ao outro? Eu executei muitos matrimônios e nunca cuidei recém casados infeliz dos compromissos deles/delas. Eles sempre são brilhantes, embora eles prometessem há pouco as vidas deles/delas fora.

Imagine alguém chegar à noiva nova com estas palavras desencorajando: ” Oh,! Você realmente está agora em uma situação ruim. Pense bem, você tem que cozinhar diariamente para este sujeito de sua vida. Lhe exigirão limpar a casa, será reparado as roupas dele, e será aguentar os hábitos desordenados dele. Esta coisa de matrimônio é notícias ” ruins. Você sabe como aquela esposa jovem nova responderia? Ela diria, “Maravilhoso! Eu amo isto”!

Suponha alguém que alguem tentasse desencorajar um Cristão recentemente batizado que há pouco se casou “com Jesus com estas palavras:” Oh, você vive em uma bagunça miserável. Pense bem, você não pode ir para os bares e pode dançar mais. Você não pode ir para os jogos de futebol aos Sábados, e você não poderá comer carne de porco e não pode comer camarã mais”. Sem dúvida, aquele Christão radiante recém-nascido responderia, ” Maravilhoso! Eu amo todo o momento disto “!

A explicação para esta resposta é feita em 2 Corintians 5:14, ” Para o amor de Cristo constrangimento nós “. Amor impele e compele as pessoas para fazer qualquer coisa e tudo para agradar o que morreu para eles. Nenhum jugo penoso liga tais discípulos ao caminho de serviço e obediência. ” Abençoado é eles isso faz as ordens dele, que eles podem ter direito à árvore de vida, e pode entrar dentro pelos portões na cidade “. Apocalipse 22:14. Aquela palavra realmente abençoou meios feliz. As ordens podem ser restritivas, mas é uma alegria a ser restringida por amor.

Ao unconverted estes pensamentos são estrangeiros e contraditórios. Pessoas que não estão apaixonadas não podem apreciar o envolvimento abnegado desses que estão alegremente casados. Alguns pares casados destruíram o amor deles/delas por um ao outro, e eles olham em matrimônio como uma escravidão esfoladora. A falta não está com o matrimônio, mas com a atitude. Quando os cristãos caem fora e perdem a relação deles/delas com Jesus, eles também começam a se queixar do fardo de religião. A falta não mente na religião mas nos corações sem amor dos queixosos.

Será que tudo disto, se levanta em oposição ao ensino de Cristo relativo a abnegação? Jesus disse, ” E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Lucas 9:23. Ele quis dizer que o modo de obediência seria duro e infeliz? Não. Ele estava pintando a realidade de atrações competindo simplesmente na vida de um Christian. Sempre haverá allurements da carne e do mundo atraindo a ego e tentando me puxar longe de Cristo. Sem a influência constrangedora de um afeto mais alto, poderia estar dominando a atração emocional dessas coisas. Aqui é onde são reveladas as linhas da autoridade de amor. O amor poderoso de Cristo me constrange O agarrar e dizer ” que Não ” ao convite incessante da carne, o diabo, e o mundo. Esses desafios tolos para minha relação com Cristo sempre estarão presentes, mas eu sempre poderei escolher ficar com Ele por duas razões. Eu O amo mais que qualquer coisa ou qualquer pessoa outro no mundo, e eu sei que Ele fará o que é melhor para mim.

Satanás utilizará sentimento como um das armas mais efetivas dele contra os santos, mas um verdadeiro testamento Cristão reconhece que não podem ser confiados na carne e sentimentos. Nós temos que servir Deus por causa de direito e verdade e não porque nós sentimos no humor. Humores levaram milhões a negar o Deus e viver para a carne. A maioria desses que servem o diabo hoje está fazendo assim porque eles foram enganados e foram encobertos sentindo. É uma maravilha constante para assistir as pessoas siga os artificialidade rasos de pecado em perseguição de felicidade. Obviamente, eles não derivam verdadeiro prazer fora de fumagem, bebendo, e se destruindo caso contrário por comportamento indulgente; contudo, robô-como, eles passam pelos movimentos ditados pelos desejos carnais deles/delas.

Walter Winchell resumiu isto quando ele escreveu na coluna de jornal dele: ” As pessoas mais tristes no mundo são esses se sentando em juntas que fingem eles estão tendo um tempo bom. Esta Rua de Broadway está cheio de lugares de diversão que tentam fazer as pessoas feliz, contudo suas pessoas estão encharcadas em infelicidade “.

O problema é que esses milhões têm nenhum poder de uma lei mais alta de amor espiritual que opera nas vidas deles/delas. Opor isto, a carne está de acordo uma influência controlando em cima da mente e corpo sem força competindo. Mesmo responde à atração emocional de estímulos externos e tem nenhum escolhido mas ser capturado pela carne. Me faz lembrar de uma história que eu ouvi falar de um acampamento de concentração. Um homem estava de pé, enquanto olhando pelos arames farpados de uma morte abarrotada acampam. Dentro de, os prisioneiros se levantaram com corpos emagrecidos, bochechas ocas, e olhos afundados. Como o homem no lado de fora contemplou ao espetáculo desses ocupantes famintos, um dos prisioneiros chamou a ele e disse, “Ha! Você não pode entrar aqui, você” pode? Imediatamente, a natureza egoísta reagiu ao desafio. ” Quem disse que eu não posso? Eu mostrarei para você “. E o homem rastejou por baixo do arame para unir-se aos outros sofridos presioneiros. Até aqui…….

Isso provavelmente é tão íntimo quanto nós podemos vir a explicar o insensate carnaval de morte que conduz milhões todos os anos em violação presunçosa das leis do ser deles/delas. Incrível como pode parecer, mesmo está disposto se fazer miserável para ter seu próprio modo, e esses na carne não têm nenhum poder para resistir a suas ordens. É muito mais fácil eles prejudicarem que é corrigir. Mas nos deixou repetirmos e reafirma a verdade gloriosa que para esses que estão profundamente apaixonado por Cristo, é mais fácil corrigir que é prejudicar.

Aqui são as notícias boas do evangelho cheio de Jesus Cristo, e eu ofereço isto agora mesmo para todo leitor destas palavras. O Jesus veio prover o poder de dinamite pelo qual nós podemos ser ambos justificado e santificou. Nós podemos ter libertação da culpa de pecado e também do poder de pecado. Aceitando as providências simples, livres do evangelho, salvação está segura em todos os três tempos de nosso experimentar-passado Cristão, presente, e futuro. Maio Deus nos ajuda a não ser satisfeito com uma compreensão parcial ou aplicação da graça dele. Nos deixe se deitar segure das riquezas incríveis e poder (dunamis) foram dados que a nós como os filhos e filhas de Deus.

 

COMO REIVINDICAR VITÓRIA EM CIMA DE PECADO

Você ouviu falar do modo evolutivo de adquirir a vitória em cima de hábitos ruins e pecados? Às vezes é chamado o método cônico ou o método difícil, mas geralmente, há pouco não trabalha. Oh, trabalha parcialmente, claro que, porque idade velha leva ao cuidado de algumas tentações e pecados, e tempo resolve o resto quando morte vier. Mas você sabe por que tentando não trabalha superando o diabo?

Por que nós não podemos lutar o diabo durante alguns meses e finalmente pode o afugentar? Porque o diabo é mais forte que nós somos. Nós poderíamos o lutar durante um ano, mas ele ainda seria mais forte que nós estamos ao término daquele ano. Tentando nunca quebrarão o poder de pecado em um único exemplo porque nós estamos estando em frente de um inimigo que sempre será mais forte que nós somos. O que, então, a resposta é a nossa fraqueza e derrota? Esta pergunta, nos conduza ao mais doce e mais sublime segredo na Palavra de Deus.

Em primeiro lugar, a pessoa tem que entender que todos o presente de Céu estão disponíveis a nós pelas promessas da Bíblia, e nós os recebemos por fé. O Pedro descreve as ” grandes e preciosas promessas ” excedendo e nos assegura que ” por estes você poderia ser partakers o a natureza ” divina. 2 Pedro 1:4. É armazenado poder poderoso dentro da promessa para fulfil isto para tudo que reivindicam isto em fé. Tão poucos está disposto acreditar que a bênção prometida se torna deles/delas o mesmo momento que eles acreditam isto. Por que é tão difícil de acreditar aquele Deus implicitamente fará o que Ele promete?

Agora, nos deixe descer o mesmo coração de vitória e considere os quatro passos bíblicos simples que qualquer crente pode dar reivindicando o poder de Deus. Quatro textos iluminarão a transação surpreendente. Primeiro: ” Mas agradece seja a Deus que nos deu a vitória por nosso Deus Jesus Cristo “. Eu Coríntians 15:57. Permita para sua mente saborear a mensagem fantástica destas palavras. VITÓRIA É UM PRESENTE! Nós não ganhamos isto por nossos esforços ou merecemos isto por causa de qualquer bondade suposta. A única coisa nós precisamos faça é pedir isto, e a vitória será dada livremente a nós por Cristo. Ele é o único que alguma vez ganhou a vitória em cima de Satanás, e se nós sempre destacamentos a vitória, terá que vir como um presente de Ele.

Me deixe lhe perguntar algo. Você precisa de vitória em sua vida em cima de alguma ligação, hábito miserável de pecado? Alguns são os escravos a apetite, para álcool, ou tabaco. Outros estão lutando helplessly contra impureza, raiva, ou mundanalidade. A Bíblia diz que você pode ter a vitória como um presente por Jesus Cristo. Você acredita que Ele o dará que poder se você Lhe pergunta? Como certo você pode ser aquele Deus responderá sua oração imediatamente por vitória? Aqui é como seguro você pode ser – da mesma maneira que seguramente como as palavras de Cristo são verdades!

Nosso SEGUNDO texto Mateus 7:11 é, ” Se você então, sendo mau, saiba dar presentes bons até suas crianças, quanto mais deve seu Pai que está em céu dê coisas boas a eles isso lhe pergunte? É uma coisa boa quando você pede vitória em cima de tabaco ou qualquer outro fleshly ou mal de moral? Claro que é! E você faz nem mesmo tenha que perguntar se é que Deus é ir! Ele já nos falou na Bíblia que é dele para destruirá os trabalhos de pecado e o diabo. Se nós rezarmos para mais dinheiro ou um trabalho melhor, nós sempre deveríamos perguntar de acordo com o testamento dele, mas a vitória em cima de pecado é prometida a todo o mundo que pergunta em fé.

Deus dará a vitória quando nós Lhe perguntamos? O Jesus disse que Ele é mais dará esta coisa boa que nós somos alimentar nossas crianças quando elas tiverem fome. Ele está esperando honrar sua fé e prover toda sua necessidade de acordo com as riquezas dele em glória por Cristo Jesus “. Filipenses 4:19. Estas garantias são tão em aberto e ilimitadas que nossas mentes estão cambaleantes por isto. Por que nós fomos tão relutantes solicitar as providências de graça? Por que é tão duro acreditar que Deus meios exatamente o que Ele diz?

Aqui é a próxima pergunta. Como nós sabemos que nós temos a vitória depois que nós Lhe perguntemos? Simplesmente porque Ele disse que nós teríamos isto. Nós sabemos que Deus não mente. Nós podemos acreditar a promessa dele. Eles sabem que Deus não mente. Nós podemos acreditar a promessa dele. O mesmo momento que nós perguntamos, nós deveríamos aceitar o fato de cumprimento, Lhe agradeça pelo presente, se levante e age como se foi terminado. Nenhum amável de sentimento de prova ou canta deveria ser exigido ou deveria ser esperado. É libertado o poder ego-cumprindo na promessa só com respeito a nossa fé.

Isto nos traz ao TERCEIRO texto achado em Romanos 6:11, ” Igualmente também o considere yourselves para realmente estar morto até pecado, mas vivo até Deus por Jesus Cristo nosso Deus “. A palavra considera pretende acreditar, ou considerar isto terminado. Toda prática de fé deveria ser focalizada naquele pedido para vitória, e então, deveria ser considerado como terminado. Você se lembra como o Pedro caminhou na água? Ele perguntou para o Jesus se ele pudesse sair do barco sobre o mar furioso, e o Jesus disse para o Pedro que viesse. Mas quanto tempo o Pedro fez o impossível caminhando na água? A Bíblia diz, ” Quando ele viu o vento tumultuoso, ele tinha medo; e começando a afundar, ele chorou, enquanto dizendo, Deus, exceto mim “. Mateus 14:30.

O que foi o Pedro amedrontado de? Ele tinha medo de afundar e se afogar. Apesar da garantia de Cristo que ele pudesse caminhar seguramente na água, o Pedro começou a duvidar a palavra do Mestre. Isso é quando ele começou a afundar. Contanto que ele acreditasse a promessa de Jesus e agiu em fé, ele estava seguro. Quando ele duvidou, ele afundou.

Agora, o que é a coisa impossível até onde você está preocupado? Não está caminhando em água. Está superando aquele hábito de tabaco ou outro pecado atacando. E o Cristo diz, ” Venha a mim. Eu lhe darei vitória “. Contanto que você acredite que você foi entregado, você terá a vitória. É tão simples quanto isso. O mesmo momento que você pede vitória que será colocado em sua vida como um reservatório de poder. Você não sentirá isto, mas está lá. Permanecerá lá contanto que você aceite isto em fé.

Para algumas pessoas a libertação é tão dramática que eles perdem o apetite até mesmo para o pecado. Às vezes foram entregados os viciados de tabaco da apetência. MAS ISTO NÃO É O DEUS DE MODO HABITUAL FAZ ISTO. Normalmente, o desejo permanece, mas no momento de tentação, o poder para caminhar adiante de dentro além da fonte de tentação. Fé aceita o fato de libertação e constantemente reivindicações a vitória que está na posse segura do crente.

O passo final para vitória é descrito em nosso QUARTO texto, Romanos 13:14, ” Mas o pôs no Deus Jesus Cristo, e não faz provisão para a carne, cumprir o thereof ” de luxúria. Tão forte é a confiança no poder apropriado de Deus que nenhuma consideração é dada a cair novamente debaixo do poder daquele pecado. Debaixo do plano difícil velho, chumaço de provisão fez falhar em a maioria dos casos. Foram colocados cigarros em uma estante, e o fumante disse a ele, ” eu vou nunca tentar fumar novamente, mas se eu não fizer isto, eu sei onde eles são “. Mas debaixo do plano confiante, nós temos nenhuma razão para temer fracasso nos chãos de fraqueza humana. Vitória não depende de nossa força mas no poder de Deus. Nós poderíamos falhar, mas Ele não pode falhar. São jogados fora cigarros. Tudo planejam isso poderia envolver qualquer grau de acordo é abandonado.

Pequeno Jimmy estava em dificuldade porque ele tinha ido nadar contra o ordens da mãe dele. Quando perguntou por que ele tinha a desobedecido, o Jimmy respondeu, ” Porque eu fui tentado “. Mãe disse então, ” eu notei que você ocupou seu maiô com você esta manhã. Por que você fez isso “? O Jimmy respondeu, ” Porque eu esperei ser tentado “. Como típico desses que não confiam na própria força deles/delas totalmente para ganhar a vitória. Eles fazem provisão para falhar.

Alguém poderia elevar a objeção que isto poderia estar desencorajando. Suponha a pessoa falha? Até mesmo Pedro começou a afundar. Não vai isto confiança de tremor em Deus se a vitória não foi mantida? Não. O afundamento de Pedro não teve nada que ver com o fracasso de poder divino. Não mudou Cristo vá para ele a caminhar na água. Só apontou para cima a necessidade de Pedro de fé mais forte poderia debilitar. Nós poderíamos precisar ser feitos lembrar de nossa dependência total na força dele. Mas isto não diminui do plano bonito de Deus para dar poder e vitória por ” as grandes e preciosas promessas ” excedendo da Bíblia. Sem fé pelo receptor, nem mesmo as promessas de Deus pode ser destinado. Os limites estão claramente definidos nas palavras de Jesus, ” de acordo com sua fé seja isto até você “. Mateus 9:29.

Lá está, amigo, em tudo de sua simplicidade. E TRABALHOS DE IR! Se você estiver disposto ser entregado, trabalha. Nada ajudará o um que não está legando deixar o pecado. Mas se você quiser isto, está lá. VITÓRIA, DÊ PODER A, LIBERTAÇÃO – só alcance fora em fé e é seu. Acredite e reivindique este mesmo momento. Deus quer que você seja livre.

 

 

 

 

 

09
May

É a Lei Anulada pela Graça?

Copyright  1990 by J
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved Printed in USA

Published (Under permission) by
COCONET-US, LLC
(Educational Department)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9782

Cover by A. Soares
Design by A. Soares

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

 

 É A LEI ANULADA PELA GRAÇA DE DEUS?

O Demônio, através do pecado, tem simplesmente destruído esse nosso mundo. Nós vivemos em um tempo de rebelião contra todos direitos e leis. Esta Nação se depara chocada nas grandes cidades, os desafios das gangs de ordem sociais e direito de propriedade, incluindo o direito de viver. Assassinatos, roubos, e assaltos pessoais se tornaram marcas registradas de ambos, urbanos e suburbanos centros da vida do século 21.

Cada dia, quando lemos os jornais, parece que a nossa qualidade de vida atingiu um novo nível, ainda mais abaixo. Algumas vêzes somos tentado a acreditar que as coisas não podem ficar piores do que estão e que nossas precárias condições já atingiram o fundo do poço. No entanto, até mesmo no próximo dia, mais violência e bizarros crimes são reportados, e nós simplesmente sacudimos nossas cabeças em descrédito. Isto é muito difícil compreender como que uma nação como os Estados Unidos da América, com sua rica tradição cristã, herança de seus antepassados possa ter deixado de lado seus fundamentais princípios. Até mesmo os países não-cristãos não são aplacados com estas ondas de crimes e violência em que nós, um país cristão, nos deparamos. Mais e mais esta nação chamada cristã está se degenerando. Mais crimes são reportados em Washington D.C. num período de 24 horas do que Moscou reporta em um total ano. Não há dúvidas de que os métodos de reportes não são os mesmos, mas assim mesmo, isto apresenta um alarmente cenário.

O problema começa a se tornar mais sério quando nós nos damos conta de que esta “fora-da-lei” atitude também está alcançando as áreas da religião e afetando milhões que nunca pensariam em matar ou estuprar. Isto é bem provável que a grande maioria dos membros de igreja nos E.U.A. hoje carreguem em suas bagagens algumas convicções em quebrar pelo menos um dos Dez Mandamentos. Uma tremenda insidiosa doutrina tem se desenvolvido em ambas, Católica e Protestante teologia a qual tem a tendência de minimizar a autoridade da grande lei moral de DEUS. Isto tem levado a muitos olhar com leveza para a transgressão e tem feito o pecado parecer inofensivo. Em fato, o pecado tem perdido seu poder de horror à multidões e tem se tornado um aceitável modo de viver para ambos, jovens e adultos. Testemunhando as correntes tendências no estilo de vida o qual suporta esta maneira de ver.

Quantos jovens, (homens e mulheres) estão vivendo juntos hoje sem os benefícios do casamento! No entanto eles não acreditam que tal arranjamentos no modo de viver constitua pecado. Uma grande porção dos que roubam em supermarkets, lojas e malls, são professos cristãos, e a maioria destes que pertencem a esta ou àquela igreja acreditam que não existe pecado nenhum envolvido em violar o Sábado do Sétimo-dia, o quarto mandamento.

Como poderemos explicar esta situação paradóxica entre estes que professam um alto respeito pela Bíblia, e tão grande amor para com Cristo?  Esta questão começa a se tornar mais significante quando nós consideramos a histórica posição da cristandade com relação à lei dos Dez Mandamentos. Quase todas as grandes denominações tem oficialmente se colocado em registros como suportando a autoridade desta lei. Mas assim mesmo, sutís erros de interpretações tem pulado para dentro das modernas igrejas, levando-os ao presente estado, esta confundida lealdade à lei dos Dez Mandamentos. Quão fervorosamente nós deveríamos olhar a esta lei e estudar a sua relação com a graça de DEUS e à salvação propriamente dita. É tão fácil aceitar “clichês populares” concernentes à lei e  a graça sem antes pesquisar os fatos Bíblicos, pelos quais, finalmente seremos julgados. Nós temos que encontrar autoritativas respostas escriturais para questões como estas: Em que senso estão os cristãos livres da lei?  O que isso significa, estar sob a lei? A graça de DEUS nulifica os Dez Mandamentos? É o cristão justificado quando ele quebra um dos Dez Mandamentos por causa que ele está sob graça?  Estas são as questões que nós devemos adressar a nós mesmo nesse importante estudo.

 

CONDENADO
PARA MORRER

Vamos colocar de lado este lixo de confusão o qual tem tornado ubscura a verdade sobre como o homem é salvo. Multidões tem ouvido emocionais discursos sobre pecado e salvação, mas eles continuam não entendendo a lógica e a razão a qual requer sacrifício de sangue.

Pode voce imaginar o horror de estar perante o juíz e ouvir a sentença de morte pronunciada contra voce?  Provavelmente não. Mas voce sente a conciência acusadora e o medo quando DEUS lhes dá esta sentença: “O salário do pecado é a morte.” Romanos 6:23. Porque medo e culpa?  “Porque todos pecaram e estão privados da glória de DEUS.” Romanos 3:23.

As palavras estão lá e seu significado não pode ser mal-entendido. A palavra “todos” pode muito bem querer dizer João ou Maria, ou…  não interessa o nome que voçe tenha. O chocante fato é que voce está sob a sentença de morte! Voce foi achado culpado perante a lei, e não existe corte de apelação neste mundo ou neste universo que possa reverter essa sentença e achar voce não-culpado. O fato é que voçe é culpado. De acordo com I João 3:4, “… pecado é a transgressão da lei”, e voce tem que se declarar culpado por quebrantar a lei. Que lei voce quebrou?  Paulo responde-nos rapidamente, “ Que diremos pois, é a lei pecado? De modo nenhum: mas  eu não conhecí o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás.” Romanos 7:7. Lá está! A grande lei dos Dez Mandamentos é o que foi quebrada, e isto demanda a morte do transgressor.

Em desespero o pecador procura uma maneira de ser justificado em vista desta lei quebrada. Como pode a sentença de morte ser revertida? Pode o homem espiar o seu pecado por obedecer os Dez Mandamentos pelo resto de sua vida? De volta, vem a resposta que ninguém pode mal-interpretar:  “Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.” Romanos 3:20.

Escute, existe uma razão porque a alma não será justificada pelas obras. Se um homem é encontrado culpado de roubar e é condenado a dez anos na prisão, ele pode realmente justificar-se a si próprio pelas obras. Em servindo os dez anos da pena, o homem satisfez os reclamos da lei. Ele é considerado perfeitamente justificado e inocente porque ele serviu integralmente sua sentença e preencheu os requisitos da lei. Da mesma maneira, um assassino pode ser justificado de suas obras se ele cumprir uma pena de 50 anos que lei venha a exigir. Mas suponha que sua sentença seja a pena de morte ao invés dos 50 anos em prisão? Pode o prisioneiro justificar-se a si próprio pelas obras?  Nunca! Até mesmo que ele viesse a cumprir 100 anos de trabalhos forçado, a lei continuaria a demandar a morte daquele prisioneiro. A verdade é esta, que sem derramamento de sangue não existe remissão dos pecados. Em Hebreus 9:22-28, nós lemos: “E qase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão. De sorte que era bem necessário que as figuras das coisas que estão no céu assim sse purificassem; mas as próprias coisas celestiais com sacríficios melhores do que estes. Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figuras do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de DEUS; Nem também para a si mesmo se oferecer muitas vêzes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio; Doutra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo; mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacríficio de si mesmo. E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez vindo depois disso o juízo. Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.”

Isto é o porque que o pecador nunca pode ser salvo pelas obras.  A penalidade para o pecado não é 10 anos em prisão ou 50 anos de trabalhos forçados. A sentença é morte, e a lei não pode ser satisfeita a não ser por derramamento de sangue. Esta imutável lei com sua inexorável sentença de morte nunca poderia ser removida assim como o trono de DEUS nunca poderá ser destituído. A culpa do passado não pode ser apagada por resoluções que se tomem no futuro, por bom comportamento. O pecador finalmente é forçado a confessar que ele deve alguma coisa que ele não pode pagar. A lei demanda a morte e ele não pode satisfazê-la sem que ele venha a rejeitar sua própria vida para a eternidade.

 

A LEI CONTINUA
EM EFEITO

Agora nós somos trazido à questão a qual tem criado confusão para multidões de cristãos: Se o labores da lei não podem salvar a pessoa, é isso então necessário guardar a lei? Aparentemente isso era uma “batata quente” no tempo da igreja primitiva, porque Paulo perguntou a mesma questão em Romanos 6:1. “Que diremos pois?  Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde?” Em outras palavras. A graça nos dá a licensa para desobedecer as leis de DEUS? Sua resposta é: “De modo nenhum. Nós que estamos morto para o pecado, como viveremos ainda nele?” Romanos 6:2.

Quão interessante é que cristãos nessa era de relativismo possam inventar suas próprias definições a quais permitem ‘o quebrar a lei’.  A Bíblia diz que pecado é a violação dos Dez Mandamentos – a lei que tem sido descrita como irrelevante e ultrapassada para muitos modernos teólogos. Não seja enganado. Um por um destes grandes preceitos morais estão tão atualizados e necessários hoje, como eles eram necessários e atualizados quando DEUS os escreveu nas imperecíveis tábuas de pedra, no monte Sinai. E nada tem acontecido até agora para que os façam menos em atuação do que quando eles foram dados a Moisés. Em fato, nós iremos descrobrir que Jesus veio para magnificá-los e abrir o entendimento para a sua aplicação espiritual, fazendo isso muito mais compreensivo do que os Fariseus legalistas pudessem imaginar. Sob a destilante influência da perfeita vida de Cristo em obediência, nós podemos ver os detalhes espirituais em guardar a lei a qual não pode ser reconhecida ou feita possível separada de Cristo.

 

A LEI DE DEUS
– UM ESPELHO –

Nesse ponto, nós temos que ser muito cuidadosos para designar também o que a lei não pode fazer. Mesmo que isto aponte o pecado, ela não tem força para salvar do pecado. Não existe uma justificante e limpadora graça nisso. Todos os labores de todas as leis não seriam suficientes para salvar uma única alma. Porque?  Pela simples razão de que nós somos salvos pela graça através da fé, como um presente. “Por isso nenhma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.” Romanos 3:20.

Não tropeçe neste ponto cruscial. Nós não podemos alcançar perdão por trabalhar árduo em obedecer. Nenhum pecador pode ganhar aceitação e favor de DEUS por causa que ele obedece a lei. A lei não foi feita com a função de salvar ou justificar. Ela foi feita para mostrar-nos a necessidade de sermos limpos e para apontar-nos para a grande fonte de purificação, Jesus Cristo, nosso Senhor. A Bíblia descreve a lei como sendo um espelho a mostrar que tipo de pessoa nós realmente somos. “Porque, se alguém  é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao varão  que contempla ao espelho o seu rosto natural; Porque se contempla a si mesmo, e foi-se, e logo se esqueceu de que tal era. Aquele porém, que atenta bem para a lei perfeita da liberdade, e nisso persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas fazedor da obra, este tal será bem-aventurado no seu feito.” S. Tiago 1:23-25.

Isto é óbvio para todos que o espelho não pode remover uma mancha da face. Olhando-se no espelho o dia inteiro, e até mesmo esfregando o espelho na face, não irá prover limpeza nenhuma. O trabalho do espelho é somente para revelar a sujeira e apontar aquele que está sujo para o ‘tanque’ para uma atual limpeza. A lei, da mesma maneira, pode somente condenar o pecador em dando a ele o conhecimento de sua condição e depois apontando ele para a cruz para uma verdadeira purificação. “Por que pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de DEUS. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.” Efésios 2:8, 9. Paulo vai mais longe, enfatizando este ponto em Gálatas 2:16: “Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crito em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei; porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada.”

Aqui mesmo nós temos que considerar uma das mais falaciosas proposições jamais apresentada relativa à lei. Incontáveis sinceros cristãos tem aceitado a idéia de que o Antigo Testamento emcompassa a dispensação de trabalhos e o Novo Testamento provê a dispensação da graça. Sob este distorcido plano as pessoas eram salvas pelas obras, no Antigo Testamento e no Novo Testamento as pessoas são salvas pela graça. Isto simplesmente não é verdade. A Bíblia sustenta somente um maravilhoso e bonito plano para todos serem salvos, e isto é pela graça através da fé. O céu não será dividido entre aqueles que lá chegaram pelas obras e aqueles que lá estão pela fé. Toda e qualquer alma entre os remidos serão pecadores que foram salvos pela graça.

Aqueles que entraram na salvação no Antigo Testamento foram aqueles que acreditaram nos méritos do sangue remidor de Jesus Cristo, e eles demonstraram sua fé trazendo o cordeiro para o sacríficio. Em fé eles olhavam para a frente para a redentora morte de Jesus. Nós em fé, olhamos para trás, para a mesma morte e somos salvos exatamente da mesma maneira. Esteja muito certo de que todos os remidos através de toda a eternidade irão cantar o mesmo som de libertação, exaltando o Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.

 

A “NOVA” LEI
DE CRISTO

Alguns tentam e dispor os Dez Mandamentos nas bases do “novo” mandamento do amor que Cristo introduziu. Isto é certamente verdade que Cristo introduziu duas grandes leis de amor como sumário de toda a lei, mas deu Ele a idéia de que estes eram novos com relação ao tempo?  O fato é que Ele estava fazendo menção diretamente do Antigo Testamento quando Ele deu estes novos mandamentos. “Amarás pois ao Senhor teu DEUS de todo o teu coração, de toda a tual alma, e de todo o teu poder.” Deuteronômio 6:5. “ … Amarás ao teu próximo com a ti mesmo.” Levíticos 19:18. Certamente, estes penetrantes pricípios espirituais foram esquecidos pelos legalistas dos dias de Cristo, e eram novos para eles em relação à suas vidas e práticas. Mas Jesus não queria com isso fazer com que eles tomassem o lugar dos Dez Mandamentos.

Quando o doutor da lei perguntou a Jesus qual era o maior de todos os mandamentos na lei, ele recebeu a seguinte resposta: “E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu DEUS de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a lei e os profetas.” Mateus 22:37-40.

Note que estes dois mandamentos de amor simplesmente sumarizam “toda a lei e os profetas.” Todos eles estão pendurados nestes dois princípios de amor. Cristo estava dizendo que amor é o cumprimento da lei, do mesmo modo que Paulo repetiu isto em Romanos 13:10, “O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor.” Se alguém ama a Jesus Cristo supremamente com coração, alma e mente, ele irá obedecer os primeiros quatro mandamentos, que tem a ver com DEUS propriamente dito. Ele não tomará o nome de DEUS em vão, não adorará a outros deuses, etc… . E se alguém ama o seu próximo como a si mesmo, ele irá obedecer os últimos seis mandamentos, os quais relatam a nossa obrigação com o nosso próximo. Ele não será capaz de roubar de seu próximo, ele não será capaz de matar ao seu próximo e não cobiçará a mulher de seu próximo nem tão pouco irá falar mal de seu próximo. O amor irá fazer com que ele seja compelido a obedecer ou preencher todos os requisitos da lei.

 

NÃO SOB A LEI

Frequentemente nós ouvimos este argumento em um esforço para diminuir a lei de DEUS: “Bem, desde que nós não estamos mais sob a lei mas sob a graça, não precisamos mais guardar os Dez Mandamentos.” É isso um ponto válido?  A Bíblia certamente diz que nós não estamos debaixo da lei, mas quer isso dizer que nós estamos livres da obrigação de guardar a lei?  O texto nós encontramos em Romanos 6:14, 15. “Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum.” Quão fácil seria nós prevenir-nos de confusão se aceitássemos o que a Bíblia diz. Paulo dá a sua própria explanação sobre esta declaração. Depois de declarar que nós não estamos debaixo da lei mas debaixo da graça, ele pergunta: Pois que? Isso quer dizer simplesmente isso; Como iremos nós entender isso? Depois note a sua resposta. Em antecipação que alguém poderia construir as suas palavras para dizer que voce pode quebrar a lei porque voce está debaixo da graça, ele diz: “Pecaremos porque não estamos debaixo da lei mas debaixo da graça?  De modo nenhum.” Na mais forte das possíveis linguagens ele declara que estando debaixo da graça não nos dá licensa para quebrar a lei. No entanto isto é exatamente o que milhões acreditam hoje, e eles totalmente ignoram os específicos avisos de Paulo.

Se estar debaixo da graça não nos isenta de guardar a lei, então o que Paulo quis dizer quando ele falou que cristãos não estão debaixo da lei?  Ele nos dá a resposta em Romanos 3:19. “Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de DEUS.” Aqui Paulo equaliza estar debaixo da lei com ser condenável diante de DEUS.” Em outras palavras, aqueles que estão sob a lei são culpados de quebrá-la e estão sob a condenação da lei. Isto é o porque que cristãos não estão debaixo da lei. Eles não estão quebrando isso – eles não são culpados e condenados por isso. Portanto, eles não estão debaixo da lei, mas ao invés, estão debaixo da força da graça. Mais tarde em seu argumento, Paulo aponta que a força da graça é muito maior do que a força do pecado. Esta é a razão por que ele declara tão enfaticamente, “Porque o pecado não terá domínio sobre voce: porque voce não está sob a lei, mas debaixo da graça.” Graça sobrepuja a autoridade do pecado, dando forças para obedecer a lei de DEUS. Esta é a efetiva razão porque nós não estamos sob a culpabilidade e condenação e também o porquê Paulo declara que nós não continuaremos a pecar.

Suponha que um assassino foi condenado a morrer na cadeira elétrica. Esperando pela sua execução o homem estaria verdadeiramente debaixo da lei em toda a acepção da palavra – debaixo da culpa, da condenação e da setença de morte. Justo antes da data da execução o governador reviu o caso de condenação daquele homem e decide perdoá-lo. Na luz de extenuantes circunstâncias o governador exerce a sua prerrogativa e manda um perdão total ao prisioneiro. Agora ele já não está mais debaixo da lei, mas sob a graça. A lei já não mais o condena. Ele é considerado totalmente justificado no que concerne as charges da lei. Ele é livre para caminhar para fora da prisão e nenhum policial pode colocar as suas mãos sobre ele. Mas agora que ele está debaixo da graça e não mais sob a lei, pode ele dizer que está livre novamente para quebrar a lei?  Realmente não! Em fato aquele perdoado homem estará duplamente comprometido em obedecer a lei porque ele encontrou a graça do governador. Em gratidão e amor ele será muito cuidadoso em honrar a lei daquele estado que lhe garantiu a graça. É isso o que a Bíblia diz sobre pecados perdoados?  Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei.” Romanos 3:31. Aqui está a mais explícita resposta para o inteiro problema. Paulo pergunta se a lei se torna nula para nós somente porque nós temos fé na salvadora graça de Jesus. Sua resposta é de que a lei é reestabelecida e reinforçada na vida do cristão salvo pela graça.

A verdade disso é tão simples e óbvia, que isto não requereria repetição, mas as desviadas razões daqueles que tentam evitar obediência faz isso necessário de pressionar este ponto um pouco mais. Alguma vez voce já foi parado por um policial por estar excedendo o limite de velocidade? Isto é uma embarassante experiência, especialmente se voce sabe que é culpado. Mas suponha que voce estava correndo em demazia porque voce tinha realmente uma válida razão para isso, então voce começa e explicar suar razões par o policial na medida em que ele escreve o ticket. Vagarosamente ele dobra o ticket e o rasga. Depois ele diz: “OK, eu vou esquecer tudo desta vez, mas…” Agora, o que é que voce pensa que aquele “mas” queria dizer? Certamente isso queria dizer que da próxima vez que te pegar… .  Por acaso este perdão abre o caminho para voce começar a desobedecer a lei a torto e a direito? Pelo contrário, isso adiciona uma compelente urgência à sua decisão de não desobedecer a lei novamente. Por que então, deveria qualquer verdadeiro cristão tentar racionalizar uma maneira de desobedecer a lei de DEUS? “Se voce me ama”, Jesus disse, “guarde os meus mandamentos.” João 14:15.

 

OBEDIÊNCIA
– O TESTE DE AMOR

Alguém pode levantar uma objeção de que depois da lei atingir o seu objetivo, que era apontar o pecador para Cristo para purificação, isto não mais seria necessário na experiência do crente. É isso verdade? Não, realmente não. O cristão irá sempre, necessitar do censor da lei para revelar qualquer desvio do verdadeiro caminho e redirecioná-lo de volta à grande purificadora força da cruz de Jesus. Nunca existirá um tempo em que o espelho da correção não será necessário no progressivo crescimento da experiência cristã.

A lei e a graça não trabalham em oposição uma com a outra, mas em perfeita harmonia e cooperação. A lei aponta o pecado, e a graça salva do pecado. A lei é a vontade de DEUS, e a graça é o poder de executar a vontade de DEUS. Nós não obedecemos a lei para que possamos ser salvos, mas porque nós estamos salvos. Um bonito texto que combina estas duas forças em sua relação uma com a outra é encontrado em Apocalipse 14:12. “Aqui está a paciência dos santos: aqui estão aqueles guardam os mandamentos de DEUS e tem a fé de Jesus.” Que perfeita descrição de fé e obras! E a combinação é encontrada naqueles que são ‘santos.’

As obras da obediência são o teste real do amor. Isso é o porquê que eles são assim tão necessários na experiência do verdadeiro crente. “A fé sem obras é morta.” Tiago 2:20. Nenhum homem ganhou o coração de uma donzela por palavras apenas. Se lá nunca existiu pelo menos um bouquet de flores, um ato de de devoção, um presente de amor, a maioria dos homens ainda estariam procurando por tal sonhada companheira. Jesus disse: “Nem todo o que me diz, Senhor, Senhor! Entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.” Mateus 7:21.

Palavras e confissões não são suficientes. A verdadeira evidência é a obediência. O que nós encontramos hoje em dia, em decalques, nos para-choques dos automóveis refletem um razo conceito de amor. Eles dizem: “Sorria se você ama a Jesus”, “Buzine se você ama a Jesus”, mas o que o próprio Mestre disse? Ele disse: “Se me amares, guardareis os meus mandamentos.” João 14:15. E isto é exatamente o que a maioria das pessoas não querem fazer. Se amar não implica em demandas mais do que um sorriso, ou um abano de mãos, então isto é bem-vindo; mas se isso vai causar um distúrbio no estilo de vida, a maioria irá rejeitá-lo.

Infelizmente a maioria das pessoas, hoje em dia, não estão procurando pela verdade. Eles estão procurando por uma confortável, suave e macia religião a qual permita a eles viver do jeito que mais lhes agrada e continuar a ter assegurado a sua salvação. Realmente não existe uma verdadeira religião que possa fazer isso para eles.

Um dos mais fortes textos encontrados na Bíblia neste subjecto está escrito em I João 2:4. “ Aquele que diz: Eu conheço-O, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.” João pode escrever isso com tal segurança porque esta é uma das mais profundas verdades estabelecida na Bíblia. Jesus falou a respeito desses que dizem: “Senhor, Senhor”, mas não fazem a vontade do Pai. Depois Ele descreveu muitos que iriam procurar a entrada do reino clamando serem operadores de milagres no nome de Cristo. Mas Ele tristemente terá que dizer, “Eu nunca os conhecí: apartai-vos de mim, vós que pratiqueis iniquidade.” S. Mateus 7:23. Você vê, conhecer Jesus é amar a Jesus, e amá-Lo é obedecê-Lo. A assunção válida dos escritores Bíblicos é muito clara e simples: Se alguém não está obedecendo a Cristo, ele não ama a Cristo. E se Ele não ama o Mestre, ele não O conhece. João nos assegura, “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único DEUS verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” S. João 17:3. Assim nós podemos ver como conhecer e amar e obedecer estão todos juntos atados apertadamente e inseparáveis na vida do fiél povo de DEUS. O amado João sumarizou tudo isso nestas palavras: “Porque esta é a caridade de DEUS, que guardemos os seus mandamentos; e o seus mandamentos não são pesados.” I João 5:3

 

É ISTO POSSÍVEL
OBEDECER A LEI?

Um incontável número de cristãos tem sido ensinados que, desde que a lei é espiritual e nós somos carnais, nenhum ser humano, nunca será  capaz, nesta vida de cumprir com os requerimentos da perfeita lei. É isso verdade?  Será que foi dado por DEUS uma grande e idealística e impossível meta a qual convertidas almas irão se debater mas nunca terão a expectativa de alcançar?  Será que existe alguma coisa escondida reservada ou um secreto meio nos grandes comandos para obedecer os dez grandes preceitos que DEUS escreveu com seus próprio dedos? Será que DEUS pensou no que Ele escreveu? Será que Ele escreveu o que Ele pensou?

Muitos acreditam que somente Jesus poderia ter obedecido a lei, e isto por causa que ele tinha forças especiais que não estão disponíveis para nós. Certamente é verdade que Jesus foi o único que viveu sem cometer qualquer tipo de pecado e/ou desobediência. A razão para esta vida perfeita e vitoriosa é encontrada em Romanos 8:3, 4. “Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, DEUS, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne;  Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o espírito.” Não perca o ponto que Jesus veio para condenar o pecado pela Sua perfeita vida na carne, em ordem que, ‘a justiça de lei’ possa ser completa em nós. O que é esta justiça?  A palavra Grega “dikaima” é usada aqui, o que quer dizer literalmente, “o justo requerimento” da lei. Isso só pode significar que Cristo obteve esta perfeita vitória, para que tal vitória também estivesse disponível para nós. Tendo conquistado e derrotado o mal,  e com isso mostrando que na carne a lei pode ser obedecida, Cristo agora se ofereçe para vir e habitar em nossos corações e repartir esta vitória conosco. Somente por Sua ativante força pode os requerimentos da lei serem cumpridos por todos nós. Paulo disse: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece.” Filipenses 4:13.

Nenhum ser nunca poderá guardar um sequer destes Dez Mandamentos contando com a força humana sòmente, mas todos eles podem ser guardados através da força capacitadora de Jesus. Ele nos imputa Sua justiça para limpar-nos reparte conosco sua justiça para um vitorioso viver. Cristo veio em um corpo carnal como o seu próprio e dependeu totalmente de seu Pai para viver a Sua vida para demonstrar o tipo de vitória a qual é possível para todo o ser o qual da mesma maneira aproximar-se da graça do Pai.

 

JULGADO PELA LEI

Agora, a pergunta final sobre o subjecto da lei: Quantos dos Dez Mandamentos a pessoa tem que quebrar para ser culpado de pecado? Tiago diz: “Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse:  Não matarás. Se tu pois não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei. Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade.”

Todo o indivíduo será julgado ao final, pelo poderoso código moral da lei de DEUS. A quebra de um preceito é culpa de pecado. A Bíblia indica que os Dez Mandamentos são como uma corrente com dez elos. Quando um elo é quebrado a corrente toda é quebrada. Assim também é a lei. Aqueles que enfretarem o julgamento, terão que se deparar com o ácido teste dos Dez Mandamentos. Se um ladrão praticante procurasse entrar no reino a sua entrada seria rejeitada. Esta é a razão pela qual Paulo diz que os ladrões não entrarão no reino dos céus. Em adição a isso, a Bíblia especificamente declara que os mentirosos, os adúlteros, os idólatras e os cobiçosos não herdarão o reino. Porque?  Por que os Dez Mandamentos proíbem estas coisas, e o homem será julgado finalmente pela lei. Nenhuma pessoa será admitida nos céus, que concientemente violar qualquer um desses Dez Mandamentos, porque a quebra de um é a quebra de todos.

Alguem poderá objectar dizendo que isso é fazer as obras como base para a entrada no reino. Não. O amor é realmente o fator qualificante. Jesus disse que o maior mandamento de todos é amar a DEUS supremamente. Ele também disse: “Se me amares, guardareis os meus mandamentos.” João 14:15. Aqueles que praticam qualquer conhecido pecado, na realidade eles estão dizendo que não amam a DEUS com todo os seus corações, alma e mente. Assim, é a falta de amor que deixa eles de fora; não o ato de desobediência o qual expôs esta falta. Sòmente quando o amor é a causa motivadora da obediência é que ela se torna aceitável a DEUS. Qualquer outra obra é a vã tentativa do homem em ganhar a salvação e negar a eficácia do redentor sacrifício de Cristo.

 

REDIMIDO PARA QUE?

Uma dramática ilustração da doutrina da ‘lei-graça’ é vista na estória de um leilão de escravos em New Orleans, USA, ha muitos anos atrás. Dois fazendeiros estavam fazendo seus lançes para comprar um velho negro, o qual estava a gritar palavras de rebelião naquela parte da sala de leilão. Finalmente um dos fazendeiros fez o lançe vencedor e levou o escravo para sua carroça e de lá de volta para a sua fazenda. Através do caminho, o desafiador homem negro declarava que ele não iria trabalhar para o seu novo dono. Finalmente quando eles chegaram à fazenda, o fazendeiro fez o escravo desçer da carroça, tirou-lhes as correntes de suas pernas e disse: “Voce está livre, pode ir embora. Voce não é mais um escravo. Eu o comprei para que pudesse lhe dar liberdade.”

De acordo com estória, aquele velho homem atirou-se aos pés daquele fazendeiro e disse: “Mestre, eu irei lhe servir para sempre.”

Da mesma maneira, nós todos fomos presos, retidos pela escravidão do pecado, condenados à morte. Então Cristo pagou o preço para nos assegurar a liberdade daquela escravidão sem esperança. Amavelmente Ele fala para nós que a razão pela qual ele fez isso foi para libertar-nos. Qual deveria ser a nossa resposta? Todo o redimido filho de DEUS deveria cair aos Seus pés e dizer: “Mestre, Eu te amo, pelo que voce fez por mim. Eu irei serví-Lo o resto de minha vida.”

Pense sobre isso por um momento. Jesus teve que morrer porque a lei foi quebrada. O pecado demanda morte. Se a lei pudesse ser abrogada, a penalidade do pecado poderia ser colocada de lado também. “… Porque onde não há lei também não há pecado.” Romanos 4:15. Tão forte foi a autoridade desta imutável lei que o próprio DEUS não a aboliu – nem mesmo para salvar o Seu próprio Filho da morte.

Uma muito velha estória de dois irmãos é quase que uma perfeita ilustração de ambas, graça e lei, em operação. O irmão mais velho era juiz. Seu irmão mais novo foi trazido à sua presença como transgressor da lei. De todas as evidências, ficou esclarecido para todos de que ele era culpado. A côrte estava tensa. Iria o juiz praticar a justiça neste particular caso? O juiz olhou para seu irmão duramente e declarou-o culpado. Depois surprendeu a côrte inteira em aplicar a pena máxima. Mas imediatamente ele levantou-se e passou a cerca que o separava de seu irmão e colocando os braços sobre os ombros dele, disse: “Eu tinha que fazer isso, porque voce era culpado. Eu sei que voce não pode pagar a pena, mas eu pagarei a pena por voce.”

O ponto da estória é dramático em seu impacto. O irmão foi perdoado, mas a penalidade não. Isto tinha que ser pago. Mas em pagando a máxima penalidade, o juiz não sòmente deixou de abolir a lei, mas grandemente magnificou-a. Ele demonstrou estes dois juntos reclamos jamais poderiam ser evitados. No mesmo sentido, DEUS não poderia e não deveria abolir a lei para salvar o Seu amado Filho. Isto custa algo em manter a lei e pagar a penalidade máxima. Ninguém nunca irá saber o quanto isto custou para o Filho de DEUS. Mas quão gratos deveríamos nós ser de que o Seu amor foi perfeito como a Sua justiça. Em seu próprio corpo ele recebeu a penalidade, satisfez a lei e justificou o transgressor.

Será que voce não pode ver que maior demonstração nunca poderia ser feita para provar a permanente efetividade dos Dez Mandamentos?  Em todo o universo, DEUS não poderia ter mostrado um maior convincente e irrefutável argumento em favor de Sua lei. No entanto, em face a esta tremenda exibição, milhões de mal-orientados pobre e lamentáveis homens tentam diminuir o governo de DEUS em diminuindo Sua lei. Eles pareçem não entender que a lei é o reflexo do carácter de DEUS, de Sua santidade e de Sua justiça. Falar de sua abolição é abordar a traição contra o governo celestial.

Olhe para esta santa lei, agora mesmo, para uma divina revelação do que DEUS quer que a sua vida seja. Confesse que voce não tem força para viver uma vida condizente a este perfeito padrão. Depois torne seus olhos para aquele Um que teve condições de guardar a lei perfeitamente e cujo desejo nesse exato momento é entrar em sua vida com sua capacitadora força. Ele irá preencher a justiça da lei – o justo requerimento da lei – em voce, assim que, dessa maneira voce poderá dizer com Paulo: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a  na fé  do Filho de DEUS, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.” Gálatas 2:20

 

09
May

Como a Evolução Falhou no Teste Científico?

Copyright  1980 by
Joe Crews (Amazing Facts)
All Rights Reserved

Published under permission by:
COCONET-US, LLC. (Educational Department)
2207 East Snow Rd
Berrien Springs, MI 49103-9782

“Lança teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás”. Eccl. 11:1 

Como a Evolução Falhou No Teste Científico

Recentemente  eu conversei com um homem que tinha uma fé incrível. Nenhuma sombra de dúvida assaltava sua  animada descrição da origem e destino do homem.  Ele era um evolucionista que eu encontrei no avião em uma ponte aérea que fazia aqui nos Estados Unidos. Com incrível confidência ele traçava pontes com  eons de tempos da pré-história para explicar a existência  da vida animal e vegetal da era moderna. Sua detalhada descrição da ascendência humana de uma mono-célula  monada era tão vívida e convencedora que um quase que poderia  acreditar ele havia visto uma microscópica ameba tornar-se em um ser humano.

O que é esta doutrina da evolução a qual inspira tamanha fé em seus discípulos? Como que isso tem tornado grandes cientistas em dogmáticos oponentes de qualquer outro ponto de vista?  Muitos cientistas evolucionários tem unido suas influências profissionais para proibir qualquer sala de aula de instruir opiniões contrárias às suas opiniões e ponto de vistas. Será que a teoria da evolução merece esse tipo de suporte fanático, o qual sufoca qualquer outra idéia oposta a esta? Quando pessoas religiosas tomam posições contrárias às deles (dos cientistas), estas pessoas são chamadas de intolerantes e radicais, mas por outro lado, os cientistas parece que se escapam de assim serem classificados. Em 1977 aproximadamente 200 membros da comunidade acadêmica dos Estados Unidos mandaram cartas para os coordenadores de escolas através de todo o país chamando a atenção para que nenhuma idéia alternativa com relação à origem do homem fosse permitida nas salas de aula.

Isto indica que os evolucionistas estão sentindo as ameaças de uma crescente revolta contra estas estereotipadas e contraditórias versões de suas teorias. Muitos estudantes estão à busca de uma honesta resposta para suas dúvidas com relação a origem e significado da vida. Pela primeira vez, as velhas tradições da evolução tem que ficar na defensiva. Mas vamos dar uma olhada no que eles tem que defender. Depois voce entenderá porque estes cientistas evolucionários são pessoas de uma fé extraordinária, e porque eles estão assim com tanto medo em ter que encarar uma competição a nível escolar.

 

GERAÇÃO EXPONTÂNEA

Como os cientistas explicam a existência deste primeiro animal unicelular, do qual a vida supostamente evoluíu? Por muitos anos a idéia medieval da geração expontânea era  aceita como sendo uma explicaçao aceitável. De acordo com “Webster”, geração expontânea é: “geração da vida através da matéria inanimada”… isto é tirado da crença, agora abandonada, que organismos encontrado em matéria orgânica podre, crescem expontaneamente.”

Assim simplesmente dito,  isso significa dizer que sob certas condições de temperatura, tempo, lugar e espaço, etc… a matéria decomposta vem a tornar-se uma vida orgânica. Esta idéia simplista dominou a pensamento científico até 1846, quando Louis Pasteur completamente destroçou esta teoria com seus experimentos. Ele expôs o conceito inteiro como sendo uma completa tolice. Sob condição de semi-vácuo, em  laboratório,  vida orgânica nenhuma nunca emergiu de uma matéria decomposta e sem vida. Relutantemente isto foi abandonado como uma válida matéria científica. Hoje, nenhum cientista reputável tenta defender isso em uma base demonstrável. Isto é o porque de “Webster” diz que isso “agora abandonado”. Isto nunca foi e nunca foi  e nunca poderá ser demonstrado em um tubo de ensaio. Não existe nenhum processo atualmente que possa ser observado e demonstrar a idéia de geração expontânea. Óbviamente, se geração expontânea alguma vez teve efeito num passado remoto para produzir a faísca da vida, isto teria que ser assumido que as leis que governam a vida deveriam ser completamente diferentes do que elas são hoje. Hei! Espera um pouco! Isto não funciona também! Porque toda a teoria evolucionista está ancorada na assunção de que as condições de nosso planeta através dos séculos tem se mantido uniforme.

Você começa a perceber o dilema que os evolucionistas tem em explicar que a primeira ameba, ou monad, ou qualquer forma de primeira célula de vida? Se isso formou-se espontaneamente de uma pré-existente vida, isto contradiz a lei básica da natureza na qual se baseia e forma toda a teoria. E assim mesmo, sem acreditar em geração espontânea, os evolucionistas deveriam reconhecer alguma outra coisa do que a força natural em serviço – em outras palavras, Deus. Como eles circundam este dilema?

Dr. George Wlad, vencedor do Prêmio Nobel, da Universidade de Harward, afirma isso crítico e honestamente o quanto pode um evolucionista:

“Nós temos somente que contemplar a magnitude desta tarefa que concede que a geração expontânea de um organismo vivo é impossível. No entanto aqui estamos – como resultado, eu acredito em geração expontânea.” Scientific American, Agôsto, 1954

O depoimento do Dr. Wlad

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Translate »